menu
Partilhar

Problemas urinários em gatos

 
Por Maria Besteiros. 17 junho 2021
Problemas urinários em gatos

Ver fichas de  Gatos

Não é estranho que um gato, ao longo de sua vida, tenha algum problema no trato urinário. Devido ao estresse e à dor causados ​​por esses tipos de doenças, bem como às suas potenciais complicações, é importante que você, como tutor ou tutora, saiba a quais sinais clínicos deve prestar atenção para que possa ir ao veterinário o mais rápido possível.

Neste artigo do PeritoAnimal revisamos as características dos problemas urinários felinos e quais medidas podemos implementar para preveni-los e curá-los. Boa leitura.

Também lhe pode interessar: Prevenir a obesidade em gatos

Propensão dos gatos a sofrer com problemas urinários

As doenças urinárias em gatos devem ser um ponto de atenção para os tutores, uma vez que a espécie possui certos fatores que aumentam sua probabilidade de desenvolver essas doenças. Por exemplo, os gatos vêm de áreas desérticas e, na natureza, costumavam consumir presas com alto teor de água. O resultado é que os gatos domésticos não bebem muita água.

Quando oferecemos em casa uma dieta composta exclusivamente de ração, um alimento quase sem teor de água, se o gato continuar a beber em pequenas quantidades, teremos um felino que urina poucas vezes ao dia. A baixa eliminação e a formação de urina concentrada favorecem o desenvolvimento de doenças urinárias. Além disso, existem outros fatores que tendem a ocorrer em gatos domésticos e que aumentam o risco de sofrer com essas patologias, como a obesidade, vida sedentária ou esterilização.

Doenças e problemas mais comuns em gatos

A seguir, vamos falar sobre as principais doenças e problemas urinários em gatos domésticos:

DTUIF

Essa sigla corresponde à expressão inglesa Feline Low Urinary Tract Disease. Ou seja, refere-se a doenças do trato urinário inferior que afetam os felinos, principalmente entre um e dez anos de idade. Este nome inclui diferentes patologias que têm em comum a ocorrência na bexiga e/ou uretra e causam sinais clínicos como os seguintes:

  • Aumento da frequência de evacuação, ou seja, o gato urina mais vezes ao dia do que o normal e em pequenas quantidades.
  • Esforços evidentes para urinar. O gato tenta urinar, mas não consegue ou apenas expele algumas gotas.
  • Urina fora da caixa de areia e em diferentes lugares da casa, geralmente em superfícies macias, como camas, ou superfícies frias, como banheiras ou pias.
  • Dor, por exemplo, expressa com miados na caixa de areia, à palpação do abdômen inferior, com agressividade, inquietação ou intensas lambidas na região genital.
  • Hematúria, que é o nome dado à presença de sangue na urina. É possível perceber sangue fresco, uma urina mais escura ou arenosa quando há presença de cristais.
  • Mudanças comportamentais e outros sinais clínicos podem ser notados dependendo da gravidade do caso, como decaimento ou perda de apetite.
  • Ausência de eliminação da urina. Se o gato parar de urinar, vá ao veterinário imediatamente, pois é um caso de emergência e se não receber assistência, pode ser fatal.

Em resumo, ao detectar algum desses sinais clínicos, é necessário ir ao veterinário. Este profissional é o único que possui experiência e formação, visto que ao longo da sua carreira se atualiza com a conclusão do mestrado em medicina veterinária e a participação em congressos e cursos especializados, como para examinar o gato e realizar os respectivos testes que permitem chegar ao diagnóstico e estabelecer o tratamento das doenças que analisamos abaixo. Elas estão inter-relacionadas e podem se manifestar em conjunto.

Cistite idiopática felina (CIF)

Trata-se de uma inflamação da bexiga que recebe o nome de idiopática porque não se sabe qual é a sua origem. Sabe-se que os gatos afetados têm uma resposta maior ao estresse, capaz de ativar o mecanismo que causa a inflamação e todos os sintomas associados. O estresse não seria a causa inicial, mas perpetuaria a cistite. Seu diagnóstico é feito após a exclusão das outras causas possíveis. Embora às vezes os sinais clínicos desapareçam por conta própria, é uma doença recorrente que se manifestará novamente. É necessário consultar o veterinário porque é uma condição dolorosa e estressante para o gato. Além disso, essa cistite pode ser obstrutiva. É um problema que afeta machos e fêmeas.

