menu
Partilhar

Dermatite atópica em gatos - Sintomas e tratamento

 
Por Laura García Ortiz, Veterinária especializada em medicina felina. 26 janeiro 2022
Dermatite atópica em gatos - Sintomas e tratamento

Ver fichas de  Gatos

A dermatite atópica felina é uma alergia ou hipersensibilidade tipo 1 na qual o organismo tem uma reação exagerada desencadeada por alérgenos ambientais como pó, ácaros e pólen. Ela não ocorre em todos os gatos e não existem raças com maior predisposição para a doença. O principal sintoma clínico é a coceira associada a eritemas, alopecia e outras lesões cutâneas, e os arranhões e lambidas constantes podem agravar o quadro e ocasionar infecções secundárias. A dermatite é diagnosticada por exclusão de outras condições, e seu tratamento consiste no uso de terapia imunossupressora e anti-inflamatória, geralmente associada a ácidos graxos essenciais.

Continue lendo este artigo do PeritoAnimal para conhecer mais sobre a dermatite atópica em gatos, seus sintomas e seu tratamento.

Também lhe pode interessar: Dermatite canina: tipos, causas e tratamento

O que é a dermatite atópica em gatos e causas

A dermatite atópica é uma patologia cutânea recorrente em gatos e que provoca coceira. Ela consiste em uma reação alérgica ou de hipersensibilidade tipo 1 causada por alérgenos ambientais como o pólen ou os ácaros do pó, entre outros.

Neste outro artigo mencionamos as doenças de pele mais comuns em gatos, entre as quais se encontra a que iremos abordar.

Patogenia da dermatite atópica em gatos

Em cães, a dermatite atópica tem caráter genético e, muitas vezes, presisposição racial. Em gatos, no entanto, isto não acontece, e a causa da patologia é desconhecida.

A patogenia da dermatite atópica é complexa, com novos conceitos sendo descobertos conforme os estudos continuam. Acredita-se que, assim como em seres humanos, a dermatite atópica está associada a uma ativação elevada dos linfócitos de tipo T, imunidade celular deficiente, células de Langerhans hiper estimuladoras e baixa produção de IgE nas células B produtoras de anticorpos. A dermatite em si é contribuída por uma resposta bioquímica anormal e por uma secreção de mediadores pelos monócitos, mastócitos e eosinófilos. No caso dos gatos, é previsível que a inflamação cutânea continue sendo autoperpetuada pelos arranhões e lambidas contínuos, mesmo que já não haja mais exposição ao alérgeno que desencadeou a reação alérgica.

Sintomas da dermatite atópica em gatos

São vários os sintomas clínicos que podem identificar um caso de dermatite atópica felina, mas nenhum deles é único e exclusivo da doença ou pode fechar um diagnóstico. Os sintomas geralmente aparecem entre o primeiro e terceiro anos de vida, mas há casos em que animais de 4 meses ou mais de 15 anos também os apresentaram. A dermatite pode ser sazonal, frequentemente associada ao pólen, ou não sazonal, geralmente associada a alergênicos presentes durante o ano inteiro, como pó e ácaros.

Sintomas clínicos

Entre os sintomas clínicos mais frequentes da dermatite em gatos, podemos encontrar diferentes intensidades de comichão ou coceira e outros sinais dermatológicos como: eritemas ou vermelhidão; hiperpigmentação ou liquenificação (espessamento da pele a nível interdigital ou na face do pavilhão auricular e do canal vertical, no abdômen, área periocular, nos lábios e na axila). É comum que estes locais também apresentem alopecia (queda de pelos) dependendo do nível de inflamação e duração.

Infecções Secundárias

Estes locais comumente são acometidos por uma infecção secundária por bactérias como o Staphylococcus ou fungos como o Malassezia pachydermatis. A infecção por Staphylococcus produz um pioderma superficial que geralmente apresenta pápulas eritematosas que podem formar pústulas ou crostas e áreas circulares alopécicas com bordas descamadas, conhecidas também como "colares epidérmicos".

Outro sintoma frequente da dermatite atópica em gatos é a otite externa ceruminosa. Geralmente essa otite é causada devido a um eritema prolongado que pode gerar hiperplasia nos tecidos do interior do pavilhão e canal auriculares, o que aumenta a secreção das glândulas que funciona como um meio de cultivo de leveduras e bactérias.

Outros sintomas que podem causar dermatite atópica em gatos são:

  • Lesões do complexo do granuloma eosinófilo felino.
  • Dermatite miliar.
  • Asma alérgica.

