Partilhar

A otite em gatos

Por Vanessa Lopes, Redatora do PeritoAnimal. Atualizado: 24 maio 2017
A otite em gatos

Ver fichas de  Gatos

Acredita que é possível que o seu gato tenha otite? Sabe como pode ter ocorrido a otite nos ouvidos do seu fiel companheiro? Quais são os sintomas, como se trata e que consequências pode acarretar?

Se lhe interessa saber tudo sobre a otite em gatos, leia com atenção este artigo do PeritoAnimal e ajude o seu pet a recuperar a sua saúde.

Também lhe pode interessar: Remédios caseiros para a otite canina

O que é a otite?

A otite é a inflamação do epitélio que reveste o canal auditivo e do pavilhão auricular. Esta inflamação costuma causar dor e perda de audição temporal, entre outras coisas. Além disso, está acompanhada de muitos outros sintomas que a tornam mais facilmente identificável e que vamos explicar mais para a frente.

Este problema costuma ocorrer quando os felinos estão com as defesas baixas por algum motivo. Está comprovado que as épocas do ano nas quais ocorre otite são a primavera e o verão devido ao aumento da temperatura e da umidade do ambiente. O contágio de alguns possíveis responsáveis da otite como os ácaros do ouvido, ocorre pelo contato direto com uma zona ou animal infestado. Nos abrigos, nas zonas nas quais há colônias de gatos controladas e no geral em qualquer área na qual convivam um grande número de gatos ocorre com muita frequência este contágio por contato direto, pois o controle constante de todos e em todos os aspetos da sua saúde é sempre muito difícil. A otite pode ocorrer sem haver contágio, ou seja, de forma secundária a um traumatismo ou a uma infecção bacteriana ou fúngica devido a um corpo estranho, entre mais causas.

Existem diversos tipos de otite dependendo da sua causa e zona do ouvido que afeta. Dependendo da zona afetada podemos classificá-la em:

  • Otite externa: Trata-se da otite mais comum, mas é a menos grave e a mais fácil de tratar. Afeta o ouvido externo, ou seja, o canal auditivo desde o pavilhão auricular até ao tímpano. Se esta otite for muito grave o pavilhão auricular fica afetado e o tímpano pode chegar a romper e a inflamação e condição estender-se até ao ouvido médio, provocando uma otite média secundária.
  • Otite média: Esta otite costuma ocorrer normalmente quando uma otite externa tiver sido tratada de forma ineficaz. Ocorre na área do ouvido médio, onde encontramos o tímpano que se inflamou e inclusive rompeu devido à otite.
  • Otite interna: É a inflamação do ouvido interno e geralmente ocorre por um traumatismo ou por uma otite média ou externa mal curadas. Pela sua profundidade no ouvido trata-se da otite mais complexa de curar.
A otite em gatos - O que é a otite?

Existe predisposição em algum tipo de gato?

Primeiro é bom referir que, geralmente existe menos predisposição nos gatos que nos cachorros. Mas, na realidade qualquer indivíduo pode sofrer de otite e dentro dos felinos domésticos encontramos que os que têm maior predisposição são os que têm entre um e dois anos.

Além dos exemplares de pelo comprido, como costumam ter bastante pelo nas orelhas, também têm mais facilidade em sofrer de otite visto que os pelos nos ouvidos retêm mais a sujidade e a umidade. Os felinos que estão muito tempo ao ar livre têm mais risco de sofrer de doenças auriculares, entre elas a otite, pelo que é muito importante a revisão periódica dos seus canais auditivos. São também muito propensos a este problema de ouvidos, mas de forma secundária, os indivíduos que apresentam as defesas muito baixas por algum outro problema principal.

A otite em gatos - Existe predisposição em algum tipo de gato?

Quais são as causas da otite?

A otite pode ser causada por diversas coisas como corpos estranhos alojados no canal auditivo, bactérias, fungos (leveduras), parasitas externos como os ácaros e traumatismos na zona.

De seguida, vamos lhe explicar algumas causas desta doença:

