menu
Partilhar

Colibacilose em aves - Sintomas e tratamento

 
Por Cristina Pascual, Veterinária. 23 março 2022
Colibacilose em aves - Sintomas e tratamento

A colibacilose aviária é uma doença infecciosa causada pela bactéria Escherichia coli, que pode afetar qualquer espécie de ave. Embora possa ser considerada uma doença primária, na maioria dos casos é uma doença secundária causada por um estado de imunossupressão devido a outras doenças virais ou bacterianas. A característica clínica mais importante da colibacilose aviária é o desenvolvimento de septicemia ou colisepticemia caracterizada pelo aparecimento de sinais clínicos e lesões que variam de acordo com os órgãos afetados.

Se você quiser saber mais sobre a colibacilose em aves, recomendamos que leia esse artigo do PeritoAnimal no qual detalhamos os aspectos mais importantes da doença.

Também lhe pode interessar: Cólera aviária - Sintomas e tratamento

O que é a colibacilose em aves?

A colibacilose aviária é uma infecção causada pela bactéria Escherichia coli, que pode afetar qualquer espécie de ave, de modo que a colibacilose é comum em canários, pombos, papagaios... Embora possa ser uma infecção primária (inicialmente causada por esta bactéria), geralmente é uma infecção secundária que ocorre como complicação de outros processos respiratórios em aves.

A colibacilose em aves pode ocorrer de forma aguda, com um quadro septicêmico de alta morbidade e mortalidade, ou de forma crônica, com menos severidade e mortalidade.

Colibacilose em aves - Sintomas e tratamento - O que é a colibacilose em aves?

Qual o agente etiológico da colibacilose em aves?

O agente etiológico da colibacilose em aves é E. coli. Esta bactéria pode ser encontrada:

  • No trato digestivo: é um habitante comum do trato intestinal das aves, embora muitas cepas não sejam patogênicas e, portanto, não causem doenças. Como é comumente encontrada no intestino, ela também está frequentemente presente nos excrementos das aves.
  • Sobre a pele e penas: como resultado da contaminação por contato com fezes.
  • No trato respiratório superior: não tão comum como no intestino, mas em casos de infecção.

A colibacilose pode ser uma doença primária, embora na maioria dos casos seja considerada uma doença secundária causada por um estado de imunossupressão devido a outras doenças virais ou bacterianas. As lesões causadas por esses patógenos primários facilitam a entrada, colonização e disseminação secundária da E. coli. Neste outro artigo falamos sobre as doenças mais comuns nas aves domésticas.

Transmissão da colibacilose em aves

A transmissão de colibacilose aviária pode ser:

  • Vertical: é a transmissão que ocorre dos pais para seus descendentes. As mães infectadas podem contaminar a casca do ovo o que, sendo semipermeável, permite que a E. coli entre no ovo. A infecção também pode ocorrer no momento da eclosão dos ovos ou através dos pais durante a fase da incubação.
  • Horizontal: é a transmissão que ocorre entre indivíduos que não são mãe e filho. Geralmente é transmitida diretamente pela via respiratória (como aerossóis formados de fezes contaminadas), embora em alguns casos possa ser transmitida pela via digestiva.

Sintomas da colibacilose em aves

Os sinais clínicos da colibacilose aviária podem variar de acordo com a situação:

  • A cepa particular de E. coli e sua patogenicidade.
  • A localização da infecção.
  • O estado imunológico das aves infectadas.

A característica clínica mais importante da colibacilose aviária é o desenvolvimento de septicemia ou colisepticemia (resposta sistêmica severa do organismo a uma infecção generalizada), na qual lesões como perihepatite, peritonite, pericardite, aerosacculite, salpingite e onfalite são observadas. Em casos muito agudos, o principal sinal observado nas aves é o aumento da mortalidade. Em casos menos agudos, observamos o seguinte:

  • Sinais clínicos típicos de septicemia: febre, desabrochar das penas, má aparência, indiferença, anorexia.
  • Sinais respiratórios: a aerosaculite (inflamação dos sacos aéreos) geralmente se desenvolve, acompanhada de sinais clínicos, como dispneia ou distúrbios respiratórios e estertores.
  • Sinais digestivos: enterite que pode se tornar hemorrágica.
  • Distúrbios reprodutivos: a infecção do oviduto leva a uma leve queda na postura das aves.
  • Na colibacilose em canários, é característico a cessação do canto.

