menu
Partilhar

Diferenças entre répteis e anfíbios

 
Por María Luz Thomann, Bióloga e ornitóloga. 30 novembro 2021
Diferenças entre répteis e anfíbios

Os vertebrados compreendem, entre outros, os répteis e os anfíbios, que, por sua vez, fazem parte dos tetrápodes, termo que se refere à presença de quatro membros usados para se mover ou manipular. Os répteis foram os primeiros vertebrados verdadeiramente terrestres, enquanto que os anfíbios são um grupo com características transitórias entre os peixes e os répteis. Embora alguns conseguiram conquistar o meio terrestre, a maioria dos anfíbios depende da água, por isso devem permanecer perto dela.

Neste artigo do PeritoAnimal, apresentamos as diferenças entre répteis e anfíbios. Convidamos você a continuar lendo para que possa conhecer as principais características que caracterizam cada um desses grupos.

Também lhe pode interessar: Diferença entre sapo e rã

Classificação de répteis e anfíbios

Uma grande diferença entre réptil e anfíbio está em sua classificação. Em geral, a classificação dos animais não é um fato absoluto e invariável, mas que, graças aos avanços científicos, estão sendo feitas novas descobertas que permitem estabelecer mudanças na localização taxonômica dos grupos e das espécies. A seguir apresentamos, de forma geral, a classificação tradicional lineana e a cladística ou mais atual dos grupos vivos.

Répteis

É assim que os répteis são classificados de acordo com a classificação lineana:

  • Ordem Testudines (tartarugas).
  • Ordem Escamados (serpentes, cobras cegas e lagartos).
  • Ordem Esfenodontes (tuataras).
  • Ordem Crocodilia (crocodilos).

Agora a classificação cladística estabelece uma organização em função das relações evolutivas e não utiliza o termo répteis para se referir aos animais antes mencionados. Uma das formas em que esta ciência os agrupa é da seguinte maneira:

  • Lepidosauria: Sphenodon (tuataras) e Squamata (lagartos, cobras cegas e serpentes).
  • Archosauria: crocodilos e aves.
  • Testudines: tartarugas.

Anfíbios

Quanto à classificação dos anfíbios, não existem tantas divergências, pois existem acordos gerais sobre sua taxonomia e, dependendo se a classificação lineana ou cladística é seguida, os termos ordem ou clado seriam utilizados, respectivamente. Assim, temos que os anfíbios são classificados em:

  • Gimnofionos: cecílias.
  • Caudata (urodelos): salamandras e tritões.
  • Anura (salientia): rãs e sapos.
Diferenças entre répteis e anfíbios - Classificação de répteis e anfíbios

Características físicas dos répteis e anfíbios

A seguir, vamos conhecer as principais características de ambos os grupos para você entender melhor a diferença entre réptil e anfíbio.

Características físicas dos répteis

Estes são os aspectos físicos mais notáveis dos répteis:

  • O corpo é variável, em alguns de forma compacta e em outros alongado.
  • São cobertos de escamas córneas, em certos grupos há placas ósseas epidérmicas e muito poucas glândulas.
  • Os membros geralmente têm cinco dedos e são adaptados para correr, escalar ou nadar. Mas em alguns não há membros.
  • Formação óssea bem definida e desenvolvida. Possuem esterno, com exceções, e caixa torácica.
  • Apresentam cromatóforos que lhes permitem exibir uma variedade de cores.
  • A mandíbula é bem desenvolvida e conta com dentes capazes de gerar uma grande força de pressão.

