Partilhar

Síndrome vestibular em gatos - Sintomas, causas e tratamento

Por Carolina Costa, Médica Veterinária. 15 janeiro 2019
Síndrome vestibular em gatos - Sintomas, causas e tratamento

Ver fichas de  Gatos

A síndrome vestibular é uma das disfunções mais comuns em gatos e apresenta sintomas muito característicos e de fácil reconhecimento como cabeça inclinada, andar cambaleante e falta de coordenação motora. Apesar dos sintomas serem fáceis de reconhecer, a causa pode ser muito difícil de diagnosticar e, por vezes, define-se como síndrome vestibular idiopática felina. Para saber mais sobre a síndrome vestibular felina, quais os seus sintomas, causas e tratamentos, continue lendo este artigo do PeritoAnimal.

Síndrome vestibular em gatos: o que é?

Para entender o que é a síndrome vestibular canina ou felina é necessário saber um pouco sobre o sistema vestibular.

O sistema vestibular é o conjunto de órgãos do ouvido, responsáveis por garantir a postura e manter o equilíbrio do corpo, regulando a posição dos olhos, do tronco e dos membros em função da posição da cabeça e mantendo o sentido de orientação e o equilíbrio. Este sistema pode ser dividido em dois componentes:

  • Periférico, que se localiza no ouvido interno;
  • Central, que se localiza no tronco cerebral e cerebelo.

Apesar de existirem poucas diferenças entre os sintomas clínicos da síndrome vestibular periférica em gatos e da vestibular central, é importante que se consiga localizar a lesão e perceber se se trata de uma lesão a nível central e/ou periférico, pois pode se tratar de algo mais ou menos grave.

A síndrome vestibular é o conjunto de sintomas clínicos que podem surgir repentinamente e que se devem a alterações do sistema vestibular, causando, entre outras coisas, desequilíbrio e descoordenação motora.

A síndrome vestibular felina em si não é fatal, contudo a causa adjacente pode ser, por isso, é muito importante que consulte o médico veterinário se notar algum dos sinatomas que vamos referir a seguir.

Síndrome vestibular felina: sintomas

Os diferentes sintomas clínicos que podem ser observados na síndrome vestibular:

Inclinação da cabeça

O grau de inclinação pode variar desde uma pequena inclinação, perceptível através de uma orelha mais baixa até inclinações pronunciadas da cabeça e dificuldade em o animal se manter de pé.

Ataxia (falta de coordenação motora)

Na ataxia em gatos, o animal apresenta um andamento descoordenado e cambaleante, caminha em círculos (o chamado circling) normalmente para o lado afetado e tem tendência para queda também para o lado da lesão (em casos raros para o lado não afetado).

Nistagmo

Movimento contínuo, rítmico e involuntário dos olhos que pode ser horizontal, vertical, rotacional ou a junção destes três tipos. Este sintoma é muito fácil de identificar no seu animal: basta mantê-lo parado, numa posição normal, que você vai notar que os olhos estão fazendo pequenos movimentos contínuos, como se estivessem tremendo.

Estrabismo

Pode ser posicional ou espontâneo (quando se eleva a cabeça do animal), os olhos não apresentam a posição central normal.

Otite externa, média ou interna

A otite em gatos pode ser um dos sintomas de síndrome vestibular felina.

Vômito

Apesar de raro em gatos, pode ocorrer.

Ausência de sensibilidade facial e atrofia dos músculos mastigadores

A perda de sensibilidade facial pode ser difícil de você descobrir. Normalmente o animal não sente dor, nem que lhe estão tocando na face. A atrofia dos músculos mastigadores é visível quando olhar o animal de frente e notar que os músculos estão mais desenvolvidos num lado do que no outro.

Síndrome de Horner

A síndrome de Horner resulta da perda da enervação do globo ocular, por lesão dos nervos faciais e oculares, e é caracterizada por miose, anisocoria (pupilas de tamanhos diferentes), ptose palpebral (pálpebra superior caída), enoftalmia (afundamento do globo ocular para dentro da órbita) e protusão da terceira pálpebra (a terceira pálpebra fica visível, quando normalmente não está) do lado da lesão vestibular.