  • Ectoparasitas: Os ectoparasitas que causam a otite mais frequente nos felinos são os ácaros, uns parasitas externos microscópicos mas que quando ocorrer em grande número em uma zona podem se chegar a ver diretamente. Este ácaro chama-se Otodectes cynotis e não só se aloja no ouvido quando infesta um animal como também o faz na pele da cabeça e do pescoço.
  • Bactérias e fungos (leveduras): Tratam-se de micro-organismos patógenos oportunistas que causam uma otite secundária. Aproveitam-se de situações como o excesso de umidade, a água residual após um banho que pode ter ficado no ouvido, a presença de corpos estranhos, traumatismos, alergias e irritações causadas por produtos de limpeza para os ouvidos, que sejam inadequados para gatos. As bactérias mais comuns são Pasteurella multocida, Pseudomona aeruginosa, Proteus e E. coli. No caso dos fungos a mais comum é Malassezia.
  • Corpos estranhos: Às vezes, sobretudo no caso dos gatos que estão muito tempo no exterior, podem introduzir-no no canal auditivo alguns objetos como folhas, ramos e espigas que passam a ser um corpo estranho alojado no ouvido do nosso gato. Este objeto alojado no canal auditivo incomodará muito o animal que tentará tirá-lo, geralmente sem sucesso, e por fim acabará danificando e inflamando o ouvido e causando otite secundária por bactérias ou por fungos oportunistas. Devemos evitar extrair nós mesmos o corpo estranho e deixar que seja um veterinário a fazê-lo com o material adequado. Em gatos este caso de otite é menos frequente que em cachorros.
  • Traumatismos: Como referimos antes, outro motivo que pode causar otite secundária nos ouvidos dos nossos companheiros são os traumatismos, ou seja, algum golpe que causou danos internamente e a partir desta inflamação e feridas aproveitam-se bactérias e fungos e provocam uma otite.

Outras doenças e problemas que dão lugar a otites secundárias: A otite secundária costuma ocorrer normalmente devido ao que referimos antes, mas também pode derivar de outras doenças que o felino já sofra e por isso ser um sintoma destas. Por exemplo:

  • Problema hereditário de queratinização: Trata-se de um defeito na queratinização que ocorre de forma hereditária. Este problema no processo da queratinização causa inflamações e seborreia e facilmente dá lugar a otites secundárias eritematosa e ceruminosa. No caso de se complicar pode derivar em otite purulenta secundária. Este caso de doença hereditária costuma ocorrer com mais frequência nos gatos Persas.
  • Atopia e alergia alimentária: Este tipo de alergias é mais frequente em cachorros mas também pode ocorrer em felinos domésticos. Podem produzir otite secundária, sobretudo quando estes processos alérgicas tenham produzido previamente dermatoses faciais. Neste caso costumam ser organismos oportunistas vários tipos de bactérias, mas sobretudo a levedura (fungo) chamado Malassezia pachydermatis.
  • Hipersensibilidade por contato e reação irritante: Os gatos no geral são muito sensíveis a produtos e medicamentos, sendo especialmente os produtos de limpeza para os ouvidos como as gotas. Estes produtos causam muitas vezes irritações graves no canal auditivo dando lugar a otites secundárias. Nunca devemos utilizar estes produtos que não estejam indicados para o uso nos gatos e, de preferência, devemos usar um que seja recomendado pelo nosso veterinário.
  • Doenças imunitárias: Este tipo de doenças associam-se a lesões auriculares e à otite externa. Devido às defesas excessivamente baixas que estas doenças causam nos nossos pets, as bactérias e os fungos encontram a oportunidade de proliferar e ocorrem otites externas secundárias como grande facilidade. Devemos ter presente o FIV ou vírus de imunodeficiência felina.
  • Tumores: Há casos em gatos mais velhos que a otite é repetida e inclusive crônica, então devemos suspeitar de um tumor, seja benigno ou maligno, nas estruturas anexas do ouvido. Por exemplo, são comuns os carcinomas de células escamosas nos ouvidos brancos.
  • Pólipos nasofaríngeos: São proliferações não neoplásicas, ou seja, que não são anormais. Por isso, é comum que nos gatos jovens se detetem estes pólipos nas zonas do ouvido médio, canal auditivo e mucosa nasofaríngea. Junto com os corpos estranhos, estes pólipos são a causa mais comum da otite externa unilateral em gatos. Neste caso a otite costuma ser resistente à medicação e pode chegar a provocar uma otite média com sinais respiratórios.
  • Mais doenças e problemas que podem causar otite: Sarna, transtornos seborreicos, doenças metabólicas, endócrinas e nutricionais.
A otite em gatos - Quais são as causas da otite?

Quais os sintomas que a otite em gatos manifesta?

