menu
Partilhar

Diferenças entre pulgas e carrapatos

 
Por Cristina Pascual, Veterinária. 28 janeiro 2022
Diferenças entre pulgas e carrapatos

Tanto as pulgas como os carrapatos são parasitas externos pertencentes ao filo Arthropoda. Ambos são artrópodes hematofágicos capazes de parasitar várias espécies de animais, incluindo aves, mamíferos e répteis. A sua importância como espécies parasitárias está no fato de não só serem capazes de produzir patologias autonomamente, mas também poderem agir como vetores e reservatórios de múltiplas doenças.

Se quiser conhecer as principais diferenças entre pulgas e carrapatos, continue lendo este artigo do PeritoAnimal, no qual explicamos as suas características e a importância que têm como parasitas dos nossos animais de estimação.

Características comuns entre pulgas e carrapatos

Antes de falar sobre as diferenças entre as pulgas e carrapatos, vamos destacar o que eles têm em comum. Tanto as pulgas quanto os carrapatos pertencem ao filo Arthropoda. O fato de ambos serem artrópodes significa que têm uma série de características semelhantes:

  • Têm um exosqueleto quitinoso: rígido em algumas áreas e elástico em outras.
  • Têm apêndices articulados: alguns dos quais são especializados em órgãos sensoriais e outras estruturas.
  • Crescem por muda ou ecdise: o que implica o desprendimento periódico da cutícula para poder crescer.

Tanto as pulgas quanto os carrapatos adotaram hábitos parasitas, pois precisavam se alimentar e se proteger. Assim, começaram a habitar criaturas superiores (aves, mamíferos e répteis) e tornaram-se ectoparasitas hematofágicos. Para se adaptarem ao parasitismo, tiveram de desenvolver órgãos de ligação que lhes permitissem permanecer nos seus hospedeiros e se alimentarem do seu sangue. No caso das pulgas, desenvolveram lacínias, mandíbulas que lhes permitem perfurar os integumentos dos seus hospedeiros. Os carrapatos desenvolveram o hipostômio, uma parte da boca em forma de presilha com ganchos que apontam para trás, o que impede que sejam removidos da pele do hospedeiro.

Ambos os tipos de ectoparasitas produzem infestações de forma sazonal. As pulgas tendem a ser mais prevalentes em áreas geográficas com elevada humidade e temperaturas médias. No caso dos carrapatos, a sua população aumenta nos meses mais quentes (Primavera e Verão) e começa a diminuir no Outono. Resumindo:

  • As pulgas preferem humidade e temperaturas médias
  • Carrapatos gostam mais dos meses mais quentes

Se você quer saber mais informações sobre os artrópodes, não deixe de dar uma olhada neste artigo que te indicamos.

Diferenças na morfologia das pulgas e dos carrapatos

Uma grande diferença entre pulgas e carrapatos está na divisão corporal:

As pulgas

As pulgas são insetos, especificamente insetos parasitas. Como todos os insetos, os seus corpos estão divididos em três segmentos: cabeça, tórax e abdómen. A partir destes segmentos, surgem uma série de apêndices articulados.

  • Da cabeça saem as antenas e as partes da boca, que são utilizadas para a alimentação.
  • Do tórax saem três pares de patas: o terceiro par é altamente desenvolvido, o que lhes dá uma grande capacidade de saltar até 30 cm.
  • Do abdômen saem os apêndices utilizados para a reprodução: órgãos copulatórios nos machos e órgãos ovipositores nas fêmeas

Embora as pulgas sejam insetos, não têm asas (são ápteras), pois foram perdidas durante a sua evolução.

Os carrapatos

Os carrapatos, também conhecidos por ixodídeos, são pequenos aracnídeos. Os adultos têm um corpo dividido em dois segmentos: gnatossoma e o idiossoma.

  • O gnatossoma é a parte bucal: contém uma série de apêndices (quelícera e palpo) para a alimentação.
  • O idiossoma: forma o resto do corpo, contém os apêndices locomotores (4 pares de patas) e os apêndices reprodutivos (tubérculos ou ventosas copulatórias nos machos e o órgão de Gené nas fêmeas).

Portanto, enquanto as pulgas têm o corpo dividido em três segmentos, os carrapatos têm o corpo divivido em dois segmentos.

Diferenças no ciclo de vida das pulgas e dos carrapatos

Outra diferença entre pulgas e carrapatos é o ciclo biológico. As pulgas são insetos holometábolos, o que significa que realizam uma metamorfose completa. O seu ciclo de vida passa pelas fases de ovo, larva, pupa e adulto. As fêmeas adultas põem ovos no animal parasitado, que caem no solo após algumas horas. Os ovos eclodem em larvas, que evoluem em pupas. Por fim, evoluem para adultos que parasitam novos hospedeiros. Apenas as pulgas adultas são hematófagas e parasitárias.

