menu
Partilhar

Vermes em gatos - Sintomas e tratamento

 
Vermes em gatos - Sintomas e tratamento

Ver fichas de  Gatos

Os vermes em gatos são provavelmente um dos motivos de consulta veterinária mais frequente, especialmente quando acabamos de adotar um gatinho. No entanto, devemos saber que os felinos adultos também são suscetíveis a eles, até aqueles que vivem dentro de casa, pois nós mesmos podemos transportá-los nos sapatos sem querer. Daí a importância de desparasitar nossos gatos periodicamente, utilizando sempre produtos de prescrição veterinária.

A presença do que comumente conhecemos como vermes em gatos, presente nas fezes do indivíduo, costuma ser suficiente para realizar um diagnóstico. No entanto, existem alguns sintomas menos evidentes, como a pelagem áspera e a distensão abdominal que podem esconder a presença de parasitas até que a infestação seja generalizada.

Neste artigo do PeritoAnimal falaremos em detalhes dos vermes em gatos e você encontrará um guia completo especificamente sobre os vermes intestinais em gatos. Explicaremos a sintomatologia, como ocorre o contágio, quais opções de tratamento existem e muito mais!

Sintomas de vermes em gatos

Nem todos os parasitas intestinais são facilmente detectados pela presença de vermes nas fezes, por isso é importante estar atento à sintomatologia mais comum de vermes em gatos, que inclui outras manifestações clínicas, tais como:

  • Perda de peso
  • Anemia
  • Diarreia
  • Problemas de crescimento
  • Pelagem sem brilho
  • Abdômen inchado
  • Abdômen inflamado
  • Vômitos
  • Fezes escuras
  • Gastrite
  • Má absorção de alimentos
  • Apatia
  • Diarreia com sangue
  • Diarreia aquosa
Vermes em gatos - Sintomas e tratamento - Sintomas de vermes em gatos

Tipos de vermes intestinais em gatos

Existem diferentes tipos de vermes internos em gatos, por isso é importante aprender a diferenciá-los. A seguir falaremos sobre os mais comuns: os nematódeos (vermes cilíndricos), os cestódeos ou tênias (vermes planos), as giárdias, coccidia ou toxoplasmose, entre outros. Continue lendo para conhecê-los:

Vermes em gatos - Sintomas e tratamento - Tipos de vermes intestinais em gatos

Nematódeos em gatos (vermes cilíndricos)

Sob o nome de nematódeos estão agrupados muitos tipos de parasitas que poderiam ser classificados como lombrigas por sua aparência semelhante à ela. Dentro deste grupo, os gatos são frequentemente afetados por dois tipos de parasitas: ascarídeos e ancilostomídeos.

Ascaridíase

Aqui encontramos Toxocara cati e Toxascaris leonina, sendo esta segunda menos importante em termos de incidência e sintomatologia. Sem dúvida, a prevalência de Toxocara cati torna necessária uma menção mais profunda: tem um ciclo biológico direto, mas muito complicado, basicamente os ovos saem para o exterior e depois de alguns dias, uma larva infectante (larva na fase lll). Este ovo com larva infetante pode ser engolido por um gatinho, em cujo caso o ovo eclode no intestino. A L-lll atravessa a parede intestinal e através da circulação chega ao fígado e daí, ao pulmão (sistema porta).

Há uma nova muda para o estágio larval seguinte e, por meio da tosse, que produz catarro e reflexo de deglutição, essa larva passa para a boca e retorna ao intestino delgado. Lá se tornará adulta e se prenderá ao intestino, tomando nutrientes diretamente e competindo por sua absorção com o gatinho.

Não ingerem sangue, mas roubam nutrientes, o que pode levar a sintomas característicos dos ascarídeos: pelagem áspera, pouco ganho de peso, distensão do abdômen, vômito com vermes enrolados como molas, diarreias... Às vezes causam obstrução mecânica do intestino ao ter uma enorme quantidade de parasitas e podem até causar a morte.

Ancilostomídeos

Neste tipo de nematódeos, encontramos a Ancylostoma tubaeforme e a Uncinaria stenocephala. Possuem ganchos em seu aparelho bucal com os quais se fixam firmemente ao intestino delgado, para sugar o sangue. Para isso, liberam um anticoagulante e, se houver muita quantidade de parasitas, provocarão uma hemorragia considerável, com aparecimento de fezes de cor de alcatrão. Os sintomas característicos dos ancilostomídeos são: anemia, fraqueza e até a morte se o gatinho estiver muito parasitado.

