Partilhar
Partilhar em:

Dicas para tirar o tártaro nos gatos

Dicas para tirar o tártaro nos gatos

Ver fichas de  Gatos

Pode ser que tenha visto alguma vez sujidade na boca do seu gato ou que tenha inclusive notado um mau hálito. Isto deve-se à acumulação de tártaro nos seus dentes, pois com eles acontece exatamente a mesma coisa que conosco no que diz respeito aos problemas bucais.

Neste artigo do PeritoAnimal vamos lhe dar algumas dicas para tirar o tártaro nos gatos e, além disso, vamos lhe informar sobre o que é o tártaro e como o prevenir.

Também lhe pode interessar: Dicas para tirar o tártaro em cães

O que é o tártaro e que gatos são mais propensos a ele?

Tal como referimos no artigo com dicas para tirar o tártaro nos cães, o tártaro é composto por cálculos formados por resíduos nos dentes dos nossos pets. Estes resíduos que se acumulam formam os cálculos do tártaro, são uma mistura de placa bacteriana, restos de alimentos e sais minerais que se vão acumulando ao longo da vida na boca dos nossos gatos diariamente. O tártaro cria-se sobretudo no espaço entre os dentes e as gengivas. Se não se tratar a tempo, vai se estendendo pelas restantes estruturas bucais, afetando-as e inclusive derivando em infecções e doenças secundárias mais graves.

Como qualquer outra doença, é preferível prevenir o tártaro e suas consequências que ter que tratar o nosso amigo peludo com problemas na boca, pois só se podem resolver totalmente submetendo o felino a uma anestesia geral para realizar uma limpeza de boca profissional feita pelo veterinário, além do tratamento com medicamentos necessário em cada caso.

Todos os gatos podem sofrer de tártaro e suas consequências, mas alguns dependendo da sua saúde ou idade são mais propensos:

  • Os gatos a partir dos três anos costumam acumular tártaro. Isto acontece porque aos três anos de vida já estão há muito tempo acumulando os elementos anteriormente citados necessários para a produção do tártaro. Se não a ajudarmos a ir eliminando estes elementos nocivos acumulados na sua boca, em pouco tempo notaremos sintomas e podemos detetar doenças e problemas derivados do tártaro acumulado.
  • Dependendo da qualidade dos dentes do felino pode ser que desde muito jovem já tenha tártaro. Acontece o mesmo com as pessoas, pois se geneticamente os dentes do indivíduo forem pobres na camada externa e protetora chamada esmalte, os resíduos ficarão facilmente aderidos na superfície dos dentes e rapidamente se desenvolverão problemas. Os cuidados da boca dos animais que sofrem deste defeito genético é muito importante, pois eles próprios não podem proporcionar a limpeza constante e necessária, sendo muito complicado manter a sua boca saudável sem o devido acompanhamento.

Que consequências pode ter o tártaro para o gato?

A má higiene bucal e a acumulação de tártaro nos nossos pets podem trazer muitos problemas e doenças. Estas são as mais comuns:

  • Mau hálito ou halitose: É o primeiro sintoma que costuma nos alertar de que se está produzindo acumulação de tártaro na boca do nosso gato. Trata-se de mau odor proveniente da decomposição dos resíduos de alimentos acumulados entre os dentes e as gengivas. Pode detetar-se a uma certa distância do nosso pet quando o problema começar a estar avançado. Devemos consultar o nosso veterinário para fazer uma revisão bucal ao nosso gato e nos aconselhar sobre qual é a melhor forma de o ajudar a tratar a halitose e a evitar que se forme tártaro, uma vez que se não o fizermos, em pouco tempo o problema continuará a piorar e pode derivar em outras doenças.
  • Gengivite: Esta doença começa a ocorrer quando começa a presença de tártaro na boca dos nossos felinos domésticos. As gengivas ficam inflamadas, avermelhadas e com o passar dos dias vão-se retraindo e, por fim a raiz do dente afetado fica descoberta. Isto pode ser bastante doloroso para eles e devemos proporcionar-lhe o tratamento prescrito pelo nosso veterinário de confiança quando detetarmos algum sintoma. Se não o fizermos logo, a raiz do dente exposta vai se deteriorando rapidamente e se reabsorve. Quando a união entre a peça dental e o osso da mandíbula ou do maxilar se enfraquece tanto, acaba-se dando a perda total da peça dental afetada e a exposição do osso a infecções secundárias.
  • Doença periodontal: Esta doença enquadra-se nas duas anteriores e continua avançando na deterioração das estruturas bucais do animal, pelo que as peças dentais restantes continuam se deteriorando, para além das suas raízes, o maxilar, a mandíbula, etc. Quando ocorre a perda das peças dentais que foram afetadas produzem-se infecções secundárias nas gengivas e nos ossos da mandíbula e do maxilar. O que começa com tártaro, halitose e gengivite acaba sendo um problema muito grave que pode causar a morte do animal. Além disso, os felinos que sofrem desta doença podem deixar de comer facilmente, de fato trata-se de um dos sintomas que mais nos alertam no comportamento de um animal afetado da doença periodontal. A única forma de combater esta doença devidamente é detetá-la o quanto antes, realizar uma limpeza de boca profissional junto com um tratamento antibiótico e anti-inflamatório, além de um seguimento adequado. Tudo isto deverá ser realizado por um veterinário, pois a higiene oral profissional deve se realizar sob anestesia geral e com instrumentos adequados, e apenas um veterinário saberá exatamente qual será o tratamento adequado.
  • Infecções secundárias: Todos os problemas e doenças anteriormente descritas se não se tratarem a tempo e devidamente acabam por provocar infecções secundárias graves nos nossos amigos peludos. Estas infecções costumam ser muito graves, podem derivar em problemas cardíacos, intestinais, hepáticos e renais, pelo que correm um risco de morte. As infecções secundárias que começam nas gengivas ou nos ossos da mandíbula ou do maxilar, causam abcessos que continuam avançando pelos tecidos da boca e que acabam por afetar o focinho, nariz e olhos do nosso pet.

