menu
Partilhar

As doenças mais mortais em gatos

 
Por Laura García Ortiz, Veterinária especializada em medicina felina. 23 fevereiro 2022
As doenças mais mortais em gatos

Ver fichas de  Gatos

Os gatos podem sofrer com doenças de alta mortalidade ou bastante graves se não forem diagnosticadas e tratadas a tempo, especialmente quando são muito jovens, muito velhos ou imunocomprometidos. Muitas dessas doenças são infecciosas e podem ser prevenidas com um cronograma de vacinação adequado, enquanto outras podem ser diagnosticadas precocemente com check-ups de rotina na clínica veterinária, portanto, a medicina preventiva é crucial para prevenir as doenças mais mortais em gatos.

Continue lendo este artigo do PeritoAnimal para aprender sobre as doenças mais mortais em gatos domésticos e sem raça definida: câncer, leucemia felina, imunodeficiência felina, rinotraqueíte felina, insuficiência renal, peritonite infecciosa felina e raiva.

Também lhe pode interessar: Doenças mais comuns em filhotes de gatos

1. Câncer

O câncer não é apenas uma doença com uma alta taxa de mortalidade, é também uma das doenças mais comuns dos gatos. O câncer, ou crescimento celular não controlado devido a uma mutação genética de um ou mais tipos celulares em um determinado local, pode ser verdadeiramente fatal, especialmente aqueles tipos de câncer com a capacidade de se espalhar através da corrente sanguínea para outros órgãos vizinhos, tais como o pulmão, rim ou ossos (metástase). O Flint Animal Cancer Center, instituição americana líder no tratamento de câncer de pets no mundo, afirma que 1 em cada 5 gatos desenvolverá câncer em sua vida, especialmente quando forem mais velhos.

Nos gatos, os tumores mais comuns são os linfomas, associados ou não ao vírus da leucemia felina, assim como o carcinoma de células escamosas, câncer de mama, adenocarcinoma intestinal, sarcoma de partes moles, osteosarcoma e mastocitoma.

Tratamento do câncer em gatos

O tratamento do câncer em gatos dependerá do tipo de câncer e da ocorrência ou não de metástases a distância. Para alguns tumores, o tratamento será a remoção cirúrgica completa com ou sem quimioterapia.

Se ainda não ocorreu metástase, a melhor opção é a quimioterapia utilizando drogas citotóxicas específicas para o câncer. Para linfoma felino, existem vários protocolos que combinam tais drogas para matar células tumorais que se dividem rapidamente, tais como o protocolo CHOP ou COP. Para outros cânceres, como o carcinoma espinocelular, a criocirurgia pode ser usada, enquanto para outros o uso de radioterapia ou eletrochemoterapia também pode melhorar a expectativa de vida do gato afetado.

Se a metástase estiver presente e o câncer já estiver muito avançado, o prognóstico é muito ruim e muitos gatos não resistirão à quimioterapia, pois são particularmente fracos e organicamente afetados, de modo que apenas o tratamento sintomático pode ser aplicado para tentar melhorar sua qualidade de vida.

As doenças mais mortais em gatos - 1. Câncer

2. Leucemia felina

A leucemia em gatos é uma doença infecciosa causada por um retrovírus, o vírus da leucemia felina, que tem a capacidade de se integrar ao genoma das células felinas, permanecendo latente e sem sintomas no gato por um longo tempo.

Entretanto, sob certas condições, o vírus pode reativar causando sinais clínicos no gato resultantes de imunossupressão, sinais reprodutivos, sinais hematológicos, tumores (linfomas e leucemias), doenças imunomediadas e alterações nas células do sistema hematopoiético, enquanto em outras, após a infecção, é produzida uma forma aguda que pode matar o gato rapidamente, especialmente aqueles com menos de 5 anos de idade.

Tratamento

A terapia da leucemia felina visa manter o gato com boa qualidade de vida e administrar a imunossupressão e as patologias causadas pelo vírus. Assim, deve ser realizado um tratamento sintomático com multivitaminas, estimulantes do apetite ou anabolizantes, uso de antibióticos por um período maior de tempo se houver infecções devido a imunossupressão, transfusões de sangue em anemia grave, aumentar as defesas do gato com antivíricos e imunomoduladores como o ômega interferon felino (dose de 10⁶ IU/kg por dia durante 5 dias), quimioterapia se houver tumores, corticóides em doenças imunomediadas e terapia específica para outras patologias que possam ocorrer devido a essa que é uma das doenças mais mortais em felinos.

