menu
Partilhar

Sopro cardíaco em gatos - Causas, sintomas e tratamento

 
Por Laura García Ortiz, Veterinária especializada em medicina felina. 4 março 2021
Sopro cardíaco em gatos - Causas, sintomas e tratamento

Ver fichas de  Gatos

Nossos pequenos felinos, embora pareçam sempre estar bem no que diz respeito à saúde, podem ser diagnosticados com sopro cardíaco em uma revisão rotineira no veterinário. Os sopros podem ser de diferentes graus e tipos, sendo os mais graves aqueles que podem ser ouvidos mesmo sem colocar o estetoscópio na parede torácica do felino.

Os sopros cardíacos podem ser acompanhados de sinais clínicos graves e podem indicar um problema sério de saúde cardiovascular ou extravascular que causa essas consequências no fluxo cardíaco responsáveis pelo som anormal na auscultação de um som cardíaco.

Continue lendo este artigo informativo do PeritoAnimal para conhecer o sopro cardíaco em gatos - causas, sintomas e tratamento.

Também lhe pode interessar: Doenças cardíacas em cães e gatos 🐶🐱

O que é um sopro cardíaco

Um sopro cardíaco é causado por um fluxo turbulento dentro do coração ou dos grandes vasos sanguíneos que saem do coração, o que causa um ruído anormal que pode ser detectado na auscultação cardíaca com um estetoscópio e que pode interferir com os sons normais "lub" (abertura das válvulas aórtica e pulmonar e fechamento das auriculoventriculares) e "dup" (abertura das válvulas auriculoventriculares e fechamento das válvulas aórtica e pulmonar) durante um batimento.

Tipos de sopros cardíacos em gatos

Os sopros cardíacos podem ser sistólicos (durante a contração ventricular) ou diastólicos (durante o relaxamento ventricular) e podem ser classificados de acordo com os seguintes critérios em diferentes graus:

  • Grau I: audível em uma determinada área um tanto difícil de ouvir.
  • Grau II: audível rapidamente, mas de menor intensidade que os sons do coração.
  • Grau III: audível imediatamente na mesma intensidade que os sons cardíacos.
  • Grau IV: audível imediatamente com maior intensidade que os sons do coração.
  • Grau V: facilmente audível até quando se aproxima da parede torácica.
  • Grau VI: muito audível, até com o estetoscópio afastado da parede torácica.

O grau do sopro nem sempre está relacionado com a gravidade da doença cardíaca, uma vez que algumas patologias graves do coração não produzem nenhum tipo de sopro.

Causas de sopro cardíaco em gatos

Diversos transtornos que afetam os felinos podem causar o sopro cardíaco em gatos:

  • Anemia.
  • Linfoma.
  • Doença cardíaca congênita, como o defeito no septo ventricular, o canal arterial persistente ou a estenose pulmonar.
  • Miocardiopatia primária, como a cardiomiopatia hipertrófica.
  • Miocardiopatia secundária, como a causada por hipertireoidismo ou hipertensão.
  • Dirofilariose ou doença do verme do coração.
  • Miocardite.
  • Endomiocardite.

Sintomas do sopro cardíaco em gatos

Quando um sopro cardíaco em um gato se torna sintomático ou causa sinais clínicos, podem aparecer os seguintes sintomas:

  • Letargia.
  • Dificuldade respiratória.
  • Anorexia.
  • Ascite.
  • Edema.
  • Cianose (pele e mucosas azuladas).
  • Vômitos.
  • Caquexia (desnutrição extrema).
  • Colapso.
  • Síncope.
  • Paresia ou paralisia dos membros.
  • Tosse.

Quando um sopro cardíaco é detectado em gatos, sua importância deve ser determinada. Até 44% dos gatos que aparentemente estão saudáveis apresentam sopros na auscultação cardíaca, seja durante o repouso ou quando a frequência cardíaca do gato aumenta.

Entre 22% e 88% dessa porcentagem de gatos com sopros sem sintomas apresentam, ainda, uma miocardiopatia ou uma cardiopatia congênita com uma obstrução dinâmica da via de saída do coração. Por todas essas razões, realizar check-ups regulares é tão importante, assim como consultar o veterinário se você notar algum dos sintomas de um gato com doença cardíaca.

Sopro cardíaco em gatos - Causas, sintomas e tratamento - Sintomas do sopro cardíaco em gatos

Diagnóstico do sopro no coração em gatos

O diagnóstico de um sopro cardíaco é realizado por meio da auscultação cardíaca, através do uso de um estetoscópio no local do tórax felino onde se localiza o coração. Se na auscultação é detectado um som chamado de "galope" por sua semelhança com o som do galopar de um cavalo ou uma arritmia além do sopro, geralmente é associado à uma doença cardíaca considerável e deve ser investigado minuciosamente. Nesse sentido, deve ser realizada uma avaliação completa com o gato estável, ou seja, nos casos em que um gato apresentava derrame pleural mas já teve o líquido drenado.

