Partilhar

Síndrome de Horner em cães: sintomas e tratamento

Por Carolina Costa, Médica Veterinária. 5 fevereiro 2019
Síndrome de Horner em cães: sintomas e tratamento

Ver fichas de  Cachorros

A síndrome de Horner é uma condição que, geralmente, surge momentaneamente e que preocupa qualquer tutor. Se o olho do seu cão está parecendo diferente do normal e você nota que um dos olhos está caído, a terceira pálpebra está visível e saliente ou as pupilas têm tamanho diferente, estando uma mais contraída que a outra, então é provável que seja um caso de síndrome de Horner.

Se você deseja saber mais sobre a síndrome de Horner em cães, não deixe de ler este artigo do PeritoAnimal.

O que é síndrome de Horner

A síndrome de Horner é o conjunto de sinais neuro-oftálmicos que se originam da interrupção da inervação simpática de um ou ambos os globos oculares e os seus anexos.

Existem muitas causas que podem originar a síndrome de Horner. Uma vez que tem origem no sistema nervoso, qualquer região que inclui os nervos envolvidos pode ser afetada, desde o ouvido médio/interno, pescoço, tórax até porções da coluna cervical, sendo necessário verificar cada uma dessas regiões para poder descartar ou incluir suspeitas.

Assim, a síndrome de Horner pode dar origem a:

  • Otites médias e/ou internas;
  • Traumatismo por impacto ou mordidas;
  • Infartos;
  • Infeções;
  • Inflamações;
  • Massas, como abcessos ou cistos;
  • Doenças do disco vertebral;
  • Neoplasias.

Sintomas de síndrome de Horner

Os principais sinais clínicos da síndrome de Horner podem surgir isoladamente ou em simultâneo, são eles:

Anisocoria em cães

A anisocoria caracteriza-se pela assimetria do diâmetro pupilar, em particular, miose (contração) do olho afetado, ou seja, a pupila do olho afetado está mais contraída que o contralateral.

Para se avaliar especificamente a miose em cães, se recomenda que seja realizada em ambientes com pouca luminosidade, pois em ambientes com muita luz os olhos ficam muito contraídos e não permitem fazer a distinção de qual apresenta pupila contraída cachorro. Se você se pergunta se anisocoria em cães tem cura, ela é uma condição autolimitante, que se resolve por si só.

Protusão da terceira pálpebra

A terceira pálpebra está normalmente localizada no canto medial do olho, mas na síndrome de Horner pode se deslocar, se exteriorizar e ficar , podendo tapar o olho do cachorro, dependendo do nível da protusão.

Ptose palpebral

A síndrome de Horner pode originar ptose palpebral, ou seja, queda da pálpebra superior sobre o olho.

Enoftalmia

Caracteriza-se pela retração do globo ocular para o interior da órbita, ou seja, ocorre afundamento do olho.

Esta condição se deve à diminuição do tônus da musculatura periorbital que sustenta o olho. Neste caso, a visão do animal não é afetada, apesar de que o olho afetado pode não conseguir ver caso tenha a pálpebra caída associada.

Síndrome de Horner: diagnóstico

Informe o médico veterinário se o seu animal esteve recentemente envolvido em algum tipo de briga ou acidente. O veterinário deve reunir toda a informação do histórico do animal, realizar um exame físico completo e minucioso, incluindo a nível oftálmico, neurológico e otoscópico, e ainda recorrer aos exames complementares que ache necessário, como hemograma e bioquímicas, radiografia (RX), tomografia computorizada (TAC) e/ou ressonância magnética (RM).

Além disso, existe um teste farmacológico direto, denominado teste direto de Fenilefrina. Neste teste, são aplicadas uma a duas gotas de fenilefrina colírio cães em cada olho, sendo que em olhos saudáveis nenhuma das pupilas vai dilatar. Se, pelo contrário, dilatar até 20 minutos após a colocação das gotas, é indicativo de uma lesão.

Normalmente, não se descobre a causa deste problema e se diz que esta síndrome é de origem idiopática. A síndrome de Horner idiopática é muito comum em cães de raça como o Golden Retriever e o Collie, talvez devido a fatores genéticos.

Síndrome de Horner em cães: sintomas e tratamento - Síndrome de Horner: diagnóstico

Síndrome de Horner em cães: tratamento

O tratamento para síndrome de Horner em casos que seja identificada uma causa adjacente é direcionado para essa mesma causa, pois a síndrome de Horner não tem recurso terapêutico direto. Pode ser feito um tratamento sintomático com gotas de fenilefrina colocadas no olho afetado a cada 12-24 horas.

O tratamento da causa adjacente pode incluir, entre outras coisas:

  • Limpeza de ouvidos, em casos de otites;
  • Antibióticos, anti-inflamatórios ou outros fármacos;
  • Colírio para dilatar a pupila o olho afetado;
  • Cirurgia para tumores operáveis, e/ou radio ou quimioterapia.

A síndrome de Horner é um conjunto de sinais autolimitantes, ou seja, é uma síndrome com período limitado e determinado, que acaba por se resolver por si só, durando normalmente entre 2 a 8 semanas, mas pode chegar a durar alguns meses. Por exemplo, a síndrome idiopática em cães normalmente tem resolução em 6 meses.

A reversibilidade do processo está intimamente ligada à causa adjacente e à gravidade da lesão.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Síndrome de Horner em cães: sintomas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Problemas oculares.

Bibliografia
  • Corrêa, D. et al. (2014) Síndrome de Haw em Gatos. Acta Scientiae Veterinariae, volume 42, pp 1-4, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil
  • Edelmann, M.L., Keiko Miyadera, K. Iwabe, S., Komáromy, A. (2013) Investigating the inheritance of prolapsed nictitating membrane glands in a large canine pedigree. Veterinary Ophthalmology, volume 16, 6, pp 416–422
  • Grahn, B.H., Osinchuk, S. (2017) Diagnostic Ophthalmology. CVJ, Volume 58, pp995-997
  • Mazzucchelli, S.et al. (2012) Retrospective study of 155 cases of prolapse of the nictitating membrane gland in dogs. Veterinary Record, volume 170, 443
  • Penderis, J. (2015) Diagnosis of Horner’s syndrome in dogs and cats. In Practice, Volume 37, pp 107-119
  • Van Den Broek, A.H.M. (1987) Horner’s syndrome in cats and dogs: a review. J. Small Animal Practice volume 28, pp 929-940

Escrever comentário sobre Síndrome de Horner em cães: sintomas e tratamento

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
A sua avaliação:
Pedro Nunes
Obrigado por esse excelente artigo!

Síndrome de Horner em cães: sintomas e tratamento
1 de 2
Síndrome de Horner em cães: sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página