Seu tamanho é minúsculo em comparação com os ascarídeos, de 0,5-1,5 cm, e a forma de contágio é transmamária (ao tomar leite materno), pré-natal (no útero, as larvas podem atravessar a placenta, o gatinho nascerá infectado, algo que não acontece em Toxocara cati) e até percutânea, ou seja, quando o gato pisa em superfícies com larvas infecciosas.

O ciclo biológico é o mesmo da Toxocara cati, exceto que este não pode atravessar a placenta e seu tratamento também é o mesmo. Podemos encontrar hospedeiros paratênicos: roedores, pássaros, minhocas, besouros... Os ovos com larvas infectantes são um pouco menos resistentes que os de ascarídeos no ambiente, mas em condições de umidade alta e temperaturas suaves, são estáveis.

Um gatinho filhote pode ser infectado?

Não é muito provável. Na verdade, esses ascarídeos possuem várias estratégias e a pior é a que ocorre se as larvas infectantes forem ingeridas por uma gata adulta com bom estado imunológico. As larvas infectantes atravessam o intestino após a eclosão, mas se dedicam a migrar pelos órgãos do corpo do gato (larvas viscerais migram): cérebro, coração, fígado, pulmão, músculo e glândula mamária. Lá eles permanecem enraizadas, em estado latente até mesmo por anos. O bom estado imunológico do gato os mantém afastados.

Mas a gestação e depois o parto causam a diminuição das defesas e as larvas "despertam", podendo passar da glândula mamária via galactogênio para o gatinho. Uma vez nele, não precisa fazer todos os malabarismos descritos anteriormente para se tornar um adulto, muda diretamente para larva IV e para adultos, tendo nosso gatinho parasitas ativos e de comprimento considerável (de 3 a 15 cm) às três semanas de idade, apenas por ter mamado.

O instinto caçador dos gatos faz com que fiquem constantemente expostos a estes vermes, pois os roedores ou até minhocas, podem ingerir ovos com larva infectante no ambiente. Isso utilizará a mesma estratégia, migrando para o músculo e outros órgãos nesses hospedeiros, enraizando depois e esperando que um gato ingira o roedor, para completar seu ciclo. O roedor age, neste caso, como um "hospedeiro paratênico", o ciclo para nele, serve apenas como veículo. Para piorar, os ovos dos ascarídeos são bastante resistentes no ambiente, podendo permanecer estáveis por meses se houver condições de umidade e temperatura aceitáveis. Os solos porosos são ideais (ex: areia).

Tratamento dos nematódeos

A milbemicina oxima (em comprimido) é um produto ideal para adultos, ou até a selamectina (em pipeta), mas em gatinhos entre 3 semanas a três meses, o ideal é utilizar um albendazol ou fenbendazol (em suspensão) por vários dias, pois sua ação lenta, mas segura, faz com que se livrem dos parasitas aos poucos e não obstruam o intestino.

Deveriam ser vermífugados a cada duas semanas, a partir das três semanas de vida até os três meses de idade e a cada mês até que tenham seis meses. Sais tipo pamoato de pirantel ou febantel são um pouco menos eficazes, mas em doses adequadas podem cobrir muito bem ascarídeos.

O ideal seria continuar com desparasitações a cada três meses a partir dos seis meses, ou mais regularmente se houver crianças e o gato sair para o exterior, mas também pode ser que nosso veterinário opte por fazer flutuação de fezes de vez em quando e desparasitar em caso de observar ovos de ascarídeos. Por isso, em caso de suspeita destes vermes em gatos, procure imediatamente um profissional.

Vermes em gatos - Sintomas e tratamento - Nematódeos em gatos (vermes cilíndricos)

Cestódeos em gatos (vermes planos)

Continuando com os vermes em gatos, especificamente os que afetam o intestino, surge outro grande grupo importante, o dos platelmintos, que inclui as famosas tênias. A seguir, mencionaremos os mais importantes:

Tênia canina

A tênia canina (Dipylidium caninum), que também pode afetar os gatos, precisa de um hospedeiro intermediário para seu ciclo biológico (indireto). Geralmente é transmitida por pulgas nos gatos, principalmente, embora também possa ser transmitida por piolhos em gatos. Não observaremos uma sintomatologia muito evidente, exceto as proglotes grávidas nas fezes e ânus do animal ou alguma coceira anal. É tratada com praziquantel, sendo necessário eliminar os hospedeiros intermediários.

