menu
Partilhar

Melanoma em cães - Sintomas, características e tratamento

 
Por Cristina Pascual, Veterinária. 14 março 2022
Melanoma em cães - Sintomas, características e tratamento

Ver fichas de  Cachorros

O melanoma canino é um tumor originário nos melanócitos. Ele afeta mais comumente cachorros mais velhos e raças pigmentadas. Ao contrário de outros tumores, o prognóstico dos melanomas está fortemente ligado à sua localização. Assim, os melanomas localizados na boca, unhas e dedos têm um prognóstico pior do que os melanomas localizados na cabeça ou nos membros dianteiros.

Se você quiser saber mais sobre o melanoma em cães, não perca o seguinte artigo do PeritoAnimal, no qual explicamos seus principais sintomas, diagnóstico e tratamento.

O que é o melanoma em cães

O melanoma canino é uma neoplasia que tem origem nos melanócitos, células presentes na epiderme e folículos pilosos que sintetizam a melanina. Estes tumores podem envolver a epiderme e a derme, ou apenas a derme, e seu tamanho pode variar de milímetros a 10 centímetros de diâmetro.

Eles geralmente aparecem em cachorros mais velhos (a idade média é entre 9 e 11 anos), sem predileção por sexo, mas há uma predileção por raça.

Tipos de melanoma em cães

Os melanomas podem ser classificados com base em diferentes critérios:

  • Grau de malignidade.
  • Presença ou ausência de melanina.
  • Local.

De acordo com o grau de malignidade

Os melanomas podem ser classificados de acordo com seu grau de malignidade em:

  • Melanomas benignos: representam 3-4% dos tumores de pele em cachorros.
  • Melanomas malignos: representam 0,8-2% dos tumores de pele em cachorros e são, portanto, menos comuns que os melanomas benignos.

Dependendo da presença ou ausência de melanina

Dependendo da presença ou não de pigmentação melanocítica, os melanomas podem se apresentar como:

  • Forma não pigmentada ou amelanótica: 20% dos melanomas têm falta de melanina, o que complica o diagnóstico histopatológico.
  • Forma pigmentada: os 80% restantes dos melanomas têm melanina.

Dependendo do local

Dependendo de sua localização, eles são classificados como melanomas:

  • Orais: na cavidade oral, incluindo a língua, os lábios e a mucosa gengival. O melanoma na boca cachorro são os mais frequentes.
  • Nasais: na cavidade nasal. Eles são muito raros nas espécies caninas.
  • Intraoculares: dentro do olho.
  • Subungueais: nas unhas.
  • Digitais: nos dedos.
  • MMucocutâneas: nas junções entre a pele e as mucosas (oral, nasal, genital, etc.).
  • Cutâneos: no sistema cutâneo em geral.

O prognóstico dos melanomas é fortemente condicionado pelo local em que se encontram. Assim, os melanomas localizados na cabeça (exceto na boca) e nos membros anteriores são mais propensos a serem benignos e, portanto, têm um melhor prognóstico. Em contraste, os melanomas localizados na boca e na junção mucocutânea, unhas e dedos têm um prognóstico pior. Em particular, o melanoma oral é um tumor de crescimento muito rápido com grande poder metastático.

Sintomas do melanoma em cães

A aparência dos melanomas difere de acordo com seu grau de malignidade. Neste sentido:

  • Os melanomas benignos geralmente se apresentam como pequenas formações de pele, bem localizadas, pequenas, pigmentadas, nodulares, que não estão presas às camadas mais profundas. Eles geralmente têm uma aparência de botão e têm um crescimento muito lento.
  • Os melanomas malignos estão geralmente localizados em mucosas, junções mucocutâneas, dedos e unhas. Eles geralmente têm um padrão de crescimento mais rápido e afetam tecidos mais profundos. Macroscopicamente, eles podem ser estruturas altamente pigmentadas (marrom escuro ou preto) ou nódulos não pigmentados (rosados).