Como podemos prevenir o tártaro nos felinos domésticos?

Como referimos antes, é melhor prevenir o tártaro e as doenças que derivam dele que permitir que o nosso felino sofra delas e ter que o tratar. Estes problemas nos nossos amigos peludos podem ser prevenidos seguindo algumas orientações de higiene oral e mantendo uma boa saúde. Tal como fazemos conosco, uma boa escovação dental, um enxaguante bucal, conferir que alimentos comemos entre outras coisas que nos podem ajudar a evitar o tártaro e tudo o que isso implica. Como vê, na saúde bucal não somos assim tão diferentes como a dos nossos amigos de quatro patas.

Prevenindo o aparecimento do tártaro não só eliminaremos a possibilidade de uma série de doenças derivadas e suas consequências, mas também evitaremos uma grande dor ao nosso amigo e inclusive evitamos anestesias e tratamentos com medicamentos.

Algumas formas de prevenir o aparecimento do tártaro são:

  • Escovação diária: Devemos escovar diariamente os dentes do nosso companheiro tal como fazemos conosco. É melhor habituá-los desde pequenos para que se adaptem e o processo seja mais simples. Deve escolher uma escova de dentes adequada e uma pasta dentífrica especial para gatos. Mas para a frente contamos-lhe de forma detalhada como deve levar a cabo esta escovação dental no seu pet.
  • Brinquedos e prêmios especiais: Existem brinquedos, biscoitos, ossos e rações especiais que simplesmente com o fato de brincar ou mastigar, os nossos gatos limpa a boca eles próprios e de forma muito simples ao mesmo tempo que gratificante para eles. Estes prêmios e brinquedos são compostos por elementos abrasivos para a placa bacteriana que forma na superfície dos dentes do nosso gato. Assim conseguimos evitar a formação de tártaro, e no de já o ter, ajudamos a amolecê-lo e a eliminá-lo. Alguns destes materiais são brinquedos de borracha ou de corda, barras, tiras, biscoitos, ração com ação oral care e ossos, que podemos encontrar à venda em lojas de animais e centros veterinários.
  • Manutenção de uma boa saúde física: É fundamental que o nosso amigo tenha sempre uma boa saúde e se tetarmos sintomas de qualquer coisa o levemos ao veterinário. Para manter uma boa saúde é essencial oferecermos ao nosso gato uma alimentação adequada às suas caraterísticas, saudável e equilibrada. Além disso, devemos tentar que faça exercício suficiente para se manter ágil, ativo e saudável. Tudo isto nos ajudará a manter muitas doenças e problemas longe do nosso companheiro de quatro patas.
  • Observação de sintomas: Como prevenção de problemas e doenças mais graves, é fundamental que sempre que detetar algum sintoma que possa indicar problemas na boca do nosso gato, vá ao veterinário de imediato. Alguns dos sintomas e comportamentos mais comuns são:
  1. Mau hálito excessivo. A halitose não é apenas causada pelo tártaro acumulado, a gengivite ou a doença periodontal. Por isso, é muito importante ir ao veterinário quando detetar halitose no seu gato. Existem outras doenças, como por exemplo as do sistema digestivo que podem provocar mau hálito. Além da diabetes, os problemas renais e a parasitoses são outros problemas que podem causar este mau hálito no nosso pet.
  2. Salivação abundante.
  3. Coçar-se na cara ou na boca com frequência com as patas e contra objetos como sofás, paredes, móveis, etc, sem que nos parece à partida que tem algo que o pode estar incomodando.
  4. Depressão (falta de vontade de comer, brincar, mexer-se, etc.).
  5. Deixe de comer ou muda a forma como o faz.
  6. Falta de dentes que sabemos que há relativamente pouco tempo estavam lá.
  7. Tártaro entre as gengivas e as peças dentais.
  8. Perda da qualidade dos dentes com descoloração, quebra das petas, etc.
  9. Gengivas inflamadas, a sangrar e avermelhadas.
  10. Nódulos, pólipos ou abcessos na boca do nosso gato.
  11. Nos casos avançados da doença periodontal observamos nódulos e abcessos debaixo dos olhos.