3. Imunodeficiência felina

Outra doença mortal em gatos, sejam os que moram nas ruas ou os domésticos, e que é altamente infecciosa, é a imunodeficiência felina ou aids felina. É causado por um lentivírus que se propaga por contato muito próximo através de sangue e saliva, mordidas e feridas, e é especialmente frequente entre gatos de rua devido a brigas por fêmeas ou territórios.

Após a infecção, o vírus produz uma viraemia (vírus no sangue) que produz uma resposta imunológica no gato, após a qual passa para uma fase subclínica que pode durar anos, mas que destrói progressivamente os linfócitos CD4+ T do gato até que os níveis atinjam um mínimo, momento em que ocorre a síndrome de imunodeficiência adquirida ou AIDS, tornando o gato muito suscetível a infecções e doenças imunomédicas, orais e respiratórias e aumentando grandemente as taxas de mortalidade.

Tratamento

Como no caso do vírus da leucemia, também não há nenhuma droga específica contra este vírus, sendo o objetivo do tratamento estabilizar o gato, manter uma boa qualidade de vida e administrar as complicações e consequências da imunossupressão.

O uso de interferon omega recombinante felino também pode ser útil por suas propriedades imunomoduladoras e antivirais, assim como o uso de complexos vitamínicos que incluem óleo de prímula. As infecções secundárias devem ser controladas prontamente com antibioticoterapia, que muitas vezes é prolongada devido à imunossupressão.

4. Rinotraquíte traqueíte felina

A rinotraqueíte felina é causada pelo herpesvírus felino tipo I (FHV-1), um microorganismo que tem a capacidade de permanecer latente dentro das células do gato infectado e que se propaga por secreções entre gatos, objetos contaminados, como roupas ou mãos.

Geralmente causa sintomas respiratórios superiores, com descarga nasal, espirros, rinite, febre, conjuntivite, ceratite, úlceras da córnea, protusão da terceira pálpebra e sequestro da córnea, que não são fatais em indivíduos imunocompetentes. Entretanto, os filhotes são particularmente vulneráveis, onde o vírus pode causar pneumonia com viraemia grave, levando à morte fulminante.

Tratamento

A terapia de herpesvírus felino é baseada no uso de antivirais, sendo o mais eficaz o remédio famciclovir na dose de 40 mg/kg durante três semanas, sendo mais elevado (62,5 mg/kg) em gatinhos e gatos com doença renal.

Quando há úlceras na córnea, o remédio indicado é a tobramicina, que deve ser utilizada como antibiótico tópico de amplo espectro, antibiótico triplo ocular ou antibiótico mais seletivo para úlceras infectadas ou complicadas. Quando a ceratite ulcerosa é crônica e sequestro da córnea ocorreu, a cirurgia da córnea deve ser realizada. Os anti-inflamatórios e a L-lisina também podem ser administrados para inibir a arginina, necessária para a replicação do vírus, embora os estudos mais recentes tenham lançado dúvidas sobre sua eficácia.

As doenças mais mortais em gatos - 4. Rinotraquíte traqueíte felina

5. Insuficiência renal

A insuficiência renal é outra doença fatal em gatos, sendo a doença renal crônica particularmente comum em gatos acima de 7 anos de idade e a doença renal aguda em gatos jovens. Ocorre a partir de envenenamento, intoxicações, desidratação, infecção ou diferentes tipos de doenças. A perda, em maior ou menor grau, da capacidade de filtração renal é muito grave, pois as toxinas filtradas pelo rim permanecem no corpo, resultando em aumento da pressão arterial e desequilíbrios eletrolíticos, causando danos e sinais clínicos associados que podem acabar com a vida do pequeno felino.

Tratamento

O tratamento de doenças renais dependerá de se a doença é aguda ou crônica. Assim, o tratamento da forma aguda inclui o seguinte:

  • Controlar a desidratação com terapia de fluidos.
  • Adicionando gluconato de cálcio ou bicarbonato de sódio para controlar o potássio.
  • Controlar vômitos e náuseas com antieméticos.
  • Tratar a pielonefrite (infecção dos rins) com antibióticos.
  • Administrar a nutrição forçada em gatos anoréxicos.
  • Diálise peritoneal ou hemodiálise em casos de insuficiência renal grave.

