Outros problemas de saúde

Cirurgia em cachorros e gatos - Principais cuidados

 
Carla Moreira
Por Carla Moreira, Médica veterinária. 11 novembro 2022
Cirurgia em cachorros e gatos - Principais cuidados

A relação entre homens, cães e gatos passou por uma intensa transformação nos últimos anos, havendo um aumento do poder aquisitivo da população e a maior disponibilidade de recursos a serem utilizados nos diversos tratamentos desses animais. Com isso, um maior número de animais pode se beneficiar dos recursos técnicos utilizados nas clínicas e hospitais veterinários atualmente. Novas técnicas cirúrgicas, mais avançadas, são implantadas nesse contexto, possibilitando que o animal se recupere mais rápido dos procedimentos, com um pós-operatório menos doloroso.

Mas, apesar de todo esse avanço, ainda são necessários alguns cuidados com os animais antes e após as cirurgias. Várias são as dúvidas dos tutores cujo pet passará por um procedimento cirúrgico, que devem ser esclarecidas durante a consulta pré-operatória, assim como todas as instruções sobre medicação, jejum, curativos e manejo devem ser transmitidas pelo médico veterinário. Se você também possui alguma dúvida sobre como proceder com o seu amigo peludo antes e depois de uma cirurgia, não deixe de ler este artigo do PeritoAnimal, onde falaremos sobre a cirurgia em cachorros e gatos e os principais cuidados que devemos proporcionar aos pets.

Índice

  1. Principais tipos de cirurgias feitas em cachorros e gatos
  2. Cuidados pré-cirurgia em cachorros e gatos
  3. Cuidados pós-cirurgia em cachorros e gatos
  4. Como fica o pet depois da cirurgia?
  5. Quanto tempo leva para o animal se recuperar da cirurgia?

Principais tipos de cirurgias feitas em cachorros e gatos

Sem dúvidas, a cirurgia mais realizada em cães e gatos é a castração eletiva, tanto em machos quanto em fêmeas de cães e gatos. O método cirúrgico consiste na esterilidade ou infertilidade permanente, por meio das alterações anatômicas do animal, com a remoção cirúrgica total dos testículos (orquiectomia) ou dos ovários, tubas uterinas e útero (ovariosalpingohisterectomia) ou parcial (deferentectomia, ovariectomia e vasectomia) dos órgãos do sistema reprodutor de cães e gatos. A ovariossalpingohisterectomia e a orquiectomia são os métodos de escolha para obter o controle da reprodução desses animais.

Outra cirurgia vetererinária bastante comum, principalmente em filhotes, é a remoção de corpos estranhos, que são objetos introduzidos no organismo do animal, por via natural ou não, podendo causar lesões graves. Animais jovens possuem um comportamento curioso, ingerindo objetos como brinquedos, pedaços de pano, plásticos e cordões. Os corpos estranhos podem se alojar no esôfago, estômago e intestinos, causando obstruções parciais ou totais. Caso não possam ser retirados via endoscopia, o tratamento deverá ser cirúrgico.

A piometra (infecção no útero) é uma doença que, normalmente, exige cirurgia de emergência, realizada tanto em cadelas como em gatas. Dependendo da gravidade, pode haver risco de morte para os animais doentes. O tratamento consiste no uso de antibióticos sistêmicos, hidratação e retirada cirúrgica do útero, dos ovários e das tubas uterinas.

A retirada de tumores mamários em cadelas e gatas também é algo bem recorrente na rotina veterinária. Essas neoplasias representam um sério problema de saúde em cadelas no mundo todo, enquanto em gatas é o terceiro tipo de tumor mais diagnosticado. A causa dos neoplasmas mamários é multifatorial, envolvendo fatores genéticos, ambientais, nutricionais e hormonais[1]. O tratamento de eleição é o cirúrgico, que pode ter caráter curativo em muitas fêmeas caninas, permitindo ainda o diagnóstico histopatológico, e em determinadas pacientes, será utilizado como tratamento paliativo para promover a melhora na qualidade de vida.

Cirurgia em cachorros e gatos - Principais cuidados - Principais tipos de cirurgias feitas em cachorros e gatos

Cuidados pré-cirurgia em cachorros e gatos

Os cuidados pré-operatórios em cachorros e gatos geralmente são bem simples, sendo necessário jejum de alimentos sólidos e líquidos, para que não ocorra vômito durante o procedimento anestésico. O animal deve estar limpo, para que haja redução de possíveis contaminantes e, em alguns casos, será necessária a realização de uma tosa, para facilitar o curativo. É adequado também que o animal esteja tranquilo e descansado. Em alguns casos, o médico veterinário poderá prescrever antibióticos antes mesmo da cirurgia.