Descubra mais sobre a tênia canina em nosso artigo sobre verme tênia em cachorros - sintomas e tratamento.

Gênero taenia

Taenia taeniformes é a mais importante, é outro cestódeo que pode parasitar nosso gato por meio da ingestão de hospedeiros intermediários infectados, neste caso roedores. Normalmente, não dá sintomas, talvez coceira no ânus, distensão abdominal, pelagem pouco brilhante ou rala... E, claro, a observação de proglotes grávidas em fezes.

Gênero Echinococcus

Echinococcus granulosus é um dos vermes raros em gatos, mas é interessante mencioná-lo pela importância que tem como responsável de uma conhecida doença no homem, o cisto hidático. O gato, no entanto, é um hospedeiro muito improvável, relatado em pouquíssimos casos, sendo o cachorro e a raposa os hospedeiros mais destacados.

Vermes em gatos - Sintomas e tratamento - Cestódeos em gatos (vermes planos)

Vermes microscópicos em gatos

Existem outros vermes em gatos que podem afetá-los coletivamente (criadouros, abrigos, colônias ou refúgios, por exemplo). Os mais notáveis são os protozoários, entre os quais cabe mencionar:

Giardíase

A giardiose em gatos é devida a um protozoário flagelado que dá origem a uma sintomatologia que varia desde uma diarreia intermitente, com algum muco e uma gotinha de sangue fresco, a um estado geral de boa saúde ou uma ausência total de sintomas.

Prospera em ambientes úmido, e o contágio é por via oro-fecal, sendo importante a limpeza, desinfecção e secagem de superfícies nessas comunidades. O tratamento consiste em aplicar fenbendazol por cinco dias ou uso de metronidazol em um período de tempo um pouco mais longo. Este último é um antibiótico com capacidade antiprotozoária.

Coccidia Apicomplexa

São outro tipo de protozoários, como a Giardia, mas sem flagelos. Dentro dos coccídios encontramos o gênero Isospora spp que afeta principalmente gatinhos jovens de grupos felinos, causando diarreia de cor amarelada, retardo no crescimento, pelagem áspera e sem brilho, distensão abdominal...

Em geral, os quadros graves são devidos à coinfecção com bactérias e é comum encontrar infecções assintomáticas que são autolimitadas. São diagnosticados por estudo coprológico (os oocistos são observados nas fezes), mas às vezes há falsos negativos e é necessário usar técnicas de detecção laboratorial. O tratamento consiste em sulfonamidas (antibióticos com ação contra protozoários) durante 5-7 dias ou o uso de diclazuril ou toltrazuril em doses únicas, um medicamento não registrado para felinos, mas frequentemente utilizado.

Toxoplasmose

O gênero toxoplasma tem como único representante a Toxoplasma gondii, outro tipo de coccídio, tristemente famoso. O gato e outros felinos são o único hospedeiro definitivo do parasita (sua reprodução sexual acontece no gato). O felino é infectado ao ingerir carne de reservatórios infectados com os oocistos do parasita, particularmente, roedores.

Embora o incluamos dentro do grupo de vermes em gatos que afetam o intestino, pode causar sintomas muito variados e geralmente não agudos: anorexia, febre, apatia, sintomas neurológicos, lesões oculares, dispneia... Sintomas leves, intermitentes e geralmente enganosos. A infecção in utero geralmente é fatal. O mais comum é que a coinfecção com vírus de Leucemia ou imunodeficiência felina dê origem a sintomatologia de toxoplasmose.

O tratamento adequado é baseado no uso de clindamicina durante 4 semanas, duas vezes ao dia, e as recaídas são frequentes. O diagnóstico por análise coprológica não é muito precisa, pois o gato infectado elimina os ovos (oocistos) de forma intermitente e errática, portanto, a determinação de anticorpos no sangue por métodos específicos é o indicado, juntamente com o aparecimento de sintomas clínicos que apontem para este protozoário.

Evitar que nosso gato ingira carne crua, ou o acesso a roedores, é a forma de evitar o contágio. Não é comum a infecção dos gatos por meio da ingestão de oocistos esporulados no ambiente (os humanos são infectados pela não lavagem das verduras, por exemplo), uma vez que estes são encontrados nas fezes de outros gatos, e os felinos não são dados à coprofagia (o ato de comer fezes).