Os sinais e sintomas que o nosso felino apresentará no caso de otite dependerão e variarão, sobretudo no grau de intensidade destes, da origem causadora da otite. Os sintomas que conseguimos reconhecer são:

  • Sacudidas frequentes da cabeça.
  • Inclinação da cabeça. Se ocorrer apenas de um lado, isto indica otite unilateral que costuma ser causada pela presença de um corpo estranho nesse ouvido. No caso de lhe incomodar os ouvidos irão alternando o lado segundo lhes incomode mais um ou outro.
  • Dor na zona quando o acariciarmos. Costumam queixar-se e miar muito e inclusive gritar devido à dor.
  • Coceira que pode ir de moderada a grave.
  • Devido à coceira, coçam e esfregam as orelhas e o pescoço com frequência até chegarem a ficar com feridas na zona.
  • Zonas das orelhas avermelhada e inchada.
  • Irritação, sangramento e pioderma de toda a área afetada.
  • Mau humor e inclusive agressividade, sem vontade de brincar e pode chegar a acontecer deixarem de comer devido a grande incômodos e dor que podem estar a ter.
  • Cerume abundante escuro nos ouvidos.
  • Perda de audição.
  • Mau cheiro nos ouvidos.
  • Perda de pelo nas zonas afetadas por se coçarem em excesso devido à coceira.
  • Presença de ácaros nos ouvidos. No caso de apresentar uma infestação de ácaros muito grave, deve-se ter em conta que pode se tratar de um caso de defesas demasiado baixas devido ao FIV (vírus da imunodeficiência felina).
  • Otohematoma: Problema derivado de se coçarem em excesso e da contínua agitação da cabeça. Os otohematomas são acumulação de sangue no pavilhão auricular e aparecem na superfície côncava deste, entre a cartilagem e a pele ou dentro da cartilagem, quando se rompe os capilares sanguíneos. Externamente observa-se como uma bola na orelha, que incômoda muito o animal e está muito quente. A única solução é a cirurgia.

É fundamental para o resultado da saúde do nosso companheiro que assim que detetarmos um destes sintomas, o levemos ao veterinário para que o diagnostique e indique o tratamento adequado.

A otite em gatos - Quais os sintomas que a otite em gatos manifesta?

Como a podemos prevenir e tratar?

De seguida vamos lhe dar alguns conselhos e remédios para prevenir e tratar a otite nos gatos:

  • Manter um seguimento da sua saúde em casa: É fundamental que de forma periódica, escove e dê banho ao seu pet verificando o estado de diversas zonas do seu corpo incluindo os ouvidos. Se detectarmos qualquer sintoma dos anteriormente descritos não devemos hesitar em consultar o veterinário o quanto antes e evitar assim dores, incômodos e complicações aos nossos amigos.
  • Evitar que os ouvidos fiquem sujos: Quando higienizamos o nosso gato nunca nos devemos esquecer da sujidade que podem ter nos ouvidos. No caso de ver que precisa de limpar algum do cerume acumulado, algo que deve fazer a cada duas ou três semanas, nunca deverá utilizar cotonetes de algodão. Deve ter em conta que o cotonete pode fazer muito dano no ouvido interno no caso de um movimento brusco, inclusive romper o tímpano. Por isso, a melhor forma de limpar o ouvido é com uma gaze estéril ao redor do nosso dedo e molhada em soro fisiológico e ir suavemente retirando a sujidade apenas da zona do pavilhão auricular, ou seja, apenas a sujidade da área que ver e não aprofundar.

Existem gotas ou produtos de limpeza para os ouvidos, mas devido ao fato dos felinos serem muito sensíveis às medicações e aos produtos no geral, sejam químicos ou naturais, devemos utilizar um que tenha sido receitado expressamente pelo nosso veterinário e nunca um que virmos na loja de animais e acharmos que é bom. É essencial que nunca use um produto para cachorros que não esteja indicado para gatos, uma vez que este tipo de substâncias que produzem irritações são também uma causa importante de otite nos nossos gatos. Além disso, no caso de serem exemplares de pelo comprido, podemos pedir ao veterinário que de vez em quando corte os pelos das orelhas para evitar a acumulação de sujidade.