Por outro lado, o tratamento da insuficiência renal crônica deve incluir a seguinte terapia:

  • Controle da proteinúria com inibidores da enzima conversora de angiotensina (ACE) (benazepril ou enalapril).
  • Restrição dietética do fósforo ou uso de quelantes de fósforo e uso de dieta renal em estágios avançados.
  • Nutrição forçada em gatos anoréxicos.
  • Tratamento da hipertensão com amlodipina.
  • Suplementação de potássio em estágios avançados e em gatos pobres em fósforo.
  • Tratamento da anemia grave com eritropoietina.
  • Controle da desidratação com terapia de fluidos.

6. Peritonite infecciosa felina

A peritonite infecciosa felina é a mais fatal das doenças infecciosas do gato e a que tem o pior prognóstico. É uma doença fatal em quase todos os casos e não tem tratamento efetivo disponível comercialmente. É causado pelo coronavírus entérico felino quando ocorre uma mutação, que ocorre em cerca de 20% dos gatos infectados com este vírus intestinal. Quando esta mutação ocorre, o vírus não só é mantido no intestino, mas tem a capacidade de infectar macrófagos e monócitos, que são células do sistema imunológico, e é distribuído por todo o corpo.

Dependendo da competência do sistema imunológico do gato mediado por células, a doença pode não ocorrer, pode produzir uma forma seca com formação de granulomas de pus nos órgãos, comprometendo sua função adequada, ou uma forma úmida muito mais severa e rápida na qual se formam efusões fluidas na cavidade abdominal e/ou torácica do gato afetado.

Tratamento

Não há tratamento para este vírus e o resultado geralmente é fatal, mas o tratamento sintomático deve ser sempre tentado com alimentos ricos em proteínas, uso de enzimas proteolíticas, complexos de vitaminas, drenagem de derrames em PIF úmido, uso de corticosteróides para deprimir o sistema imunológico humoral e reduzir as conseqüências vasculares, uso de intensificadores do sistema celular como o ômega interferon recombinante felino ou injeção de dexametasona nas cavidades para prevenir derrames.

Nos últimos anos, foram estudados dois ingredientes ativos que parecem ser tratamentos eficazes para FIP: o inibidor de protease 3C GC376 e o nucleósido analógico GS-441524, este último parecendo ser mais promissor. No entanto, como já dissemos, eles ainda estão sendo estudados.

7. Raiva

Embora raro graças à vacinação, o vírus da raiva é fatal para os gatos e tem potencial para ser uma das doenças dos gatos transmissíveis aos humanos. A raiva é uma zoonose mortal de grande importância para a humanidade e os gatos podem sofrer de raiva e transmiti-la aos seres humanos. O vírus é transmitido da saliva após uma mordida de um animal infectado e viaja para o sistema nervoso central, causando paralisia flácida devido a uma síndrome do neurônio motor inferior que progride para o neurônio motor superior e paralisia do córtex, levando à encefalite e, por fim, à morte.

Tratamento

Todas as infecções de raiva culminam em morte e em animais, incluindo gatos. O tratamento é proibido, o que deve ser feito é aplicar a eutanásia, devido ao grande risco à saúde pública que representa, pois tem o poder de transmitir a humanos e outros animais.

Como podemos ver, essas doenças mortais em gatos muitas vezes não têm tratamento específico, então a medicina preventiva torna-se a melhor opção para evitá-las ou, pelo menos, para diagnosticá-las o mais cedo possível.

No vídeo a seguir, falamos sobre as doenças mais comuns em gatos:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a As doenças mais mortais em gatos, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Prevenção.

Bibliografia
  • Aybar, V., Casamián, D., Cerón, J. J., Clemente, F., Fatjó, J., Lloret, A., Luján, A., Novellas, R., Pérez, D.,Silva, S., Smith, K., Tegles, F., Vega, J., Zanna, G. (2018). Manual Clínico de Medicina Felina. Ed.SM Publishing LTD. Sheffield, UK.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
As doenças mais mortais em gatos
1 de 3
As doenças mais mortais em gatos

Voltar ao topo da página