No caso dos carrapatos, o seu ciclo de vida passa pelas fases de ovo, larva, ninfa e adulto. A fêmea grávida põe o ovo no solo, de onde uma larva eclode e sobe para o hospedeiro. Dependendo do gênero do carrapato, as diferentes fases podem desenvolver-se no mesmo hospedeiro ou em hospedeiros diferentes, que podem ou não ser da mesma espécie. Independentemente do número de hospedeiros envolvidos no ciclo de vida, irão eventualmente se tornar adultos e, após a fertilização, as fêmeas irão descer ao solo para ovipositar, fechando assim o ciclo. Portanto, no caso dos carrapatos, podem ser parasitas em todas as fases evolutivas.

Se você ainda tiver curiosidade sobre carrapatos, poderá descobrir quanto tempo vive um carrapato neste artigo do PeritoAnimal.

Diferenças entre pulgas e carrapatos - Diferenças no ciclo de vida das pulgas e dos carrapatos

Diferenças na especificidade das pulgas e dos carrapatos

As pulgas são parasitas pouco específicos, o que significa que a mesma espécie de pulgas pode parasitar espécies de animais diferentes quando o seu hospedeiro habitual não está disponível. As principais espécies de pulgas que parasitam os nossos animais de estimação são Ctenocephalides felis, Ctenocephalides canis, Pulex irritans e Echidnophaga gallinacea.

Diferentemente das pulgas, a especificidade do hospedeiro em carrapatos também é baixa, embora um pouco mais alta do que nas pulgas. Apresentamos a seguir as principais famílias e gêneros de carrapatos que parasitam os nossos animais de estimação:

  • Família Ixodidae: são chamados de carrapatos duros porque têm um escudo dorsal que nos machos cobre todo o dorso e nas fêmeas apenas parte dele. Os gêneros Ixodes, Rhipicephalus, Hyalomma, Dermacentor e Haemaphysalis são conhecidos por serem portadores de piroplasmose (babesiose e theileriose).
  • Família Argasidae: são chamados de carrapatos moles porque carecem de um escudo dorsal. Os gêneros mais importantes são o gênero Ornithodoros (parasita mamíferos; nos porcos é muito importante porque transmite a Peste Suína Africana) e o gênero Argas (parasita aves).
  • Gênero Dermannysus: é um parasita de aves, embora, na ausência de aves, possa parasitar os humanos. Caracterizam-se por uma cor avermelhada quando se alimentam de sangue.
  • Gênero Varroa: parasita as abelhas, especificamente as larvas de abelhas dentro da célula de cria.

Diferenças para eliminar pulgas e carrapatos

Nesta lista de diferenças entre pulgas e carrapatos, também temos que destacar as distintas formas de lidar com cada um se você quer acabar com eles no ambiente ou em um animal. Em caso de infestação de pulgas, tanto o ambiente como os animais devem ser tratados:

  • Ambiente: se suspeitarmos que temos pulgas na nossa casa, é importante agir de forma rápida e eficaz. Aspirar todos os cantos da casa (tapetes, tapetes, estofos, etc.) e lavar todos os têxteis (roupa, lençóis, etc.) a uma temperatura elevada (60 ºC). Posteriormente, deve ser aplicado um tratamento com inseticida em pó, aerossóis, nebulizadores ou pulverizadores mecânicos. Você pode encontrar mais informações neste outro post sobre como acabar com as pulgas em casa?
  • Animais: Os animais devem ser tratados com um adulticida e um IGR (Reguladores de Crescimento de Insetos). O adulticida atuará nos parasitas adultos, enquanto que o IGR inibirá o desenvolvimento da quitina da pulga, quebrando o ciclo e impedindo o seu desenvolvimento.

Em caso de infestação de carrapatos, o tratamento pode ser abordado utilizando diferentes estratégias:

  • Controle químico: por meio de drogas acaricidas. Existem diferentes ingredientes ativos eficazes contra carrapatos (piretrinas, fenilpirazóis, lactonas macrocíclicas e isoxazolinas) e diferentes formas de aplicação (pipetas, colares, banhos, pour on, etc.). O ingrediente ativo e o modo de administração serão escolhidos de acordo com a espécie animal.
  • Controle biológico: consiste na utilização de bactérias, fungos e nemátodos, uma vez que são inimigos naturais das carraças. São eficazes contra os ovos, larvas e adultos, embora muitos ainda se encontrem em fase experimental..
  • Vacinas: embora a maioria ainda esteja em fase experimental, algumas vacinas já estão disponíveis para tratar infestações de carrapatos, tais como a do Boophilus microplus no gado. Estas linhas de investigação são importantes porque podem vir a ser uma verdadeira alternativa para o controlo de carrapatos no futuro.