Características físicas dos anfíbios

Estas são basicamente as características físicas dos anfíbios:

  • Esqueleto principalmente ósseo, vértebras variáveis e alguns têm costelas.
  • A forma do corpo é variável. Alguns possuem a cabeça, pescoço, tronco e membros bem diferenciados. Outros são bem mais compactos, com a cabeça e o tronco fundidos e sem definição do pescoço.
  • Alguns carecem de membros, são ápodes. Outros têm quatro membros bem diferenciados, embora em certos casos os anteriores são menores que os posteriores. Existem também os com dois pares de membros pequenos e sem funcionalidade.
  • Normalmente, os pés são palmados e sem unhas verdadeiras. Dependendo do grupo podem ter cinco, quatro ou menos dedos.
  • Possuem cromatóforos que lhes oferecem uma variedade de cores, bem como diversas glândulas que em alguns casos são venenosas.
  • A pele é lisa, úmida e praticamente desprovida de escamas, com exceção de alguns casos que as apresentam imersas na pele.
  • Possuem boca, geralmente grande e com dentes em ambas mandíbulas ou, às vezes, apenas na superior.
Diferenças entre répteis e anfíbios - Características físicas dos répteis e anfíbios

Reprodução dos répteis e anfíbios

Dentro das diferenças entre anfíbios e répteis encontramos as referentes ao processo reprodutivo:

Reprodução dos répteis

Os répteis que têm sexos separados possuem algum órgão para realizar a fecundação interna. Os machos possuem testículos pares que produzem o esperma, que é transportado por vasos deferentes até a evaginação presente na parede da cloaca, que constitui o órgão copulador.

As fêmeas, por outro lado, têm um par de ovários, com ovidutos que são encarregados por produzir substâncias nutritivas para o embrião e a casca protetora. Esses animais evoluíram para pôr seus ovos na terra, pois são constituídos por uma casca e membranas internas que, em conjunto, oferecem proteção e nutrição, o que permite que a postura possa ser em espaços secos.

Os recém-nascidos nascem como pulmonados e não como larvas que precisam de água. Existem alguns casos de répteis vivíparos nos quais ocorreram certas transformações para gerar uma espécie de placenta.

Reprodução dos anfíbios

Os anfíbios têm sexos separados e fecundação interna ou externa. No grupo das salamandras e cecílias, a fecundação é geralmente interna, enquanto que em sapos e rãs é geralmente externa. Nesses animais predomina a forma ovípara de reprodução, no entanto, existem casos ovovivíparos e vivíparos.

Além disso, uma característica bastante generalizada em quase todos os grupos é o desenvolvimento da metamorfose, de modo que existe uma transformação, bem marcada, entre as formas larvares e adultas. Embora existam exceções a este respeito, como ocorre no caso de certas espécies de axolotes em que os traços larvários se mantém na forma adulta, o que é conhecida como neotenia. Também em certas espécies terrestres de salamandras existe o desenvolvimento direto, ou seja, ao nascer possuem um aspecto muito semelhante ao de adulto.

A maioria dos anfíbios não precisa de um corpo d'água para colocar seus ovos, necessitam de lugares úmidos para realizar a postura, por isso utilizam folhas com água acumulada, cavam a terra onde as temperaturas apropriadas são mantidas e preserva a umidade e até certas rãs colocam seus ovos na terra e trazem águas para mantê-los hidratados.

Alimentação dos répteis e anfíbios

À princípio, é importante mencionar que tanto répteis como anfíbios têm uma diferença marcante para realizar sua alimentação. Os répteis desenvolveram uma força muito superior na mordida do que os segundos. Além disso, os répteis têm dentes mais fortes que os anfíbios. Por outro lado, embora com certas diferenças, existem espécies de ambos os grupos que possuem línguas carnudas e extensíveis que lhes permitem capturar suas presas.

Quanto ao tipo de alimentação, existem espécies de répteis herbívoras e carnívoras. Os iguanas pertencem ao primeiro grupo, enquanto os crocodilos são carnívoros. Por outro lado, os anfíbios são na sua maioria carnívoros, embora, geralmente, as formas larvais consomem matéria vegetal.

Habitat dos répteis e anfíbios

Os répteis são animais com uma ampla distribuição global. Muitos se desenvolvem em habitats terrestres, mas existem casos com hábitos arbóreos e até alguns que, embora respirem na superfície, permanecem frequentemente dentro da água.

