menu
Partilhar

Doença inflamatória intestinal em gatos - Sintomas e tratamento

Por Laura García Ortiz, Veterinária especializada em medicina felina. 25 março 2021
Doença inflamatória intestinal em gatos - Sintomas e tratamento

Ver fichas de  Gatos

A doença inflamatória intestinal ou DII em gatos consiste no acúmulo de células inflamatórias na mucosa do intestino. Esse acúmulo pode ser de linfócitos, células plasmáticas ou eosinófilos. Nos gatos, ela às vezes é acompanhada por inflamação do pâncreas e/ou fígado, sendo então chamada de tríade felina. Os sinais clínicos são os sintomas gerais de um problema digestivo, embora vômitos e perda de peso ocorram com frequência, ao contrário da diarreia crônica que geralmente ocorre na espécie canina.

Deve ser realizado um bom diagnóstico diferencial entre outras doenças que produzem os mesmos sintomas, e o diagnóstico definitivo é obtido através de histopatologia. O tratamento será por meio de uma dieta específica aliada ao uso de medicamentos.

Continue lendo este artigo do PeritoAnimal, no qual vamos te explicar o que você precisa saber sobre a doença inflamatória intestinal em gatos - sintomas e tratamento.

Também lhe pode interessar: Colite em gatos - Sintomas e Tratamento

O que é e o que causa a doença inflamatória intestinal em gatos?

A doença inflamatória intestinal em gatos ou DII é uma doença inflamatória crônica e de origem desconhecida do intestino delgado. Ocasionalmente, também pode envolver o intestino grosso ou estômago e estar associada à pancreatite e/ou colangite, passando a ser chamada de tríade felina.

Na doença inflamatória intestinal felina, ocorre uma infiltração de células inflamatórias (linfócitos, células plasmáticas ou eosinófilos) na lâmina própria da camada mucosa do intestino, podendo chegar a atingir camadas mais profundas. Embora a origem seja desconhecida, existem três hipóteses sobre as causas da doença inflamatória intestinal em gatos:

  • Alteração autoimune contra o próprio epitélio intestinal.
  • Resposta a antígenos bacterianos, parasitários ou dietéticos do lúmen do intestino.
  • Falha na permeabilidade da mucosa intestinal, que causa maior exposição a esses antígenos.

Existe predisposição racial ou etária no desenvolvimento da DII felina?

Não há uma idade específica. Embora seja mais observada em gatos de meia-idade, gatos mais jovens e mais velhos também podem ser afetados. Por outro lado, existe certa predisposição racial nos gatos siameses, persas e himalaios.

Sintomas da doença inflamatória intestinal em gatos

Como a inflamação ocorre no intestino, os sinais clínicos são muito semelhantes aos do linfoma intestinal, dado que, embora costume ser mais frequente em gatos idosos, não é exclusivo. Assim, os sinais clínicos que um gato com doença inflamatória intestinal apresenta, são:

  • Anorexia ou apetite normal.
  • Perda de peso.
  • Vômitos mucosos ou biliosos.
  • Diarreia de intestino delgado.
  • Diarreia de intestino grosso se esse também for afetado, geralmente com sangue nas fezes.

Ao realizar uma palpação abdominal, podemos notar um aumento na consistência das alças intestinais ou linfonodos mesentéricos aumentados.

Diagnóstico da doença inflamatória intestinal em gatos

O diagnóstico definitivo da DII felina é obtido através da integração de uma boa anamnese, exame físico, análise laboratorial, diagnóstico por imagem e histopatologia das biópsias. É necessário realizar um exame de sangue e bioquímica, detecção de T4, exame de urina e radiografia abdominal para descartar doenças sistêmicas, como hipertireoidismo, doenças renais ou uma insuficiência hepática.

Às vezes, pode ser observado um hemograma de inflamação crônica com aumento de neutrófilos, monócitos e globulinas. Se houver deficiência de vitamina B12, isso pode indicar que o problema está na parte final do intestino delgado (íleo). Por sua vez, a radiografia abdominal pode detectar corpos estranhos, gases ou íleo paralítico. No entanto, o ultrassom abdominal é o exame de imagem mais útil, sendo capaz de detectar um espessamento da parede intestinal, especificamente da mucosa, e até medi-lo.

Não é frequente na doença inflamatória intestinal em gatos que a arquitetura das camadas intestinais se perca, como pode ocorrer com o tumor (linfoma) intestinal. Também é possível notar um aumento nos linfonodos mesentéricos e, dependendo de seu tamanho e forma, saber se eles estão inflamados ou se é tumoral.

O diagnóstico definitivo e diferencial com o linfoma será obtido com uma análise histopatológica de amostras obtidas por biópsia endoscópica ou laparotomia. Em mais de 70% dos casos, o infiltrado é linfocítico/plasmocítico, embora também possa ser eosinofílico com menor resposta ao tratamento. Outros infiltrados muito menos possíveis são o neutrofílico (neutrófilos) ou o granulomatoso (macrófagos).