Te indicamos este outro post do PeritoAnimal sobre como acabar com carrapatos no quintal.

Como diferenciar uma pulga de um carrapato?

Caso encontre um parasita externo no pelo do seu animal, mas não saiba se é uma pulga ou um carrapato, preste atenção aos seguintes pontos, pois te apresentaremos as principais diferenças entre a pulga e o carrapato.

  • Preste atenção à sua morfologia: pois existem diferenças importantes entre os dois tipos de parasitas. As pulgas têm um corpo lateralmente achatado e têm três pares de patas, uma vez que são insetos. Em contraste, os carrapatos têm um corpo achatado ventralmente e quatro pares de patas, uma vez que são aracnídeos.
  • Observe o tamanho: as pulgas têm entre 1,5-3 mm de comprimento. Os carrapatos antes de se alimentarem têm normalmente cerca de 3 mm de comprimento, mas após se alimentarem podem ter até 1 cm de comprimento.
  • Perceba se saltam ou não: as pulgas têm a capacidade de saltar longas distâncias, o que os carrapatos não são capazes de fazer isso. Portanto, se vir pequenos parasitas saltando pelo pelo do seu animal de estimação, é provável que ele esteja infestado de pulgas. Por outro lado, se encontrar um parasita agarrado à pele do seu animal de estimação, é provável que seja um carrapato.
  • Preste atenção ao seu estado de evolução: nas pulgas, apenas os espécimes adultos são parasitas, enquanto que nos carrapatos, em qualquer fase de desenvolvimento ele pode ser um parasita. Portanto, em caso de infestação de carrapatos, você pode encontrar tudo desde larvas e ninfas a adultos.
  • Olhe para a pele do seu animal: mesmo que você não veja os parasitas no pelo do seu bichinho de estimação, você pode suspeitar de uma infestação de pulgas quando encontrar excrementos de pulgas na sua pele. Para isso, basta umedecer um algodão com água e passar sobre o pelo do animal. Desta forma, os restos de sangue digerido irão se grudar ao algodão.

Importância das pulgas e dos carrapatos nos animais

As pulgas e os carrapatos são ectoparasitas que são de grande importância tanto em animais domésticos como selvagens, uma vez que:

  • Têm uma ação patogénica direta: as suas picadas causam lesões primárias, tais como angioedema ou microabcessos, que podem ser utilizados pelas moscas para pôr ovos e causar miíase (infecção por larvas de moscas). Lesões secundárias tais como alopecia, eritema, seborreia e pioderma também podem ocorrer. Na fase crônica, pode ocorrer hiperqueratose, liquenificação e hiperpigmentação da pele. Além disso, sendo hematófagos, podem causar anemias significativas quando os animais são fortemente parasitados.
  • Podem causar reações alérgicas, tais como a Dermatite Alérgica à Picada de Pulgas (DAPP), que afeta cães e gatos. Causam muito prurido porque produzem uma reação de hipersensibilidade a um alérgeno na saliva da pulga. No gato, as picadas de pulga também podem levar a um processo alérgico chamado granuloma eosinófilo.
  • Podem agir como transmissores de bactérias, vírus e parasitas: sendo artrópodes hematofágicos, são capazes de transmitir agentes patogênicos de um animal para outro como resultado da sua alimentação sanguínea. Os carrapatos podem transmitir agentes patogênicos tais como Ehrlichia, Anaplasma, Rickettsia, Borrelia, flavivirus ou Babesia. As pulgas podem transmitir agentes patogénicos tais como Bartonella, Rickettsia, poxvírus, Dipylidium e Acantocheilonema. Na sua função de transmissores, podem também transmitir algumas doenças humanas importantes como a doença de Lyme, a ehrlichiosis, a babesiose ou a tularaemia.
  • Podem ser reservatórios: são uma fonte de infecção de alguns agentes patogênicos, tais como carrapatos com Babesia e Theileria.

Agora que você sabe as diferenças entre pulgas e carrapatos, não perca o vídeo a seguir em que mostramos 4 remédios caseiros para carrapatos em cachorros:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Diferenças entre pulgas e carrapatos, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças parasitárias.

Bibliografia
  • Cordero, M., Rojo, F.A. (2000). Parasitología Veterinaria. McGraw-Hill Interamericana de España.
  • Gálvez, R., Miró, G. (2016). Influencia del clima sobre la presencia de pulgas en los animales de compañía. Facultad de Veterinaria, Universidad Complutense de Madrid.
  • Llòria, M.T. (2002). Garrapatas. Parásitos animales. Elsevier. Farmacia profesional; 15(5):73-77.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Diferenças entre pulgas e carrapatos
1 de 2
Diferenças entre pulgas e carrapatos

Voltar ao topo da página