menu
Partilhar

Ácaros em porquinhos-da-índia: sintomas, tipos e tratamento

 
Por Cristina Pascual, Veterinária. 4 agosto 2022
Ácaros em porquinhos-da-índia: sintomas, tipos e tratamento
Imagem: mascotas.facilisimo.com

Ver fichas de  Porquinho-da-índia

Os ácaros são artrópodes de tamanho pequeno capazes de parasitar uma ampla variedade de espécies animais. Entre elas estão os porquinhos-da-índia. Na maioria dos casos, os animais parasitados costumam se manter assintomáticas, sendo necessário que o animal esteja imunocomprometido para que apareçam sinais clínicos associados.

Se quiser saber mais sobre os ácaros em porquinhos-da-índia, assim como seus sintomas, tipos e tratamento, venha com a gente neste artigo do PeritoAnimal, no qual falaremos em profundidade sobre esses pequenos parasitas.

O que são os ácaros?

Os ácaros são artrópodes de tamanho pequeno pertencentes à subclasse dos aracnídeos, que não são visíveis a olho nu. Algumas espécies se adaptaram à vida parasitária, instalando-se na pele de seus hospedeiros e causando uma doença tipicamente conhecida como "sarna". Alguns deles são capazes de escavar túneis na epiderme, enquanto outros se mantém no interior dos folículos pilosos ou na superfície da pele ou do pelo.

Os porquinhos-da-índia, assim como outros roedores e lagomorfos, são especialmente predispostas a sofrer de infestações de parasitas externos, entre os quais se encontram os ácaros. Por isso, ao longo deste artigo, descreveremos as principais características desses parasitas e as alterações que eles causam nos porquinhos-da-índia.

Tipos de ácaros em porquinhos-da-índia

Uma vez explicado o que são esses parasitas, é preciso que detalhemos que tipos de ácaros podem afetar os porquinhos-da-índia. De fato, as espécies de ácaros que podem parasitar estes roedores são:

  • Trixacarus caviae: é um ácaro arador. São denominados assim devido ao fato de as fêmeas escavarem túneis ou galerias no estrato córneo da pele para pôr os ovos. As lesões que causam costumam se localizar na região do pescoço, das costas, do abdômen e da face interna das coxas.
  • Chirodiscoides caviae: é um ácaro do pelo, específico dos porquinhos-da-índia, que costuma estar localizado na região perianal, nos flancos e no tronco.
  • Demodex caviae: é um ácaro específico dos porquinhos-da-índia, que parasita os folículos pilosos. As lesões que causam geralmente são observadas com maior frequência na cabeça, nas extremidades e no tronco.

Cabe mencionar que, embora o Trixacarus caviae seja um patógeno de hospedeiro específico, já foram descritos alguns casos de infestação transitória em humanos (especialmente em crianças), em que os ácaros podem causar uma dermatite papular com coceira. De fato, esse processo é considerado uma "hemizoonose", já que, uma vez que as pessoas são infestadas, o parasita não pode ser transmitido de volta aos animais. Em outras palavras, o ser humano atua como um "beco sem saída" da parasitose.

Sintomas de ácaros em porquinhos-da-índia

As infestações por ácaros em um porquinho-da-índia costumam ser subclínicas, ou seja, não causam sintomas. Entretanto, quando os porquinhos-da-índia sofrem uma imunodepressão (queda nas defesas) por qualquer motivo, é frequente que apareçam sinais clínicos associados. De fato, os sintomas que podem ser observados nos casos de parasitoses por ácaros em porquinhos-da-índia são:

  • Ardor ou coceira muito intensa: este é o sinal mais evidente, principalmente nas parasitoses por Trixacarus caviae. Em infestações massivas, a coceira é tamanha que pode chegar a causar convulsões.
  • Alopecia: perda de pelo.
  • Descamação.
  • Eritema: vermelhidão na pele.
  • Lesões crostosas.
  • Hiperqueratose: engrossamento da pele.
  • Pelo hirsuto: pelo áspero, sem brilho.
  • Anorexia: pode ser provocada como consequência do acúmulo de pelos na boca, devido ao fato de os animais tentarem aliviar a coceira se lambendo ou se mordendo nas áreas afetadas.

Caso não seja instaurado um tratamento adequado, as lesões podem se infectar, surgindo assim uma infecção cutânea conhecida como piodermite superficial.

Como é o contágio por ácaros em porquinhos-da-índia?

Os porquinhos-da-índia podem ser infestados por duas vias:

  • Por contato direto com outros animais infectados. A transmissão das mães para suas crias durante a lactação é especialmente frequente.
  • Por contato com objetos ou utensílios contaminados, como gaiolas ou camas.

Entretanto, como já dissemos, a maioria dos porquinhos-da-índia parasitados por ácaros se mantém clinicamente saudáveis e só desenvolvem sintomatologia quando se veem submetidos a alguma situação que lhes cause imunodepressão. De fato, os fatores que podem desencadear o aparecimento da doença são:

  • Manejo inadequado
  • Alimentação inadequada
  • Frio excessivo
  • Presença de outras doenças
  • Gestação
  • Imunodepressão
  • Situações estressantes: como transportes ou mudanças de habitat

Alguns desses fatores podem ser evitados oferecendo-se ao animal os cuidados de que necessita. Por isso, te recomendamos consultar nosso artigo sobre como saber se o porquinho-da-índia está doente?