Nos casos de sopros, deve-se sempre realizar testes para detectar doença cardíaca ou extracardíaca que tenha consequências no coração, para que possam ser realizados os seguintes testes para o diagnóstico:

  • Radiografias do tórax para avaliar o coração, seus vasos e seus pulmões.
  • Ecocardiografia ou ultrassom do coração, para avaliar o estado das câmaras cardíacas (átrios e ventrículos), a espessura da parede do coração e as velocidades do fluxo sanguíneo.
  • Biomarcadores de doença cardíaca, como as troponinas ou do pró-peptídeo natriurético cerebral (Pro-BNP) em gatos com sinais que sugerem cardiomiopatia hipertrófica e a ecocardiografia não pode ser realizada.
  • Análise sanguínea e bioquímica com medição da T4 total para o diagnóstico de hipertireoidismo, especialmente em gatos com mais de 7 anos.
  • Testes para a detecção de dirofilariose.
  • Testes para detectar doenças infecciosas, como sorologia de Toxoplasma e Bordetella e hemocultura.
  • Medição da pressão arterial.
  • Eletrocardiograma para detectar arritmias.

Existe um teste para determinar o risco de cardiomiopatia hipertrófica?

Se o felino será um reprodutor ou é um gato de determinadas raças, é aconselhável que seja realizado o teste genético da cardiomiopatia hipertrófica, pois se sabe que deriva de mutações genéticas de algumas raças, como Maine Coon, Ragdoll ou o siberiano.

Atualmente, os testes genéticos estão disponíveis em países da Europa para detectar mutações conhecidas apenas do Maine Coon e do Ragdoll. No entanto, mesmo que o teste for positivo, não indica que desenvolverá a doença, mas indica que tem mais riscos.

Como consequência provável de mutações ainda não identificadas, um gato que testa negativo também pode desenvolver a cardiomiopatia hipertrófica. Por isso, recomenda-se que a ecocardiografia anual seja realizada em gatos de raça com predisposição familiar para sofrer disso e que vão se reproduzir. No entanto, devido à alta taxa de abandono, sempre recomendamos optar pela castração de gatos.

Sopro cardíaco em gatos - Causas, sintomas e tratamento - Diagnóstico do sopro no coração em gatos

Tratamento do sopro cardíaco em gatos

Se as doenças são cardíacas, como a cardiomiopatia hipertrófica, os medicamentos para a correta funcionalidade do coração e que controlem os sintomas de insuficiência cardíaca em gatos, caso ocorra, são fundamentais:

  • Os medicamentos para a cardiomiopatia hipertrófica podem ser relaxantes miocárdicos, como o bloqueador do canal de cálcio chamado diltiazem, betabloqueadores, como o propanolol ou o atenolol, ou anticoagulantes, como o clopridrogel. Nos casos de insuficiência cardíaca, o tratamento a ser seguido será: diuréticos, vasodilatadores, digitálicos e medicamentos que atuam sobre o coração.
  • O hipertireoidismo pode causar um problema muito parecido com a cardiomiopatia hipertrófica, portanto, a doença deve ser controlada com medicamentos como o metimazol ou carbimazol ou outras terapias ainda mais eficazes, como a radioterapia.
  • A hipertensão pode causar hipertrofia ventricular esquerda e insuficiência cardíaca congestiva, embora de maneira menos frequente e geralmente não costuma requerer tratamento se o aumento da pressão arterial for tratado com medicamentos como a amlodipina.
  • Se apresenta miocardite ou endomiocardite, raras em gatos, o tratamento escolhido são os antibióticos.
  • Em cardiopatias causadas por parasitas, como a dirofilariose ou a toxoplasmose, deve-se realizar um tratamento específico para essas doenças.
  • Nos casos de doenças congênitas, a cirurgia é o tratamento indicado.

Como o tratamento do sopro no coração do gato depende, em grande parte, da causa, é muito importante consultar o veterinário para que realize um estudo e defina os medicamentos a serem tomados nestes casos de problemas cardíacos em gatos.

No vídeo a seguir você verá quando devemos levar um gato ao veterinário:

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Sopro cardíaco em gatos - Causas, sintomas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças cardiovasculares.

Bibliografia
  • Harvey, A., Tasker, S. (Eds). (2014). Manual de Medicina Felina. Ed. Sastre Molina, S.L. L ́Hospitalet de Llobregat, Barcelona, España.
  • Avepa. (2016). Cardiorrespiratorio en gatos. Disponível em: <https://www.avepa.org/pdf/proceedings/CARDIORRESPIRATORIO_EN_GATOS_2016.pdf>. Acesso em 2 de março de 2021.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Sopro cardíaco em gatos - Causas, sintomas e tratamento
1 de 3
Sopro cardíaco em gatos - Causas, sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página