  • Evitar que os ouvidos fiquem úmidos: Quando lhe dermos banho devemos evitar que entre água e sabão. Uma forma simples é, com pedaços de algodão embebidos com um pouco de vaselina, tapar os ouvidos suavemente de forma a que possamos retirar com facilidade. É muito importante lembrar-se de tirar o algodão, uma vez que se o deixar lá incomodarão o gato, mas se não conseguir tirá-los por si mesmo, serão um corpo estranho alojado no ouvido e podem acabar por causar otite. Para retirar qualquer resíduo de vaselina, algodão ou água, utilize uma gaze esterilizada ao redor de um dedo para retirar e secar. É muito importante que não entre água em abundância nem a pressão para evitar romper o tímpano, mas se o ouvido ficar com água devemos nos certificar que o deixamos limpo e seco.
  • Revisão veterinária periódica: Cada vez fez que formos ao veterinário, seja por rotina ou por algo mais específica, deverá conferir o estado dos seus ouvidos de forma mais exaustiva ao que fazemos em casa. Ao fazer isto, conseguirá detectar mais rapidamente uma otite e, desta forma, fazer com que as consequências sejam menos graves.
  • Seguir o tratamento indicado pelo veterinário: No caso de sofrer de otite, o veterinário irá nos indicar o tratamento a seguir, que será importante fazer até ao final e, apesar do problema parecer ter-se resolvido, continuar até ao final o tratamento. O tratamento dependerá do tipo de otite que estiver sofrendo, mas normalmente seguem-se estes passos:
  1. Primeiro retirar o corpo estranho, se existir.
  2. Realizar uma limpeza e secagem do ouvido.
  3. Verificar qual é a causa para aplicar o tratamento adequado:
  • Corpo estranho: O veterinário deverá retirar o corpo estranho para poder curar a otite. Uma vez extraído o corpo estranho devemos realizar o tratamento com os medicamentos que o nosso veterinário tenha indicado e devemos aplicar como ele tiver explicado.
  • Bactérias: Deverá ser feita uma limpeza com água ou soro fisiológico para que o especialista possa revisar melhor todo o conduto auditivo. No caso de se tratar de uma otite bacteriana irá nos receitar um produto tópico e óptico antibacteriano.
  • Fungos (leveduras): Neste caso, uma vez que o veterinário especialista tenha determinado que os fungos são a causa, irá nos receitar o produto fungicida adequado.
  • Ectoparasitas: Os ácaros são os ectoparasitas que causam as otites mais comuns. O veterinário deverá receitar um antiparasitário como uma pipeta para repartir na zona da cruz do animal e um produto óptico acaricida. Anti-inflamatórios para reduzir a inflamação e a dor causadas pela otite.

Caso tudo isto não tenha efeito ou desde o princípio o veterinário que é a única solução, irá ser realizado um tratamento cirúrgico.

Devemos saber que quando se aplicam gotas ópticas de qualquer tipo no ouvido a um animal, este de seguida sacudirá a cabeça para a expulsar do interior do seu ouvido, uma vez que é algo incômodo para ele. Mas é muito importante continuar com o tratamento e deixar que sacudam a cabeça para expulsar mais facilmente a sujidade. Além disso, ainda que aparentemente a otite se tenha curado, devemos acabar o tratamento como o especialista nos indicar e fazê-lo durar todo o tempo que nos indicar. É muito importante prolongar mais uma semana, a partir da qual aparentemente a otite esteja curada, para nos certificarmos que a otite não reaparece com facilidade.

  • O colar isabelino: De certeza que, o veterinário lhe irá dar, como suporte do tratamento, um colar isabelino para colocar no seu gato. Este colar pode nos parecer um incômodo para eles, mas devemos deixá-los habituarem-se e que o usem uma vez que evitará que continue se coçando de forma descontrolada e que façam mais feridas e inclusive os indesejáveis otohematomas.
A otite em gatos - Como a podemos prevenir e tratar?

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a A otite em gatos, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Outros problemas de saúde.

Escrever comentário sobre A otite em gatos

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
5 comentários
A sua avaliação:
Criz Lazz Cortz
Excelente!
Cristina
O meu veterinário me disse que meu gatinho estava com um pouco de otite. Entretanto, não me passou remédio pra isso. Não entendi! A consulta não era pra ver isso, mas já que ele viu isso, poderia ter passado um remédio. A otite apareceu por causa da imunidade baixa. Será que alguém pode me dizer qual remédio eu devo usar?
Ingrid
Olá. Bem interessante as explicações sobre otites.
Eu tenho 5 gatos e só dois que sofrem constantemente com otite, aquela que coçam muito e sacodem a cabeça. Ja tratei várias vezes mas sempre volta. Me falaram que eu deveria aplicar as vezes, água oxigenada 10 vol.. Posso fazer isso?
A sua avaliação:
Elizabeth Bernussi Romantini
obrigada pelos esclarecimentos, são de grande valor para todos nós que amamos os animais ! que Deus abençõe à todos, e que possamos estar sempre juntos , unidos por esse amor. Muito obrigada mesmo! abraços
Vanessa Lopes (Editor/a de PeritoAnimal)
Oi Elizabeth! Que bom saber que as informações que partilhamos na página são úteis para os nossos leitores! Muito obrigada pelo comentário e continue acompanhando nossos conselhos e dicas sobre animais ;)
Vanessa
Bom artigo. Muito esclarecedor!
Vanessa Lopes (Editor/a de PeritoAnimal)
Oi Vanessa! Ainda bem que as informações foram de ajuda. Muito obrigada e continue acompanhando as nossas dicas :)

A otite em gatos
1 de 6
A otite em gatos

Voltar ao topo da página