menu
Partilhar

AVC em gatos - Sintomas, causas e tratamento

 
Por Laura García Ortiz, Veterinária especializada em medicina felina. 20 abril 2022
AVC em gatos - Sintomas, causas e tratamento

Ver fichas de  Gatos

Os gatos não estão isentos de sofrer problemas isquêmicos ou de falta de fluxo sanguíneo no cérebro, conhecidos como AVC ou derrame cerebral e que pode ser secundário a uma interrupção do fluxo sanguíneo ou devido a uma hemorragia cerebral. As causas são variadas, desde acidentes ou traumatismos até doenças crônicas ou graves.

Os sintomas que gatos que sofrem de AVC podem apresentar vão desde leve desorientação e confusão a sinais como cegueira, inclinação da cabeça, tremores, ataxia e déficits proprioceptivos. Nos casos mais graves, o AVC pode levar à morte do animal. Para prevenir esta doença, se fazem imprescindíveis os exames de rotina junto a um profissional veterinário para que se possa detectar os primeiros sinais de doença e manter o gato ativo e bem cuidado. Continue lendo este artigo do PeritoAnimal sobre AVC em gatos para conhecer seus sintomas, causas e tratamento, e se informar com mais profundidade para saber quando ir ao veterinário.

Também lhe pode interessar: AVC em cães - Sintomas, causas e tratamento

O que é um AVC?

Também chamado de derrame cerebral ou acidente vascular cerebral, o AVC é produzido pela falta de ou por uma circulação sanguínea inadequada no cérebro causada pela interrupção do fluxo sanguíneo cerebral ou colateral a uma hemorragia interna no cérebro. Em consequência deste dano ou alteração cerebral, as funções cerebrais relacionadas com a propriocepção, o equilíbrio, a consciência e os sentidos. Os primeiros sintomas clínicos do AVC em gatos podem ser confundidos com outro problema neurológico felino ao serem derivados do aparelho vestibular ou convulsões.

Tipos de AVCs em gatos

Os gatos podem desenvolver três tipos de AVCs:

  • AVC embólico: ocorre quando um coágulo sanguíneo (trombo) é produzido em um local que não seja a corrente sanguínea cerebral, mas geralmente próximo a ela (grandes vasos do coração ou do pescoço) que afeta a circulação cerebral.
  • AVC trombótico: ocorre quando um trombo ou coágulo se desenvolvem na corrente sanguínea cerebral, interrompendo a correta circulação sanguínea do cérebro.
  • AVC hemorrágico: ocorre quando um vaso sanguíneo que irriga ao cérebro apresenta uma lesão ou ruptura, causando sangramento e interrompendo a irrigação cerebral correta.

Causas de AVCs em gatos

Quer se trate de um AVC secundário a uma interrupção da irrigação devido a um coágulo ou resultante de um AVC hemorrágico, as causas podem ser muito variadas, relacionadas com intoxicações ou, na maior parte, o AVC pode ser secundário a doenças sistêmicas ou orgânicas em gatos.

As principais causas de AVCs em gatos (ou derrame cerebral), são:

  • Hipertensão.
  • Aumento da coagulabilidade sanguínea (policitemia, mieloma múltiplo).
  • Problemas renais.
  • Diabetes mellitus.
  • Hipotireoidismo.
  • Doenças hepáticas.
  • Intoxicação.
  • Doenças cardíacas (endocardite bacteriana).
  • Tumores intravasculares (linfoma, hemangiossarcoma).
  • Desenvolvimento de coágulos após uma cirurgia.

Sintomas de AVCs em gatos

Os sintomas de um AVC em gatos podem ser confundidos com os produzidos por outras doenças de ordem neurológica. Consiste em um déficit neurológico focal, agudo e não progressivo que costuma aparecer em gatos a partir dos 8 anos de idade.

Os sintomas são sempre agudos ou hiperagudos e geralmente associados a uma disfunção cerebral assimétrica não convulsiva. Quando a circulação no cérebro anterior é alterada, os sintomas podem ser desde uma leve desorientação, uma inclinação da cabeça para o lado da lesão e pode ocasionar cegueira central, bem como ataxia, aumento dos miados e déficits proprioceptivos. Outros sintomas associados podem ser anorexia, fraqueza, tremores e vômitos.

Diagnóstico do AVC em gatos

O diagnóstico definitivo de AVC em gatos é alcançado com a ressonância magnética, que é um teste de diagnóstico por imagem avançada, mas isso não significa que não seja necessário realizar exames prévios mais simples como um exame de sangue e urina para detectar uma doença subjacente que possa ter causado o ataque.

A análise do fundo de olho pode mostrar hemorragia quando houver alguma coagulopatia ou hipertensão arterial e uma anamnese e exame físico e neurológico do gato sempre devem ser feitos a fim de determinar a possível causa do problema e sua localização.

Tratamento para o AVC em gatos

O tratamento do AVC em gatos não é específico, mas sim de suporte ou médico, cujo objetivo é o de estabilizar o gato e evitar que perca a vida.

O primeiro passo é administrar oxigênio e dar-lhe uma via para a administração de fluidoterapia. O fluido utilizado nos casos mais graves é o manitol, para combater o aumento do tamanho do cérebro e o edema ocasionado por este infarto cerebral. A dosagem utilizada costuma ser de 0,25-1g/kg por via intravenosa em 10-20 minutos, podendo ser repetida no máximo 3 vezes ao dia (a cada 8 horas). Este fluido deve ser combinado com soro salino hipertônico se houver suspeita de hipertensão craniana.

Posteriormente, a doença que possa ter causado o AVC deve ser tratada, para recuperar o estado de saúde do gato e evitar recaídas.

AVC em gatos - Sintomas, causas e tratamento - Tratamento para o AVC em gatos

Recuperação e sequelas do AVC em gatos

Muitos gatos com AVC acabam se recuperando sem sequelas. É importante que os gatos comam, durmam e se comportem dentro da normalidade para detectar algum tipo de sequela comportamental ou neurológica como depressão, irritabilidade, pouca coordenação e lacunas.

Na minoria dos casos, os gatos desenvolvem um dano irreversível a nível cerebral, com sinais persistentes que condicionam sua qualidade e esperança de vida. Além disso, se o AVC voltar a acontecer, o prognóstico é muito pior e pode ser fatal. Este último acontece mais frequentemente frente a doenças crônicas, daí a importância da detecção e controle precoce destas doenças mediante exames de rotina no centro veterinário.

Descubra as Doenças mais comuns nos gatos neste outro artigo e aprenda a identificar seus sintomas.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a AVC em gatos - Sintomas, causas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças neurológicas.

Bibliografia
  • Aybar, V., Casamián, D., Cerón, J. J., Clemente, F., Fatjó, J., Lloret, A., Luján, A., Novellas, R., Pérez, D.,Silva, S., Smith, K., Tegles, F., Vega, J., Zanna, G. (2018). Manual Clínico de Medicina Felina. Ed.SM Publishing LTD. Sheffield, UK.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
AVC em gatos - Sintomas, causas e tratamento
1 de 2
AVC em gatos - Sintomas, causas e tratamento

Voltar ao topo da página