Partilhar

Gata castrada entra no cio

Por Mariana Castanheira, Médica Veterinária. Atualizado: 25 julho 2018
Gata castrada entra no cio

Ver fichas de  Gatos

Se você se está questionando se é possível que a sua gata, que está esterilizada, esteja apresentando sinais de cio, chegou no artigo certo. Sua gatinha está miando toda a noite, rebolando pelo chão, chamando pelos machos? Mesmo ela estando castrada isso podem ser efetivamente sinais de cio.

Você quer saber como é que é possível que a gata entre no cio mesmo depois de castrada? O PeritoAnimal te explica. Continue lendo!

Também lhe pode interessar: Cadela castrada entra em cio

O cio nas gatas

Em primeiro lugar, devemos aclarar que se podem tratar de duas situações:

  1. A sua gata está de facto em cio
  2. Você está confundido os sinais de cio com outros sinais.

Assim, é importante recordar quais os sintomas de uma gata no cio:

  • Vocalização excessiva (algumas gatas podem miar toda a noite)
  • Alterações comportamentais (algumas gatas ficam mais carinhosas, outras se demonstram mais agressivas)
  • Rebolam no chão
  • Se esfregam em objetos e pessoas
  • Posição de lordose
  • Algumas gatas podem urinar mais frequentemente e inclusive marcar o território com jatos de urina
  • Se você vive numa casa com jardim, é provável que apareçam gatos interessados na sua gatinha

Caso a sua gata esteja efetivamente com o cio, você deve consultar um médico veterinário porque pode estar a acontecendo um problema chamado de síndrome do ovário remanescente.

Síndrome do ovário remanescente em gatas

O síndrome do ovário remanescente, também chamado de síndrome do resto ovárico, está descrito tanto em humanos como cadelas e gatas. Esta síndrome é mais comum em humanos do que em gatos e cães. Embora esta situação possa ser menos frequente em gatas, existem vários casos documentados[1].

Basicamente, a síndrome do ovário remanescente é caracterizada pela persistência da atividade uterina, ou seja cios, em fêmeas castradas. E porquê isso acontece? Podem existir diferentes causas:

  • A técnica cirúrgica utilizada foi inadequada e não foram retirados devidamente os ovários;
  • Ficou uma pequena porção do tecido do ovário dentro da cavidade peritonial que se revascularizou e voltou a ser funcional,
  • Ficou uma pequena porção do tecido do ovário noutra região do corpo que se revascularizou e voltou a funcionar.

Esta síndrome pode acontecer apenas algumas semanas após a realização da castração ou mesmo anos após a mesma.

A ovariohisterectomia é o procedimento mais comum realizado para a esterilização das gatas. Este procedimento é bastante simples, mas como qualquer procedimento cirúrgico tem alguns riscos, sendo a síndrome do ovário remanescente um deles. De qualquer forma, a esterilização é sempre a melhor opção, apesar dos riscos e relembramos que esta síndrome é pouco comum.

Como você sabe, a esterilização das gatas tem muitas vantagens, entre eles:

  • Impede ninhadas indesejadas! Existem milhares de gatinhos a viver sem condições na rua, é um problema real e a esterilização é a única forma de o combater;
  • Diminui a probabilidade de certas doenças como câncer de mama e outros problemas do foro reprodutivo;
  • A gata fica mais calma e existe menor possibilidade que tente escapar para cruzar;
  • Deixa de existir o estresse habitual da época do cio, noites de miados sem parar e a frustração da gata por não poder cruzar

Diagnóstico da síndrome do ovário remanescente

Se a sua gata castrada entra no cio, você deve desconfiar desta síndrome. É importante que você visite um médico veterinário para que ele possa fazer um correto diagnóstico.

O diagnóstico da síndrome do ovário remanescente nem sempre é fácil. O médico veterinário se baseia nos sinais clínicos, embora nem todas as gatas os apresentem.

Os sintomas da síndrome do ovário remanescente são geralmente iguais aos da fase de estro do cio das gatas:

  • Alterações comportamentais
  • Miados excessivos
  • A gata se esfrega no tutor e objetos
  • Interesse por parte dos gatos
  • Posição de lordose (como na imagem em baixo)
  • Cauda desviada

As descargas vaginais raramente acontecem em gatas, ao contrário do que acontece com as cadelas, embora possa ser comum um aumento da frequência de urina.

Como nem sempre os sintomas da síndrome do resto ovário estão presentes, o médico veterinário se auxilia de outros métodos para chegar ao diagnóstico. Os métodos mais comuns são a citologia vaginal e o ultrassom abdominal. Embora sejam um pouco mais dispendiosos, os testes hormonais e a laparoscopia são também um grande auxílio para o diagnóstico. Estes métodos permitem descartar outros possíveis diagnósticos diferenciais como por exemplo: piometra, traumatismos, neoplasias etc.

