menu
Partilhar

Linfadenite em cachorros - Sintomas, causas e tratamento

 
Por Cristina Pascual, Veterinária. 23 março 2022
Linfadenite em cachorros - Sintomas, causas e tratamento

Ver fichas de  Cachorros

A linfadenite canina é uma inflamação dos linfonodos, geralmente acompanhada por um aumento no tamanho e na consistência dos linfonodos em cães. A função de filtragem linfática dos linfonodos significa que estes órgãos são continuamente expostos a uma variedade de agentes infecciosos. Quando qualquer um dos microrganismos patogênicos presentes na linfa é capaz de se estabelecer através dos linfonodos, uma infecção é gerada, resultando nesta resposta inflamatória.

Não perca o seguinte artigo do PeritoAnimal no qual explicamos os aspectos mais relevantes da linfadenite em cachorros, seus sintomas, causas e tratamento, assim como seu diagnóstico.

O que é linfadenite em cachorros?

A linfadenite canina é uma inflamação dos linfonodos, também conhecida como linfonodos ou gânglios linfáticos, que leva a um aumento no tamanho e na consistência dos linfonodos em cães.

Os linfonodos são responsáveis, entre outras coisas, pela filtragem da linfa que circula no sistema linfático. Macrófagos no linfonodo são responsáveis pela limpeza da linfa à medida que ela passa. Por esta razão, os linfonodos são estruturas altamente expostas a agentes infecciosos. Quando um microrganismo patogênico entra no linfonodo, ele pode gerar uma infecção que provoca uma resposta inflamatória, a qual conhecemos como linfadenite.

Dependendo do número e da distribuição dos linfonodos afetados, a linfadenite canina pode ser:

  • Localizada: quando apenas os linfonodos de uma região do corpo são afetados. Indica que a patologia que causou a linfadenite está limitada à área de drenagem do gânglio linfático afetado.
  • Generalizada: quando os linfonodos de todo o corpo são afetados. Ela ocorre em patologias sistêmicas, tais como doenças infecciosas e sepse.

 

Tipos de linfadenite

da etiologia e do tipo predominante de células inflamatórias. Nesta seção listamos os principais tipos de linfadenite, ou seja, que afetam os linfonodos em cachorros.

Linfadenite simples não específica em cachorros

A linfadenite simples não específica em cachorros pode ser de dois tipos:

  • Forma aguda: predominam os neutrófilos e os eosinófilos. Focos de necrose podem aparecer no nível dos gânglios linfáticos. Este tipo de linfadenite está associado a doenças como salmonelose, iersiniose, tularemia, toxoplasmose e infecção por parvovírus.
  • Forma crônica: caracterizada pela perda da estrutura dos gânglios linfáticos e pelo aparecimento de edema. São geralmente causados por vírus imunossupressores. Deixamos para você este outro artigo sobre edema pulmonar em cachorros, seus sintomas e tratamento, caso você queira saber mais sobre o assunto.

Linfadenite supurativa e linfadenite purulenta em cachorros

Na linfadenite supurativa há uma invasão maciça de neutrófilos e na forma purulenta, além dos neutrófilos, são observados focos de necrose. Pode ser visto em infecções por cinomose ou vírus da esgana canina. Veja este post sobre cinomose em cachorros, seus sintomas, contágio e tratamento neste artigo do PeritoAnimal.

Linfadenite granulomatosa em cachorros

Na linfadenite granulomatosa, predominam os macrófagos. Além disso, podem ser observadas áreas de necrose caseosa e/ou granulomas mineralizados.

Dentro deste grupo estão algumas das linfadenites de maior interesse clínico na prática clínica de animais de pequeno porte:

  • Linfadenite tuberculosa: causada por micobactérias que causam a tuberculose. Esta linfadenite é caracterizada pela presença de células epitélioides e células de Langhans.
  • Linfadenite pseudotuberculosa: causada por tularaemia e salmonelose. Podem ser observadas células histiocíticas que se transformam em células epitelioides.
  • Linfadenite de etiologia fúngica: devido a histoplasmose, blastomicose, coccidioidomicose e esporotricose. As imagens microscópicas se assemelham às da linfadenite tuberculosa, mas com uma tendência à mineralização.
  • Linfadenite com grânulos de sarcoidose: devido à leishmaniose, toxoplasmose e brucelose. Caracteriza-se pela presença de nódulos formados por células epitélioides e células gigantes.

Linfadenite eosinofílica em cachorros

Caracteriza-se pela invasão maciça de eosinófilos e, em menor grau, de plasmócitos e mastócitos. É visto em casos de dirofilariose e infestação ascaridíase maciça.

Causas da linfadenite em cachorros

Embora na seção anterior tenhamos mencionado as diferentes patologias associadas a cada tipo específico de linfadenite canina, nesta seção vamos compilar todas as causas que podem levar à linfadenite.