Cuidados pós-cirurgia em cachorros e gatos

No caso da castração eletiva e da castração devido à piometra, os cuidados são bem semelhantes. O animal deve repousar em local fresco e arejado, fazer o mínimo de exercícios possível durante as primeiras horas após a cirurgia e usar bandagem ou roupa cirúrgica para proteção dos pontos (alguns animais precisarão usar colar elizabetano para evitar que mexam na ferida cirúrgica). O curativo deverá ser trocado diariamente, sendo a ferida cirúrgica higienizada com solução fisiológica e aplicação de antibióticos tópicos. O uso de antimicrobianos sistêmicos deverá ser indicado pelo médico veterinário após a cirurgia no cachorro ou no gato, a depender de cada caso.

Os cuidados após a retirada de corpos estranhos dependerão do local onde o objeto estava alojado. Quando a cirurgia veterinária é realizada no trato gastrointestinal, a alimentação deverá ser introduzida de forma lenta e gradual, conforme as orientações do médico veterinário. Pode ser necessário o uso de sondas para alimentação do animal, devendo sempre ser lavada (com o uso de uma seringa contendo soro) após a administração de alimento ou de medicação. O curativo deve ser trocado diariamente, seguindo as mesmas orientações descritas acima para o caso da castração.

O pós-operatório adequado de cadelas e gatas submetidas à mastectomia (retirada das mamas devido a tumores) é fundamental para o sucesso do tratamento. Em alguns casos, podem ser colocados drenos, que permanecerão por 3 a 5 dias ou até a redução da drenagem de líquidos. Curativos com bandagens compressivas podem ser necessárias, para reduzir a produção de seroma (formação de acúmulo de líquido próximo à cicatriz cirúrgica). O uso de analgésicos é de extrema importância, já que a mastectomia é um procedimento bastante doloroso, sendo necessário o uso de opioides, como morfina e tramadol.

O manejo da dor, em qualquer tipo de cirurgia, seja em cachorros ou gatos, deve ser uma prioridade, pois é sabido que o estímulo álgico eleva os níveis de cortisol (devido ao estresse neurogênico), retardando a cicatrização e deprimindo o sistema imunológico, além de efeitos sistêmicos negativos sobre a homeostase.

Cirurgia em cachorros e gatos - Principais cuidados - Cuidados pós-cirurgia em cachorros e gatos

Como fica o pet depois da cirurgia?

Alguns animais tendem a ficar mais quietos após a cirurgia, devido ao possível mal-estar causado pela anestesia e pelo procedimento como um todo. Deve ser assegurado que o amigo peludo não esteja sentindo dor. Gatos demonstram dor de forma diferente dos cães, ficando mais quietos e encolhidos, com a cabeça baixa. Os cães podem ficar mais isolados, apresentarem choro constante, vocalizações ou agressividade quando tocados.

Após superada a fase inicial, onde a dor pode ser um problema mais crítico (e deve ser administrada de forma eficiente pelo médico veterinário para que o animal não sofra), o paciente tende a reiniciar suas atividades normais, cabendo ao tutor não o deixar abusar dos exercícios físicos e da alimentação.

Quanto tempo leva para o animal se recuperar da cirurgia?

O tempo de recuperação dependerá do tipo de cirurgia realizada. Normalmente, quando não há complicações, os pontos são retirados dentro de 7 a 10 dias tanto em cães como gatos. Cirurgias mais delicadas podem exigir um período maior de cuidados, como o uso de sondas, utilização de medicamentos e até mesmo idas frequentes ao médico veterinário para que seja verificada evolução do tratamento.

Na maioria dos casos, os animais se recuperam de forma rápida quando recebem todos os cuidados necessários, como medicações, limpeza das feridas, alimentação suave e muito carinho!

Agora que você já sabe os principais cuidados antes e após cirurgias em cachorros e gatos, não perca o vídeo a seguir no qual falamos sobre a idade ideal, os prós e contras da castração de gatos:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Cirurgia em cachorros e gatos - Principais cuidados, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Outros problemas de saúde.

Referências
  1. Nardi, A.B. Tumores mamários em cadelas e gatas: novas perspectivas e desafios. Boletim Pet, Agener União Saúde Animal, v. 04, 2017. Disponível em https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/vetsmart-contents/Documents/DC/AgenerUniao/Boletim_Pet_042017_Tumores_Mamarios_Cadelas_Gatas.pdf. Acesso em 09/11/2022.
Bibliografia
  • Jesus, A.S. Castração em Cães e Gatos: quando realizar, técnicas, benefícios e riscos. UniAGES. Centro Universitário, 2021. Disponível em https://repositorio.animaeducacao.com.br/bitstream/ANIMA/13744/1/Monografia%20Alexandre.pdf. Acesso em 09/11/2022.
  • Horta, R.S. Oncologia em Pequenos Animais. Prefácio. Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia, n.70, 2013. Disponível em https://vet.ufmg.br/ARQUIVOS/FCK/file/editora/caderno%20tecnico%2070%20oncologia%20pequenos%20animais.pdf. Acesso em 09/11/2022.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 3
Cirurgia em cachorros e gatos - Principais cuidados