Os sinais clínicos associados ao melanoma canino dependem da área afetada:

  • Os melanomas orais muitas vezes passam despercebidos inicialmente, embora à medida que crescem, o ptyalismo (salivação), halitose, sangramento das gengivas, dificuldade para mastigar ou engolir e perda de peso podem ser observados. Por isso é sempre bom prestar atenção ao melanoma na boca do cachorro.
  • A secreção nasal unilateral é comum nos melanomas nasais.
  • Os melanomas intraoculares podem causar glaucoma (aumento da pressão intraocular), uveíte (inflamação da úvea - íris, corpos ciliares e coróide), hifema (presença de sangue na câmara anterior do olho), edema da córnea, epífora (laceração contínua) e hiperemia conjuntival (avermelhamento da esclerótica).
  • Os melanomas digitais ou de unha (no dedo ou na unha, respectivamente) podem se espalhar para as falanges e produzir lesões osteolíticas que são claramente visíveis nas radiografias. Além disso, pode ocorrer a perda da unha.
  • Nos melanomas cutâneos, apenas um nódulo firme pode ser observado, embora às vezes possa haver úlceras hemorrágicas que não cicatrizam. Quando a ferida sofre uma infecção bacteriana secundária, o prurido frequentemente aparece na área afetada.

Os melanomas malignos que chegam a metástase podem causar sinais clínicos muito diferentes, dependendo dos órgãos afetados. O pulmão é geralmente o órgão mais afetado pelas metástases.

Melanoma em cães - Sintomas, características e tratamento - Sintomas do melanoma em cães
Imagem: especiesveterinarios.com

Diagnóstico do melanoma canino

O diagnóstico do melanoma em cães se baseia nos seguintes pontos:

  • Diagnóstico clínico:incluindo histórico clínico (lesões, sinais clínicos e sua evolução) e exame completo do paciente, prestando especial atenção às lesões cutâneas e à palpação dos gânglios linfáticos locais.
  • Citologia: são observados melanócitos com um número variável de grânulos pigmentados. A citologia permite uma aproximação ao diagnóstico, mas não é suficiente para diferenciar o grau de malignidade do tumor, para o qual é necessário um diagnóstico histopatológico por biópsia.
  • Histopatologia: por biópsia. O diagnóstico histopatológico indica a origem exata do tumor, o grau de malignidade, o índice mitótico, as características invasivas e as características do estroma.
  • Imunohistoquímica: embora seja uma técnica útil para o diagnóstico de melanomas em cachorros, ela não é absolutamente específica e deve estar sempre associada à histopatologia.
  • Punção de agulha fina (PAAF) de gânglios linfáticos locais: mesmo que os nós regionais não sejam ampliados à palpação, é necessária uma punção fina de água para descartar a presença de metástases de nós sentinela (metástases locais).
  • TC: é o método mais indicado para estudar a presença de metástases distantes, especialmente metástases pulmonares. Além disso, para minimizar erros de diagnóstico, é aconselhável combinar a punção dos gânglios linfáticos com o TC para garantir que não haja metástases regionais nos gânglios linfáticos.

Prognóstico do melanoma em cachorros

Para determinar o prognóstico do melanoma canino, é necessário realizar uma fase clínica do melanoma. Existem quatro estágios, sendo o primeiro o melhor prognóstico e o quarto o mais severo.

O estadiamento clínico depende de vários fatores:

  • Local: como já explicamos, a localização deste tumor está fortemente relacionada com a gravidade de seu prognóstico.
  • Tamanho do tumor: quanto maior o tamanho, pior o prognóstico.
  • Índice mitótico: indica a porcentagem de células que estão na fase de mitose (divisão). Um índice mitótico mais alto está associado a um pior prognóstico.
  • Lesão associada ao tumor: sinais de inflamação intralesional ou necrose intralesional pioram o prognóstico do melanoma.
  • Metástase local: em gânglios linfáticos locais ou sentinela.
  • Metástase à distância: em órgãos além dos gânglios locais.

