Partilhar

Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento

Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento

Ver fichas de  Gatos

A clamidiose felina é uma doença bacteriana altamente contagiosa que afeta principalmente os olhos e o trato respiratório superior, embora as bactérias causadoras também possam se alojar na genitália dos gatos. A patologia é mais frequente entre jovens felinos de rua ou aqueles que vivem em grupos, contudo, podem atingir os gatos de todas as idades, sejam mestiços ou de uma raça definida.

Se você acabou de adotar um lindo gatinho, é muito importante que procurar o seu veterinário de confiança para verificar o seu estado de saúde e descartar possíveis doenças que ameacem o seu bem-estar. Neste artigo do Perito Animal, você será capaz de conhecer as principais formas de contágio, as causas e sintomas da clamidiose felina.

Clamydophila felis

A clamidiose felina é causada por um tipo de bactéria gram-negativa chamada Chlamydophila felis. Atualmente, estima-se que cerca de 30% dos diagnósticos de conjuntivite felina estejam relacionados à clamidia. Além disso, foi reconhecido que a bactéria Chlamydophila felis geralmente age em associação com o calicivírus e o rinotraqueíte felino.

As bactérias Chlamydophilas podem permanecer inativas no meio-ambiente, mas precisam de um hospedeiro para se reproduzir. É por isso que elas entram no organismo felino, onde encontram alta disponibilidade de alimentos e um ambiente seguro. Quando entram no corpo do gato, o seu período de incubação é de 3 a 10 dias.

Por outro lado, a forma de contágio ocorre pelo contato direto com as secreções nasais e oculares de gatos infectados. Portanto, os gatos que vivem em grupos são especialmente vulneráveis ​​a essa patologia.

Anteriormente, a clamidiose era conhecida como "pneumonia felina", mas a nomenclatura não era muito precisa, já que dificilmente estas bactérias atingem os pulmões. Em geral, concentram-se nos olhos e no trato respiratório superior, causando conjuntivite constante e possível rinite.

A clamidiose se contagia de gatos para humanos?

A clamidiose não pode ser transmitida aos humanos por gatos infectados, no entanto, a transmissão é muito fácil entre os gatos. É por isso que insistimos na precaução e visita ao veterinário antes do primeiro sintoma, especialmente se acabamos de resgatar um gato de rua, o nosso gato escapou ou entrou em contato com gatos doentes.

Sintomas da clamidiose felina

O primeiro sinal visível de clamidiose felina é uma frequente descarga aquosa que pode aparecer em um ou ambos os olhos. Em geral, o globo ocular dos gatos afetados tem umidade excessiva, fazendo-o lacrimejar constantemente. Em muitos casos, a vermelhidão e o inchaço da terceira pálpebra também são observados.

Se a doença não for tratada rapidamente, a secreção aquosa torna-se cada vez mais viscosa e purulenta (cor verde típica do pus). Nesse estágio, o gato é mais vulnerável à formação de úlceras ao redor dos olhos e nas córneas, além de edema conjuntivo. Também é comum a febre, a fadiga, a perda de apetite e peso.

Em casos mais avançados, o sistema respiratório pode estar comprometido. O felino afetado pode ter secreção nasal e espirros constantes, o que geralmente é causado por uma condição de rinite. No entanto, a infecção raramente atinge os pulmões, sendo muito raras as lesões pulmonares, devido à clamidiose.

Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento - Sintomas da clamidiose felina

Tratamento para a clamidiose felina

Ao observar em seu gato qualquer um dos sintomas acima é essencial ir rapidamente ao veterinário para que indique como tratar a clamidiose felina. Na clínica, o profissional realizará os exames clínicos e complementares necessários para analisar a saúde do seu animal de estimação e reconhecer possíveis patologias. Se o diagnóstico de clamidiose felina for confirmado, o tratamento dependerá do estado de saúde e da evolução da patologia em cada felino.

Em geral, os antibióticos são essenciais para conter a reprodução e combater a bactéria Chlamydophila felis. Eles podem ser prescritos por via oral (medicamentos), por via intravenosa ou através de soluções (colírios). Lembre-se que os antibióticos devem sempre ser prescritos por um profissional médico. A automedicação é muito perigosa e aumenta a resistência das bactérias, dificultando o tratamento da Clamydophila felis.

Mesmo tomando antibióticos, os gatos afetados podem ter secreção pegajosa ou escura por dias e até semanas. Portanto, será importante limpar diariamenteos olhos e o nariz do seu gatinho até que a descarga desapareça completamente. O veterinário pode indicar alguns lenços específicos ou apenas uma gaze limpa e levemente umedecida com água salgada, ou morna.

Durante o tratamento, é essencial que o gato afetado seja separado dos outros gatos para evitar novas infecções. Também será necessário reforçar a higiene da casa e desinfetar o meio-ambiente e os objetos usados ​​pelos felinos. Lembre-se que as bactérias podem permanecer latentes em acessórios, brinquedos, caixas de areia, raspadores, etc. Cuidado com os produtos de limpeza tradicionais, pois, os produtos químicos, em sua fórmula, podem envenenar os gatos e irritar as suas membranas mucosas. O ideal é optar por desinfetantes antibacterianos "pet friendly", ou seja, feitos especialmente para residências com animais de estimação.

Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento - Tratamento para a clamidiose felina

Prevenção de clamidiose em gatos

A melhor maneira de prevenir a clamidiose felina é oferecer uma medicina preventiva adequada, um ambiente positivo e os cuidados necessários que permitam ao seu amigo peludo fortalecer o sistema imune e preservar a sua boa saúde. Para isso, é essencial realizar visitas periódicas ao veterinário a cada 6 meses, respeitar o cronograma de vacinação e a desparasitação periódica, fornecer uma dieta balanceada e mantê-lo física e mentalmente estimulado durante toda a vida. Não hesite em ir rapidamente ao profissional de sua confiança para identificar qualquer alteração na aparência ou comportamento do seu gato.

Por outro lado, a esterilização pode ser recomendada para evitar a fuga dos gatos durante o período de cio. Lembre-se que a clamidiose, assim como muitas outras doenças infecciosas, é facilmente transmitida durante as relações sexuais ou em brigas de rua.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Problemas oculares.

Escrever comentário sobre Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
A sua avaliação:
Romualda Ferreira Souza
Aqui em casa tenho um casal de gatos! No momento, estão com espirros, como a vontade de comer está diminuída, estou administrando suplemento alimentar, os espirros diminuíram! Caso não surta efeito, levarei ao veterinário! Obrigada pela dica! Bom dia!

Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento
1 de 3
Clamidiose felina - Contágio, sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página