Os anfíbios são um grupo muito difundido no planeta e, em termos de habitat, deve-se destacar que, por ser um grupo intermediário entre peixes e répteis, na maioria dos casos, de habitats aquáticos ou, pelo menos, com boa presença de umidade. Alguns anfíbios passam toda sua vida na água e também existem aqueles que transitam entre os dois ambientes. Outros, mesmo perto da água, permanecem enterrados sob a terra.

Como diferenciar os anfíbios dos répteis?

Estes são os detalhes que podemos observar para diferenciar facilmente os anfíbios dos répteis:

  • Por sua pele. Nos anfíbios não há presença de escamas e observa-se uma pele lisa e úmida. Nos répteis, as escamas são facilmente evidentes, o que oferece um aspecto seco e uma cobertura mais dura e grossa.
  • Por seus ovos. Os anfíbios os colocam em massas gelatinosas, pois não constituem uma proteção dura para eles. Os répteis, quando são ovíparos, põem ovos com cascas.
  • Por sua metamorfose. A maioria dos anfíbios realizam metamorfose, enquanto que os répteis não.

Diferenças entre arespiração de um anfíbio e de um réptil

Na fase larval, os anfíbios apresentam respiração por brânquias. No entanto, quando adultos, têm respiração pulmonar e também através da pele.

Os répteis, por sua vez, têm respiração pulmonar. Os répteis marinhos, como é o caso das tartarugas, conseguem ficar horas prendendo a respiração por meio de um mecanismo desenvolvido por eles.

Exemplos de répteis e de anfíbios

Tanto os répteis como os anfíbios são dois grupos muito diversos que, entre eles, somam milhares de espécies. A seguir, apresentamos alguns exemplos de répteis e anfíbios.

Répteis

Destacamos as seguintes espécies:

  • Tartaruga-verde (Chelonia mydas)
  • Tartaruga mediterrânea (Testudo hermanni)
  • Naja indiana (Naja naja)
  • Sucuri verde (Eunectes murinus)
  • Tuatara (Sphenodon punctatus)
  • Iguana verde (Iguana iguana)
  • Lagarto-cego-mexicano (Anelytropsis papillosus)
  • Dragão voador ou lagarto-planador-de-Sulawesi (Draco spilonotus)
  • Dragão-de-Komodo (Varanus komodoensis)
  • Crocodilo do Orinoco (Crocodylus intermedius)

Anfíbios

Estas são algumas das espécies mais conhecidas de anfíbios:

  • Salamandra comum (Salamandra salamandra)
  • Tritão alpino (Ichthyosaura alpestris)
  • Axolote mexicano (Ambystoma mexicanum)
  • Sirena maior (Siren lacertina)
  • Cecília ou cobra cega (Siphonops annulatus)
  • Sapo comum (Bufo bufo)
  • Rã dourada (Phyllobates terribilis)
  • Sapo tomate (Dyscophus antongilii)

Agora que você já viu as diferenças entre os répteis e os anfíbios, recomendamos a leitura deste outro artigo sobre os tipos de anfíbios.

Diferenças entre répteis e anfíbios - Exemplos de répteis e de anfíbios

Se deseja ler mais artigos parecidos a Diferenças entre répteis e anfíbios, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Curiosidades do mundo animal.

Bibliografia
  • Hickman, C., Roberts, L. y Parson, A. (2000). Principios integrales de zoología. McGraw Hill Interamericana.
  • Secretaría de Fauna Europea. Fauna Europaea. Disponível em: <https://fauna-eu.org/cdm_dataportal/taxon/a8e97b2e-2734-49da-bebc-1fc0481b557c>. Acesso em 25 de novembro de 2021.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Diferenças entre répteis e anfíbios
1 de 4
Diferenças entre répteis e anfíbios

Voltar ao topo da página