Como regra geral, o prognóstico dos melanomas malignos em cães é geralmente ruim, especialmente no caso dos melanomas na boca do cachorro, onde a cirurgia é realizada de forma muito conservadora com ressecção incompleta que não inclui o osso subjacente. Entretanto, os melanomas cutâneos oferecem um prognóstico melhor por causa de seu comportamento geralmente benigno. Naturalmente, a presença de metástases em qualquer local piora o prognóstico, independentemente do tratamento iniciado.

Como curar o melanoma em cachorros? - Tratamento

O objetivo do tratamento do melanoma canino é controlar o tumor primário e reduzir o risco de metástase.

As três ferramentas mais eficazes para combater o tumor são a cirurgia, a radioterapia e a imunoterapia. A escolha da terapia ou combinação de terapias dependerá do estágio clínico do tumor.

  • Cirurgia: deve ser feita a ressecção cirúrgica completa com amplas margens de segurança ao redor do tumor. Sua eficácia depende do tamanho e da localização do tumor.
  • Radioterapia: embora seja uma terapia exclusivamente local/regional (não é útil para o tratamento de metástases à distância), são obtidas altas taxas de resposta, com remissões completas em 75 % dos casos. No entanto, esta terapia tem dois grandes inconvenientes: seu alto custo e o número limitado de centros de radioterapia veterinária no Brasil.
  • Imunoterapia: por meio de vacinas xenogênicas ou drogas inibidoras da ciclooxigenase-2 (COX-2). As vacinas xenogênicas aumentam a resposta imunológica do cachorro ao tumor, enquanto os inibidores de COX-2 neutralizam a superexpressão da enzima COX-2 nestes tumores.

A resposta à quimioterapia é pequena e de curta duração, por isso é frequentemente usada quando todos os outros tratamentos falham. Infelizmente, o tratamento para o melanoma canino nem sempre é eficaz, portanto, nem todos os casos são curáveis.

Raças de cachorros com tendência a ter melanomas

Embora seja uma neoplasia que pode afetar qualquer raça, incluindo os vira-latas ou cachorros sem raça definida, ela ocorre com mais frequência nas raças listadas abaixo:

Melanomas benignos

As raças com maior probabilidade de desenvolver melanomas benignos, incluindo melanomas na cabeça (exceto na boca) e nos membros dianteiros, são:

  • Manchester toy
  • Terrier australiano
  • Vizsla
  • Leão-da-rodésia
  • Chesapeake bay retriever

Melanomas malignos

Como regra geral, o melanoma maligno é mais comum em cachorros de raças pigmentadas, tais como o schnauzer ou o terrier escocês. As raças predispostas a cada tipo de melanoma maligno estão listadas em detalhes abaixo:

  • Melanoma oral: cocker spaniel inglês, setter irlandês, boxer, chow-chow e pastor-alemão. Além disso, os melanomas na cavidade oral são mais frequentes em cachorros de pequeno e médio porte.
  • Melanoma subungueal: golden retriever e setter irlandês.
  • Melanoma cutâneo: boston terrier, terrier escocês, cocker spaniel, dobermann e chihuahua.

Se algum dos sintomas de melanoma em cachorros for detectado, é essencial visitar uma clínica veterinária o mais rápido possível.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Melanoma em cães - Sintomas, características e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Problemas da pele.

Bibliografia
  • Bergman, P., Kent, M., Farese, J. (2013). Small Animal Clinical Oncology. Saunders.
  • Meuten, D. (2002). Tumors in Domestic Animals. Fourth Edition. Blackwell Publishing Company
  • Romairone, A.G., Cartagena J.C., Moise, A., Moya, S. (2019). Melanoma canino y feline. Argos; 207; 56-60

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Melanoma em cães - Sintomas, características e tratamento
Imagem: especiesveterinarios.com
1 de 2
Melanoma em cães - Sintomas, características e tratamento

Voltar ao topo da página