Uma nota importante: raramente existe uma lesão vestibular bilateral. Quando ocorre esta lesão, trata-se de síndrome vestibular periférica e os animais se mostram relutantes em caminhar, se desequilibram para os dois lados, caminham com os membros afastados para manter equilíbrio e fazem movimentos exagerados e amplos da cabeça para virar, não apresentando, normalmente, inclinação da cabeça nem nistagmo.

Apesar de este artigo ser destinado a gatos, é importante referir que estes sintomas acima descritos se aplicam também à síndrome vestibular canina.

Síndrome vestibular em gatos - Sintomas, causas e tratamento - Síndrome vestibular felina: sintomas

Síndrome vestibular felina: causas

Na maioria dos casos não se consegue descobrir o que está causando a síndrome vestibular felina e por isso se define como síndrome vestibular idiopática felina.

Infeções como uma otite média ou interna são causas comuns desta síndrome, contudo apesar de os tumores não serem muito comuns, devem sempre ser considerados em gatos idosos.

Leitura complementar: Doenças mais comuns nos gatos

Síndrome vestibular felina: causada por anomalias congênitas

Certas raças como os gatos siameses, persas e birmaneses têm mais predisposição para desenvolver esta doença congênita e manifestar sintomas desde o nascimento até a algumas semanas de idade. Estes gatinhos podem ter associada surdez, além dos sintomas clínicos vestibulares. Por se suspeitar que estas alterações possam ser hereditárias, os animais afetados não devem ser reproduzidos.

Síndrome vestibular felina: causas infecciosas (bactérias, fungos, ectoparasitas) ou causas inflamatórias

As otites média e/ou interna são infeções do ouvido médio e/ou interno que se originam no canal auditivo externo e progridem para o ouvido médio até ao interno.

A maioria das otites nos nossos pets é causada por bactérias, certos fungos e ectoparasitas como os ácaros Otodectes cynotis, o que origina coceira, vermelhidão da orelha, feridas, excesso de cerúmen (cera de ouvido) e incômodo ao animal fazendo com que ele balance a cabeça e coce as orelhas. Um animal com otite média pode não expressar sintomas de otite externa. Pois, se a causa não tiver origem numa otite externa, mas sim origem interna que faça com que infeção chegue por via retrógrada, o canal auditivo externo pode não ser afetado.

Doenças como a peritonite infecciosa felina (PIF), toxoplasmose, criptococose e encefalomielite parasitária são outros exemplos de doenças que podem causar a síndrome vestibular em gatos.

Síndrome vestibular felina: causada por Pólipos nasofaríngeos

Pequenas massas compostas por tecido fibroso vascularizado que crescem progressivamente ocupando a nasofaringe e podendo alcançar o ouvido médio. Este tipo de pólipos é comum em gatos entre 1 a 5 anos e pode estar associado a espirros, ruídos respiratórios e disfagia (dificuldade em engolir).

Síndrome vestibular felina: causada por traumatismo na cabeça

Lesões traumáticas no ouvido interno ou médio podem afetar o sistema vestibular periférico. Nestes casos, os animais podem apresentar também síndrome de Horner. Se suspeita que o seu animal tenha sofrido algum tipo de trauma ou traumatismo verifique se encontra algum tipo de inchaço na face, escoriações, feridas abertas ou hemorragias no canal auditivo.

Síndrome vestibular felina: causada por ototoxicidade e reações alérgicas a medicamentos

Os sintomas de ototoxidade podem ser uni ou bilaterais, dependendo da via de administração e da toxicidade do fármaco.

Medicamentos como certos antibióticos (aminoglicosídeos) administrados quer por via sistêmica ou por via tópica diretamente na orelha ou ouvido do animal podem causar lesões nos constituintes do ouvido do seu pet.

Fármacos quimioterápicos ou diuréticos como a furosemida também pode ser ototóxicos.