Ir ao veterinário regularmente será fundamental para saber se um gato tem toxoplasmose, muito importante em mulheres grávidas, pois pode afetar o feto. No entanto, se nos abstemos de manipular as fezes, sua transmissão é muito dificultada.

Prevenção contra vermes em gatos microscópicos

Medidas de desinfecção e limpeza é fundamental para evitar reinfecções, pois os gatinhos tratados podem eliminar oocistos durante muito tempo, mesmo que tenham superado o episódio diarreico, podendo provocar uma nova infeção em seus congêneres.

O que fazer se meu gato tem vermes intestinais?

Agora que já conhecemos os vermes intestinais mais frequentes, você saberá que é muito importante desparasitar regularmente seu felino. No entanto, se você suspeita que seu gato está sofrendo uma infestação, é altamente recomendável ir ao veterinário para determinar que tipo de parasita é e qual será o tratamento com o melhor vermífugo a ser aplicado a partir do mencionado anteriormente.

Como desparasitar um gato?

Agora que você conhece os vermes em gatos que afetam o intestino, você entenderá porque é tão importante desparasitar regularmente os felinos, interna e externamente. Mas também, se você suspeitar que seu gato sofre de uma infestação generalizada, será altamente recomendável ir ao veterinário para determinar que tipo de parasita o está afetando e qual será o tratamento mais conveniente para eliminá-lo definitivamente.

Claro, deve-se notar que eliminar os vermes intestinais em gatos nem sempre é fácil, pois como você viu nas seções anteriores, em alguns casos é necessário um tratamento periódico para evitar recaídas, nos quais deveremos administrar medicamentos ou anti-helmínticos específicos regularmente.

Existem muitos remédios para vermes em gatos, no entanto, nem todos são eficazes quando uma infestação generalizada já ocorreu, portanto, recomendamos evitar completamente aqueles que não possuem estudos que comprovem sua eficácia, que geralmente podemos encontrar em supermercados e comércios não especializados. Apostaremos sempre em produtos eficazes à venda em clínicas veterinárias.

Remédios caseiros para vermes em gatos

Na internet podemos encontrar inúmeros truques e remédios caseiros para eliminar vermes em gatos, no entanto, os remédios naturais costumam ser utilizados para prevenir seu aparecimento, não para tratá-los, uma vez que já estão presentes no organismo do felino. Portanto, não aconselhamos o uso de remédios caseiros para desparasitar internamente os gatos, principalmente quando estamos falando de um grande número de parasitas.

No caso de querer prevenir seu aparecimento com remédios naturais, é aconselhável entrar em contato com um veterinário naturopata ou holístico, que poderá nos aconselhar de forma eficaz e sem colocar em risco a saúde do nosso animal.

Os vermes intestinais infectam humanos?

Para encerrar, você pode estar se perguntando se os nematódeos, os cestódeos e as tênias podem afetar os humanos, certo? Pois bem, você deve saber que SIM, os vermes que afetam os gatos infectam humanos e podem ser especialmente prejudiciais, principalmente para as crianças pequenas.

Os Toxocara cati e canis podem causar infecção em humanos ao ingerir acidentalmente ovos com uma larva infectante, resultando uma larva migrans visceral, que pode alcançar o olho. É muito necessário ter cuidado com as crianças e seguir corretamente a desparasitação para evitá-lo. Os cestódeos, como o Dipilydium caninum podem afetar os seres humanos se ingerirem acidentalmente os hospedeiros intermediários, como pulgas ou piolhos, no caso das crianças.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Vermes em gatos - Sintomas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças parasitárias.

Bibliografia
  • Andrew S. Peregrine BVMS, PhD, DVM, DEVPC, DACVM, Departamento de Patobiología, Colegio de Veterinarios de Ontario, Universidad de Guelph, Guelph, Ontario, Canadá. Gastrointestinal Parasites of Cats. 18.07.2019, de Merck Veterinary Manual Sitio web. Disponível em: <https://www.merckvetmanual.com/cat-owners/digestive-disorders-of-cats/gastrointestinal-parasites-of-cats?query=%20intestinal%20parasites>. Acesso em 14 de maio de 2021.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Vermes em gatos - Sintomas e tratamento
1 de 5
Vermes em gatos - Sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página