Neste outro artigo listamos diversos passarinhos que cantam.

Diagnóstico da colibacilose aviária

O diagnóstico clínico da colibacilose em aves é agravada pelo fato de ser comum em muitas outras patologias. Portanto, o diagnóstico laboratorial por isolamento e identificação do agente causador é normalmente utilizado para confirmar a infecção.

Entretanto, devemos lembrar que o isolamento da E. coli não implica necessariamente que ela seja responsável pela doença, uma vez que é uma habitante comum do trato digestivo das aves. Portanto, além de identificar a bactéria, é necessário analisar a virulência da cepa detectando antígenos somáticos (O) e capsulares (K) para verificar se ela é ou não responsável pelo quadro clínico. As deformações com antígeno somático 1, 2, 35 e 78 são mais comumente associadas à colibacilose em aves.

Prevenção da colibacilose aviária

Que fatores devem ser investigados quando ocorre um surto de colibacilose aviária? Basicamente, são os mesmos fatores que devem ser observados entre as medidas de prevenção da colibacilose em aves:

  • Higiene dos galinheiros ou viveiros: Programas adequados de limpeza e desinfecção devem ser mantidos para manter um bom grau de higiene das instalações. E. coli é um microorganismo sensível à dessecação, portanto, secar as superfícies após a lavagem é uma boa maneira de reduzir a carga bacteriana. Além das instalações, as camas, bebedouros e alimentadores também devem ser mantidos limpos de fezes e matéria orgânica. As instalações devem ser mantidas bem ventiladas e protegidas contra pragas e aves silvestres.
  • Reduzir os níveis de estresse: especialmente mantendo um nível de densidade animal adequado ao espaço e às necessidades comportamentais de cada espécie. Situações estressantes desencadearão imunossupressão e, portanto, maior suscetibilidade à infecção.
  • Controle de água e ração: Deve-se assegurar que tanto o abastecimento de água quanto a ração estejam livres de patógenos. O cloro é muito eficiente para o tratamento e desinfecção da água.
  • Vacinação: Embora as vacinas contra a colibacilose estejam disponíveis, elas não são altamente eficazes. Na verdade, é uma vacina que não está incluída nos programas de vacinação habituais para aves.

É importante lembrar que as aves não devem viver em pequenos espaços que as privem de sua liberdade. Como todos os animais, elas merecem ter uma boa qualidade de vida, portanto, se você vive com uma ou mais aves, é essencial que elas possam se mover livremente e não estejam confinadas a uma gaiola 24 horas por dia. Da mesma forma, o enriquecimento ambiental adequado para as aves é essencial.

Neste outro artigo elencamos as aves que arrancam as próprias penas.

Qual o tratamento para colibacilose em aves?

A primeira coisa a considerar ao tratar a colibacilose aviária é saber se a E. coli está agindo como agente primário ou secundário. Se estiver causando uma infecção secundária, é necessário tratar também o agente primário, pois esta é a única maneira de tratar a doença.

O tratamento etiológico da colibacilose aviária requer um antibiograma para selecionar um antibiótico eficaz contra a cepa que causa a infecção. Desta forma, garantiremos que o agente causador seja sensível ao antibiótico prescrito e evitaremos o desenvolvimento de resistência antimicrobiana. Os antibióticos mais utilizados são: enrofloxacina, doxiciclina e ampicilina.

Além disso, é aconselhável apoiar o tratamento antibiótico com complexos vitamínicos, aminoácidos e probióticos, a fim de restaurar a flora intestinal e favorecer a recuperação das aves, sempre com o acompanhamento de um veterinário.

Agora que você já sabe tudo sobre a colibacilose em aves, não deixe de conferir o vídeo a seguir em que falamos o que as galinhas comem:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Colibacilose em aves - Sintomas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças infecciosas.

Bibliografia
  • UFSC. Resumo: Colibacilose em aves domésticas. Disponível em: . Acesso em 23 de março de 2022.
  • Governo de São Paulo. Colibacilose aviária. Disponível em: . Acesso em 23 de março de 2022.
  • Asociación Española de Ciencia Avícola. (2010). Colibacilosis en avicultura: situación actual.
  • Roca, J. Actualidad de la colibacilosis en avicultura y sus modernos tratamientos. Panorama veterinario; 413-420

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Colibacilose em aves - Sintomas e tratamento
1 de 2
Colibacilose em aves - Sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página