Os ácaros de porquinhos-da-índia contagiam humanos?

Sim, o ácaro Trixacarus caviae contagia os humanos, sobretudo as crianças, pessoas idosas ou com o sistema imunológico debilitado.

Como saber se o meu porquinho-da-índia tem ácaros?

Se estiver se perguntando como saber se um porquinho-da-índia tem ácaros, a resposta se encontra em um diagnóstico adequado no centro veterinário. Sendo assim, o diagnóstico dos ácaros em porquinhos-da-índia se baseia nos seguintes pontos:

  • Exploração clínica: dependendo da espécie de ácaro que parasite o animal, poderão ser observadas diferentes lesões cutâneas com distribuição corporal distinta.
  • Raspagem cutânea: deve-se tirar uma amostra da periferia das lesões e observá-la no microscópio. É empregada para o diagnóstico de Trixacarus caviae, embora possa ser difícil detectá-lo, por ser um ácaro arador, que não se encontra na superfície.
  • Fita adesiva: esse simples teste consiste em pregar um pedaço de fita adesiva sobre a pele do animal para, depois, observá-lo ao microscópio. É uma técnica eficaz para diagnosticar parasitose por ácaros superficiais, como Chirodiscoides caviae.
  • Tricograma (análise do pelo): consiste em tirar uma amostra de pelo e observá-la no microscópio. Costuma ser realizada para o diagnóstico de Demodex caviae.

Como eliminar os ácaros do porquinho-da-índia? - Tratamento

O primeiro ponto importante no tratamento de ácaros em porquinhos-da-índia é eliminar (sempre que for possível) a causa que esteja gerando a imunodepressão no animal. Para isso, se deve:

  • Revisar o manejo do animal (habitat, condições ambientais, alimentação, etc.) para detectar possíveis erros e corrigi-los.
  • Realizar uma exploração clínica completa, incluindo os testes complementares que sejam considerados oportunos, para detectar outras patologias concorrentes e instaurar o tratamento adequado.
  • Detectar mudanças recentes (novos mascotes na casa, viagens, mudanças de habitat, etc.) que possam ter causado um estresse ao animal.

O segundo ponto do manejo terapêutico consiste no tratamento farmacológico, que deve ser sempre pautado por um veterinário. Esse tratamento pode incluir:

  • Antiparasitário sistêmico: como tratamento antiparasitário, costumam ser usadas lactonas macrocíclinas (como ivermectina, selamectina ou doramectina) por via subcutânea, durante 7 dias.
  • Antiparasitário tópico: devem ser realizados banhos com amitraz a cada 7 dias, durante 4 semanas.
  • Bromociclen: o uso de bromociclen em pó ou em banhos, a cada 2 semanas, é muito efetivo nos casos de sarnas leves.
  • Diazepam: nos casos de ardência ou de coceira muito intensa, pode-se recomendar a administração de diazepam.

O último ponto se baseia na desinfecção do ambiente. Conforme mostramos, o contágio também pode ocorrer a partir de objetos contaminados, e por isso é fundamental realizar uma correta desinfecção do ambiente para evitar a infestação contínua do animal. Os tecidos que tiverem tido contato com o animal parasitado (cobertores, tapetes, pelúcias, etc.) devem ser lavados a temperatura alta (60 ºC). O restante das superfícies deve ser aspirado com um aspirador convencional. Ao terminar, é importante descartar o filtro do aspirador, já que, caso contrário, os ácaros poderão se dispersar para outras áreas da casa.

No caso de conviverem vários porquinhos-da-índia juntos, é importante isolar aqueles que apresentem a sintomatologia. Além disso, deve-se desparasitar de forma preventiva os animais que permaneçam aparentemente sadios, já que eles podem ter sido contaminados, mas permanecer assintomáticos.

Por fim, devemos reiterar a importância de manter as corretas medidas de biossegurança na hora de administrar o tratamento aos porquinhos-da-índia infestados por Trixacarus caviae, devido ao risco de transmissão às pessoas. Da mesma forma, é importante que as crianças se mantenham afastadas desses animais até a sua cura completa para evitar a zoonose.

Agora que você já sabe os sintomas e tratamento para ácaros em porquinhos-da-índia, não perca este outro artigo sobre como dar banho nesses pets.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Ácaros em porquinhos-da-índia: sintomas, tipos e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças parasitárias.

Bibliografia
  • Álvarez, M.L. (2016). Trixacarus caviae en Cobaya. Badajoz Veterinaria; 49-51
  • European Scientific Counsel Companion Animal Parasites (ESCCAP). (2017). Control de las enfermedades parasitarias y fúngicas en pequeños mamíferos domésticos. Guía nº07

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Ácaros em porquinhos-da-índia: sintomas, tipos e tratamento
Imagem: mascotas.facilisimo.com
Ácaros em porquinhos-da-índia: sintomas, tipos e tratamento

Voltar ao topo da página