Doença inflamatória intestinal em gatos - Sintomas e tratamento - Diagnóstico da doença inflamatória intestinal em gatos

Tratamento da doença inflamatória intestinal em gatos

O tratamento da doença inflamatória intestinal gatos em gatos tem como base uma combinação de dieta e imunomoduladores e, se houver, no tratamento de comorbidades.

Tratamento dietético

Muitos gatos com DII melhoram em poucos dias com uma dieta hipoalergênica. Isso porque a dieta diminui o substrato para o crescimento das bactérias, aumenta a absorção intestinal e reduz o potencial osmótico. Embora a mudança nessas dietas possa normalizar a flora intestinal, é difícil reduzir as espécies patogênicas que superpovoam o intestino. Além disso, se houver pancreatite concomitante, antibióticos devem ser administrados para evitar infecções no ducto biliar ou intestino devido às características anatômicas do gato (tríade felina).

Se o intestino grosso também for afetado, o uso de dietas ricas em fibras pode ser indicado. Em qualquer caso, será o veterinário quem indicará qual é a melhor ração para gatos com DII com base no seu caso particular.

Tratamento médico

Se apresentar baixa quantidade de vitamina B12, o gato deve ser suplementado com uma dose de 250 microgramas por via subcutânea uma vez por semana durante 6 semanas. Posteriormente, a cada 2 semanas por mais 6 semanas e depois, mensalmente.

O metronidazol é eficaz por ser antimicrobiano e imunomodulador, mas deve ser usado corretamente para evitar efeitos adversos nas células intestinais e neurotoxicidade. Por outro lado, utilizam-se corticosteróides como a prednisolona em doses imunossupressoras. Essa terapia deve ser feita, mesmo que a dieta não tenha sido alterada para observar se há hipersensibilidade alimentar, em gatos que apresentam perda de peso acentuada e sinais digestivos.

A terapia com prednisolona pode ser iniciada com 2 mg/kg/24h por via oral. A dose, se houver melhora, é mantida por mais 2 a 4 semanas. Se os sinais clínicos estão diminuindo, a dose é reduzida para 1 mg/kg/24h. A dose deve ser reduzida até atingir a dose mínima eficaz que permita o controle dos sintomas.

Se os corticosteroides não forem suficientes, devem ser introduzidos outros imunossupressores, como:

  • Clorambucil na dose de 2 mg/gato por via oral a cada 48 horas (para gatos com mais de 4 kg) ou a cada 72 horas (para gatos com menos de 4 kg). Devem ser realizados hemogramas completos a cada 2-4 semanas em caso de aplasia da medula óssea.
  • Ciclosporina na dose de 5 mg/kg/24 horas.

O tratamento de doença inflamatória intestinal leve em gatos inclui:

  • Dieta hipoalergênica por 7 dias e avaliação da resposta.
  • Metronidazol por 10 dias na dose de 15mg/kg/24 horas por via oral. Reduza a dose em 25% a cada 2 semanas até sua retirada.
  • Ao não obter resposta com o tratamento acima, deve-se iniciar com prednisolona 2 mg/kg/24h sozinha ou em combinação com metronidazol, reduzindo a dose em 25% a cada 2 semanas até que a dose mínima efetiva seja atingida.

E agora que você já os diferentes tipos de tratamento da doença inflamatória intestinal gatos em gatos, talvez possa se interessar em saber quais são as doenças mais comuns em gatos. Não perca no vídeo a seguir:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Doença inflamatória intestinal em gatos - Sintomas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Problemas intestinais.

Bibliografia
  • GataWeb. Enfermedad inflamatoria intestinal en el gato. Disponível em: <http://www.gataweb.com/verarticulos.php?id=253>. Acesso em 22 de março de 2021.
  • D. Ferguson, F. Gaschen. (2009). Enfermedad inflamatoria intestinal idiopática felina. Disponível em: <http://www.rednacionaldeveterinarias.com.uy/articulos/gastroenterologia%E2%80%8F/EII_idiopatica_en_gato.pdf>. Acesso em 22 de março de 2021.
  • Aybar, V., Casamián, D., Cerón, J. J., Clemente, F., Fatjó, J., Lloret, A., Luján, A., Novellas, R., Pérez, D.,Silva, S., Smith, K., Tegles, F., Vega, J., Zanna, G. (2018). Manual Clínico de Medicina Felina. Ed.SM Publishing LTD. Sheffield, UK.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
A sua avaliação:
WELLINGTON
Minha gata apresenta esta doença de uma forma avançada. Infelizmente me tira a paz saber que ela passa por isso então vim pesquisar para ver se ha novos tratamentos ou noticias a respeito desta doença, infelizmente parece que a medicina veterinaria não evolui com tanta rapidez, não tenho base nenhuma em medicina, muito menos em veterinaria, mas me chateia muito ver os animais sofrendo e não podendo trazer a cura a eles, apenas "qualidade de vida" ou quando não, o sacrificio.

Doença inflamatória intestinal em gatos - Sintomas e tratamento
1 de 2
Doença inflamatória intestinal em gatos - Sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página