Como explicado acima, a linfadenite resulta frequentemente da penetração de um microrganismo patogênico em um linfonodo, levando à infecção do linfonodo. Os vários agentes infecciosos que podem levar à linfadenite canina incluem:

  • Bactérias: como Pasteurella, Salmonella, Bartonella, Bacteroides, Fusobacterium, Yersinia pestis, Francisella tularesis, Mycobacterium, Brucella.
  • Vírus: como parvovírus, morbilivirus (cinomose).
  • Parasitas: como Leishmania, Toxoplasma, Dirofilaria. Você pode aprender mais sobre Toxoplasmose em cachorros, seus sintomas e contágio, aqui.
  • Fungos: como Histoplasma, Blastomyces, Coccidioides, Cryotococcus e Sporothrix.

Sintomas de linfadenite em cachorros

Na linfadenite canina podemos observar tanto sinais clínicos locais (associados aos linfonodos afetados) quanto sinais gerais (como consequência do processo infeccioso que causa a linfadenite).

Os sinais clínicos locais incluem:

  • Aumento no tamanho dos linfonodos afetados: também conhecido como linfadenomegalia. No entanto, esta manifestação clínica muitas vezes passa despercebida pela maioria dos cuidadores, especialmente quando não é muito marcada.
  • Maior consistência dos gânglios linfáticos afetados.
  • Aderência aos tecidos adjacentes dos gânglios linfáticos em casos crônicos.
  • Produção de abscessos nos gânglios linfáticos de linfadenite purulenta que se fistulizam e drenam para fora.

Quando a linfadenite é causada por uma infecção sistêmica, os sinais gerais podem incluir:

Diagnóstico de linfadenite em cachorros

O diagnóstico da linfadenite canina deve incluir os seguintes pontos:

  • Histórico clínico e anamnese: os cachorros geralmente apresentam um quadro clínico típico de uma infecção.
  • Exame geral: a palpação pode revelar aumento e consistência dos gânglios linfáticos superficiais e/ou profundos. Em casos crônicos, os linfonodos aderem a estruturas adjacentes. Linfonodos palpáveis (mandibulares, pré-escapulares e poplíteos) podem ser palpados tanto em animais saudáveis quanto doentes, embora em animais doentes eles serão aumentados em tamanho/consistência. Os linfonodos profundos (parotídeos, retrofaríngeos, axilares, inguinais) só são palpados quando são aumentados devido a causas patológicas.
  • Exames de imagem: estes são necessários quando a linfadenite afeta linfonodos não palpáveis, tais como linfonodos mediastinais ou mesentéricos. Em particular, se realizarão radiografias da cavidade torácica e exames de ultrassom da cavidade abdominal.
  • Punção com agulha fina e citologia ou biópsia e histopatologia: para visualizar as células inflamatórias predominantes de forma microscópica a fim de diagnosticar o tipo específico de linfadenite canina.
  • Outros testes complementares: a fim de determinar a causa específica da linfadenite, podem ser realizados outros testes complementares como exames de sangue, urina, cultura microbiológica, etc.

Tratamento da linfadenite em cachorros

O tratamento da linfadenite canina dependerá do agente causador. Dependendo do microrganismo patogênico que causa a infecção dos linfonodos em cães, o tratamento antimicrobiano deve ser instituído com:

  • Antibacterianos: em infecções bacterianas. É aconselhável realizar uma cultura e um antibiograma para detectar os antibióticos que são eficazes contra a infecção e para evitar o aparecimento de resistência aos antibióticos.
  • Antiparasitários: em doenças parasitárias. Aqui estão mais informações sobre os parasitas externos nos cachorros, que também podem ser de seu interesse.
  • Antifúngicos: para infecções fúngicas. Para saber mais sobre as fungos em cachorros, seus sintomas e tratamento, não deixe de ler este post.

O tratamento de apoio adequado será também instituído dependendo da patologia subjacente, que pode incluir medicamentos anti-inflamatórios, terapia de fluidos, etc.

No vídeo a seguir contamos as 10 raças de cachorro mais propensas a doenças cardíacas:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Linfadenite em cachorros - Sintomas, causas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Outros problemas de saúde.

Bibliografia
  • Acosta, B., Álvarez, P., Deniz, S., Rodríguez, L., Real, F., Rosario, I. (1999). Linfadenitis canina por Cryptococcus neoformans. Revista Iberoamericana de Micología; 16:155-157
  • Camacho, L. (s.f). Linfadenitis en perro y gato. Anales de medicina y cirugía; 55(241):205-216

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Linfadenite em cachorros - Sintomas, causas e tratamento
Linfadenite em cachorros - Sintomas, causas e tratamento

Voltar ao topo da página