Aqui mostramos mais uma foto de dermatite atópica em um gato:

Dermatite atópica em gatos - Sintomas e tratamento - Sintomas da dermatite atópica em gatos

Diagnóstico de dermatite atópica em gatos

O diagnóstico da dermatite atópica felina deve ser feito por exclusão, apenas quando os sintomas clínicos forem compatíveis e outras causas de coceira que tenham sintomatologia parecida em seu diagnóstico diferencial tenham sido descartadas, como:

Os testes de alergia são realizados após ter sido estabelecido o diagnóstico de dermatite atópica (ou ele ser muito provável), de forma a identificar qual o alergênico (ou os alergênicos) responsável(is) pelo quadro de hipersensibilidade e seguir, assim, com uma imunoterapia específica para este alergênico. Estes testes consistem: na sorologia IgE específica do alergênico para medir a reatividade dos anticorpos sanguíneos em relação a ele; ou em testes intradérmicos nos quais o componente analisado é introduzido diretamente na pele do gato para que se possa observar as possíveis reações.

Para evitar que os resultados não sejam exatos, o uso de corticoides como a prednisona deve ser suspenso por três semanas antes da testagem, e o uso de anti-histamínicos suspendo de 7 a 10 dias antes. Durante este período que preceder o exame, você pode controlar a coceira do gato aplicando loções ou vaporização com hidrocortisona de 1% nos locais afetados duas vezes ao dia, desde que essa área não seja a que será analisada.

Como curar a dermatite atópica em gatos? - Tratamento

Se o gatinho que vive com você já foi diagnosticado, então você deve estar se perguntando como tratar dermatite atópica em gato e quanto tempo demora para curar a dermatite atópica. Saiba que o tratamento da dermatite atópica felina é constituído pelo uso de diversos medicamentos e produtos para controlar e prevenir os sintomas. No geral, usa-se a terapia combinada com glicocorticoides, imunoterapia, ciclosporina, anti-histamínicos ou ácidos graxos essenciais.

Glicocorticoides

Estas substâncias são o pilar principal do tratamento da dermatite atópica em gatos, e são utilizadas para controlar a coceira e a inflamação. Geralmente o medicamento utilizado é a prednisona, com dosagem de 1-2 mg/kg por dia durante 7-10 dias, reduzindo aos poucos até chegar na dosagem mais baixa possível que seja capaz de controlar os sintomas. A metilprednisona também pode ser utilizada, com dosagem de 0,8 mg/kg a cada 24 horas, e o mesmo protocolo de redução da quantidade até chegar na mínima com maior eficácia deve ser seguido.

Imunoterapia específica para o alergênico

Consiste na administração progressiva de maiores quantidades do alergênico com injeção subcutânea, para reduzir ou eliminar os sintomas em próximas exposições naturais. Este tratamento deve ser realizado por pelo menos 9-12 meses. Na maioria dos gatos, é possível observar redução de 50% dos sintomas. Ainda assim, pode ser que necessitem de tratamento adicional aos mencionados acima para controlar completamente a sintomatologia.

Ciclosporina

O uso da ciclosporina pode ser feito para tratar a dermatite atópica felina, com dosagem de 7,5 mg/kg por dia, via oral. É importante se atentar que este medicamento causa imunossupressão e pode provocar infecções secundárias ou reativação de toxoplasmose ou herpes virose, especialmente se combinado com glicocorticoides.

Anti-histamínicos

A sua utilização não está autorizada para gatos, mas podem ser úteis na redução dos sintomas em 40-70% dos casos, isoladamente ou em combinação com glicocorticoides e ácidos graxos essenciais. Os mais comumente utilizados para tratar a dermatite atópica em gatos são a clorfeniramina e a cetirizina.

Ácidos graxos essenciais

Auxiliam no controle da coceira de 20-50% dos gatos, mas seu efeito pode durar até 3 meses. É possível obter melhores resultados se seu uso for combinado ao de glicocorticoides e anti-histamínicos.

Leia mais neste outro artigo sobre alimentos ricos em ômega 3 para gatos.

Remédios caseiros para a dermatite atópica em gatos

É possível ajudar a amenizar um pouco a coceira do seu gato refrescando as áreas mais afetadas, utilizando aloe vera nas áreas inflamadas (contanto que não haja ingestão direta do produto), dando banhos com shampoos hipoalergênicos, calmantes ou hidratantes.

No entanto, não se deve tratar a dermatite exclusivamente com remédios caseiros. Por isso, caso perceba que o gato está com muita coceira, vermelhidão, áreas sem pelo, com aparência abatida ou mais nervoso, deve entrar em contato com uma clínica veterinária para que possam prescrever o tratamento mais adequado ao seu companheiro.

Agora que você já viu as causas, sintomas e tratamento para a dermatite atópica em gatos, recomendamos que você assista ao vídeo a seguir sobre as 10 doenças mais comuns em gatos:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Dermatite atópica em gatos - Sintomas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Problemas da pele.

Bibliografia
  • M. Bardagí y L. Ordeix. Dermatitis atópica felina. Disponível em: <https://www.portalveterinaria.com/articoli/articulos/26140/dermatitis-atopica-felina.html>
  • Harvey, A., Tasker, S. (Eds). (2014). Manual de Medicina Felina. Ed. Sastre Molina, S.L. L ́Hospitalet de Llobregat, Barcelona, España.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Dermatite atópica em gatos - Sintomas e tratamento
1 de 2
Dermatite atópica em gatos - Sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página