Gata castrada entra no cio - Diagnóstico da síndrome do ovário remanescente
Fonte: warrenphotographic.co.uk

Tratamento da síndrome do ovário remanescente

O tratamento farmacológico por norma está desaconselhado. Por isso, o mais provável é que o seu médico veterinário aconselhe uma cirurgia exploratória. Muito provavelmente o seu médico veterinário aconselhará a que a cirurgia seja feita durante o cio, porque durante essa fase o tecido remanescente estará mais visível.

A cirurgia permite que o médico veterinário encontre esse pedacinho de ovário que está provocando todos esses sintomas na sua gata e ao extrair o problema fica resolvido!

Gata castrada entra no cio - Tratamento da síndrome do ovário remanescente

Ou seja, a culpa foi do médico veterinário que castrou a sua gata?

Antes que você conclua que a síndrome do ovário remanescente na sua gata é culpa do médico veterinário que realizou a cirurgia, relembre-se de que como já lhe indicamos, existem diferentes possíveis causas.

Efetivamente, pode acontecer devido a uma cirurgia mal realizada, daí a importância de escolher um bom veterinário. Porém, essa não é a única causa e você não pode acusar injustamente o médico veterinário sem saber o que realmente despoletou essa síndrome. Em alguns casos, a gata apresenta um tecido residual ovárico fora do ovário e por vezes até numa parte distante do corpo. Nesses casos, seria quase impossível o médico veterinário se aperceber e detectar esse tecido de modo a retirar durante o procedimento normal da castração. E como isso acontece? Durante o desenvolvimento embrionário da gata, quando ela ainda era um embrião na barriga da progenitora, as células que criam os ovários migraram para outro lado do corpo e agora, anos mais tarde se desenvolveram e entraram em funcionamento.

Ou seja, muitas vezes, não existe forma de saber que existe uma pequena porção de ovário ainda no corpo da gata até que ela entra em cio novamente e o médico veterinário precisa de fazer uma nova cirurgia.

Se a sua gata castrada entrou no cio, o melhor é correr para um médico veterinário para que rapidamente ele faça o diagnóstico e inicie um tratamento.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Gata castrada entra no cio, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Outros problemas de saúde.

Referências
  1. Ballm R. (2010) Ovarian remnant syndrome in dogs and cats: 21 cases (2000–2007). Journal of the American Veterinary Medical Association. vol. 236 n. 5 p.548-553
Bibliografia
  • DeNardo, G. Becker, K. Brown, N. Dobbins, S. (2001). Ovarian Remnat Syndrome: Revascularization of Dree-Floating Ovarian Tissue in the Feline Abdominal Cavity. Journal of the American Animal Hospital Association. Vol.37

Escrever comentário sobre Gata castrada entra no cio

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
4 comentários
Jair Andrade
Tenho uma gata castrada mas creio que está no cio, ela desapareceu a 9 dias sem vir para casa...quanto tempo dura o cio de uma gata
Geiziany
Minha gata nao esta no cio, mas tem um gato macho correndo a atrás dela, pois ele está no cio pode ocorrer cruza entre os dois ????
A sua avaliação:
Denise Maria Souza Samberg
Boa tarde!
Tenho um casal de gatos/irmãos, com aproximadamente 8 meses e já castrados.
A fêmea anda apresentando comportamentos estranhos. Está mais ativa, derruba tudo, mia e perambula pelo apartamento, durante a noite, sempre fazendo muito barulho e bagunça.
O macho não demonstra interesse sexual pela fêmea, só querendo brincar, morder e correr.
Em alguns momentos, parece que estão brigados. Um não chega nem perto do outro.
Enquanto ele é muito carinhoso ela não aceita afagos de humanos, sem que ela mesma procure por eles.
Ela pode estar no cio, mesmo castrada?
Estou preocupada com ela.
Aguardo seu comentário.
Obrigada.
Na foto, ela aos 5 meses.
Mariana Castanheira (Editor/a de PeritoAnimal)
Oi Denise! Se ela está castrada e não apresenta comportamentos de cio provavelmente não se trata desta síndrome. O meu conselho seria em primeiro lugar, confirmar junto de um médico veterinário que tudo esteja bem com a gatinha, depois, confirme que tem recursos suficientes para os dois, para evitar problemas de territorialidade. Potes de comida separados, número de caixas de areia adequado, etc. https://www.peritoanimal.com.br/quantas-caixas-de-areia-por-gato-temos-a-resposta-22390.html
Quanto a recuperar o afeto da gata, aconselho vivamente o uso de técnicas de reforço positivo: https://www.peritoanimal.com.br/o-reforco-positivo-nos-gatos-20970.html
A sua avaliação:
Júlia
Nossa, vou marcar uma consulta porque a minha gata foi castrada faz dois anos e hoje ela apresenta sintomas de cio! Muito obrigada por este artigo, eu estava bem preocupada

Gata castrada entra no cio
Fonte: warrenphotographic.co.uk
1 de 3
Gata castrada entra no cio

Voltar ao topo da página