Cristais e cálculos na urina

Sem dúvida, este é um dos problemas urinários mais comuns em gatos. Os cristais mais comuns são os de estruvita e os de oxalato de cálcio. O maior problema é que eles atingem tal tamanho que o gato não consegue eliminá-los por si só, o que pode causar uma obstrução. Os de estruvita podem ser quebrados com um alimento específico, mas os de oxalato não. Portanto, se o gato não conseguir expulsá-los naturalmente, eles terão que ser retirados pelo veterinário. Os cálculos também são chamados de urólitos ou, popularmente, de pedras. Ao contrário dos cristais, seu tamanho os torna visíveis sem a necessidade de um microscópio.

Obstruções na uretra

Além dos cálculos, os conhecidos tampões uretrais também podem causar obstrução parcial ou total da uretra, que é o tubo pelo qual a urina é eliminada da bexiga. Os gatos machos têm maior probabilidade de sofrer com este problema porque sua uretra é mais estreita e longa do que a das fêmeas. Os tampões uretrais são formados, em geral, pela soma de matéria orgânica e mineral. Qualquer suspeita de obstrução é motivo para consulta veterinária urgente. Um gato que não urina, além de sofrer, corre o risco de morrer, pois o funcionamento dos rins fica comprometido, causando graves alterações em todo o organismo.

Infecções do trato urinário

Esses tipos de infecções geralmente aparecem em gatos idosos ou que já sofrem de alguma outra patologia, como imunossupressão, diabetes, hipertireoidismo ou doença renal crônica. Mesmo se achar que seu gato está infectado, lembre-se que jamais devemos administrar antibióticos por conta própria. A resistência bacteriana é um problema real. Portanto, esses medicamentos só podem ser prescritos por veterinários.

Tanto no caso de infecções como nas condições anteriores, o tratamento de qualquer um dos problemas urinários em gatos deve ser estipulado por um profissional.

Outros problemas urinários em gatos

Defeitos congênitos anatômicos, intervenções como cateterização, lesões no trato urinário, distúrbios neurológicos, tumores ou mesmo problemas de comportamento são causas que também podem desencadear problemas urinários, embora com menor frequência.

Tratamento e prevenção dos problemas urinários em gatos

O veterinário irá prescrever um tratamento de acordo com a doença urinária da qual o gato sofre. O tratamento também deve incluir medidas como as mencionadas a seguir, que servem ainda para evitar que esse tipo de problema surja ou se repita:

  • Aumento do consumo de água. É necessário incentivar o gato a beber água para que urine mais e a urina fique menos concentrada. Para isso, você pode disponibilizar diversos bebedouros em diferentes locais, recorrer ao uso de fontes, oferecer caldos e, se o gato come ração, também deve oferecer a ele, diariamente, uma parte da ração como comida úmida, ou pelo menos umedecer a ração com água. Garanta que ele tenha sempre disponível água limpa e fresca, e se você tiver mais de um gato ou outros animais, deve garantir que nenhum impeça outro de beber.
  • Alimentação de qualidade. Um aporte adequado de minerais previne seu acúmulo, que pode levar à formação de cristais e cálculos, e mantém um pH adequado na urina. Além disso, existem alimentos formulados para quebrar e evitar a precipitação de cristais como a estruvita. Por outro lado, uma alimentação balanceada ajuda a manter o peso ideal do gato, evitando a obesidade.
  • Uma caixa de areia perfeita. um gato vai evitar urinar em uma bandeja suja, muito alta ou pequena, fechada, com areia que não lhe agrade ou que esteja localizada em um local muito barulhento da casa. Portanto, é imprescindível garantir o acesso do gato à caixa de areia em todos os momentos, e que as características desta, bem como as da areia, sejam adequadas às suas necessidades.
  • Prevenção do estresse. Dada a sensibilidade dos gatos a qualquer mudança em sua rotina, por menor que seja, e o impacto que o estresse tem no desenvolvimento de problemas urinários, é imprescindível manter o animal em um ambiente silencioso e que lhe permita realizar suas atividades naturais, implementar medidas de enriquecimento ambiental e introduzir qualquer modificação em sua casa gradualmente e seguindo as diretrizes adequadas de apresentação. É benéfico, da mesma forma, dedicar diariamente um tempo para brincar com o gato, e você também pode recorrer ao uso de feromônios calmantes.

Agora que você já conhece os principais problemas urinários em gatos e viu as formas de tratamento, não deixe de conferir o vídeo a seguir em que falamos sobre as 10 doenças mais comuns em gatos:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Problemas urinários em gatos, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Prevenção.

Bibliografia
  • García y Bárcena (2014): Principales patologías del tracto urinario inferior felino. Portal Veterinaria.
  • Palmero, María Luisa: Cistitis en gatos: Actualización en el diagnóstico y tratamiento del FLUDT. Gattos Centro Clínico Felino.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Problemas urinários em gatos
Problemas urinários em gatos

Voltar ao topo da página