Síndrome vestibular felina: causas metabólicas ou nutricionais

A deficiência em taurina e o hipotireoidismo são dois exemplos comuns no gato.

O hipotireoidismo traduz-se num estado de letargia, fraqueza generalizada, perda de peso e mau estado do pelo, além dos possíveis sintomas vestibulares. Pode originar síndrome vestibular periférica ou central, aguda ou crônica e o diagnóstico é feito pela medicação dos hormônios T4 ou T4 livre (valores baixos) e do TSH (valores mais altos que o normal). Na maioria dos casos os sintomas vestibulares deixam de existir ao fim de 2 a 4 semanas após o início da administração de tiroxina.

Síndrome vestibular felina: causada por neoplasias

Existem muitos tumores que podem crescer e ocupar o espaço que não é deles, fazendo compressão nas estruturas em redor. Caso esses tumores façam compressão sobre um ou mais componentes do sistema vestibular podem também causar esta síndrome. No caso de um gato idoso é comum pensar neste tipo de causa para a síndrome vestibular.

Síndrome vestibular felina: causada por idiopática

Depois de se eliminar todas as outras causas possíveis, determina-se a síndrome vestibular como idiopática (sem causa conhecida) e, apesar de parecer estranho, esta situação é bastante comum e estes sintomas clínicos agudos surgem normalmente em animais com mais de 5 anos.

Síndrome vestibular felina: diagnóstico e tratamento

Não existe um teste específico para diagnosticar a síndrome vestibular. A maioria dos médicos veterinários se baseia nos sintomas clínicos que o animal apresenta e no exame físico que realizam durante a consulta. A partir desses simples, mas essenciais, passos é possível formar um diagnóstico provisório.

Durante o exame físico, o médico deve realizar testes auditivos e neurológicos minuciosos que permitam perceber a extensão e localização da lesão.

Dependendo da suspeita, o veterinário vai determinar que exames complementares são necessários para descobrir a causa deste problema: citologias e culturas de ouvido, análises ao sangue ou à urina, tomografia computadorizada (TAC) ou ressonância magnética (RM).

O tratamento e o prognóstico vão depender da causa adjacente, dos sintomas e da gravidade da situação. É importante informar que, mesmo após tratamento, o animal pode continuar com cabeça um pouco inclinada.

Como a maioria das vezes a causa é idiopática, não existe nenhum tratamento ou cirurgia específicos. Contudo, os animais normalmente recuperam rapidamente porque esta síndrome vestibular idiopática felina se resolve por si só (self-resolving condition) e os sintomas acabam por desaparecer.

Nunca se esqueça de manter a higiene dos ouvidos do seu pet e limpar regularmente com produtos e materiais adequados para não causar lesões.

Veja também: Ácaros em gatos - Sintomas, tratamento e contágio

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Síndrome vestibular em gatos - Sintomas, causas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças neurológicas.

Bibliografia
  • LeCouteur, R. A. (2003) Feline vestibular diseases – new developments. Journal of Feline Medicine and Surgery. Elsevier Science Ltd, 5, 101-108
  • Lowrie, M. (2012) Vestibular Disease: Diseases Causing Vestibular Signs. Neurology, Compendium, 34 (7), disponível em: http://www.vetfolio.com/neurology/vestibular-disease-diseases-causing-vestibular-signs-compendium
  • Rossmeisl Jr, J. H. (2010) Vestibular Disease on Dogs and Cats. Vet Clin Smal Animal. Elsevier Inc, 40 , 81-100.

Escrever comentário sobre Síndrome vestibular em gatos - Sintomas, causas e tratamento

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
2 comentários
A sua avaliação:
João Jorge
Ataxia em gatos tem cura?
A sua avaliação:
Andressa Stillman
Síndrome vestibular felino é grave? Meu gatinho tem. Por favor compartam experiências

Síndrome vestibular em gatos - Sintomas, causas e tratamento
1 de 2
Síndrome vestibular em gatos - Sintomas, causas e tratamento

Voltar ao topo da página