Conselhos para prevenir e tirar o tártaro da boca do gato

No PeritoAnimal queremos dar-lhe conselhos úteis para que possa ajudar o seu fiel companheiro a prevenir doenças na boca e a combatê-las no caso de terem aparecido:

  • Habituá-lo à escovação dos dentes. É muito melhor se o pudermos fazer todos os dias, mas se não for assim, com uma média de três vezes por semana é o suficiente para manter o tártaro afastado. O processo mais fácil para conseguir que o nosso felino se habitue a uma escovação diária dos seus dentes é começando a ensinar-lhe desde pequeno. Quando ainda for filhote devemos passar uma gaze esterilizada molhada com água e enrolada no nosso dedo suavemente pela superfície dos dentes todos os dias. Mais para a frente, quando já estiver habituado devemos começar a ensinar-lhe a escovar os dentes e a usar a pasta dentífrica especial para gatos para que se familiarize com eles. Depois devemos utilizar a escova ao invés da gaze e a pasta dos dentes ao invés da água. Devemos fazer o mesmo, passar suavemente pela superfície dos dentes todos os dias. No início pode fazer escovações mais cutas e pouco a pouco ir tornando-as mais compridas conforme o seu companheiro se for habituando. Como os gatos engolem a pasta dos dentes ao invés de a cuspir como nós, devemos usar uma pasta especial para gatos que se vendem em lojas de animais e nos centros veterinários. Trata-se de uma pasta de dentes que não contém flúor, que é altamente tóxico para eles e por isso, nunca devemos utilizar uma pasta de dentes para humanos. Além disso, existem de diferentes sabores pensados para que a pasta seja agradável para os felinos domésticos. Se preferirmos não utilizar pastas dentífricas podemos utilizar clorexidina que se vende em spray nos centros veterinários e em lojas especializadas. Este produto é como o nosso enxaguante bucal que serve para limpar, desinfetar, amolecer cálculos do tártaro e melhora o hálito. Devemos pensar em que escova é a mais adequada para o nosso gato, pode ser uma para crianças ou pode ir a lojas de animais e comprar uma que se adeque melhor ao nosso amigo peludo.
  • Ensine o seu amigo felino a ter bons hábitos alimentares. Sabemos que muitos gatos gostam de comer patês, mousses e outras latas de comida macia, que por conseguinte são deliciosas mas não são o melhor para a saúde dental. Devemos pensar que o alimento úmido e macio se acumula muito facilmente nos cantos da boca dos gatos e torna-se complicado eliminar estes restos. Por isso, é melhor habituarmos o nosso animal de companhia a comer ração seca que ajudará a limpar os dentes arranhando a superfície destes. De vez em quando, como prêmio podemos oferecer-lhe latas de comida macia, mas nunca como comida de base ou única.
  • Brinquedos e prêmios especiais. Trata-se, como referimos antes, de bolas, cordas e outros brinquedos, barras, ossos, tiras e ração entre outros, com uns componentes abrasivos para as bactérias da placa dental. Pode comprá-los ou pode fazê-los você mesmo em casa. Estes tipos de brinquedos e prêmios costumam ser do agrado dos nossos pets, pelo que se convertem em ideais pela sua completa função de diversão, alimento e cuidado buco dental. São muito úteis os brinquedos de corda, uma vez que ao mastigá-los o nosso gato estará fazendo o mesmo que nós com o fio dental, mas devemos vigiá-lo enquanto isso para ter a certeza que não engole os fios por acidente, pelo que se vir que a corda do brinquedo já está em mau estado, deverá substituir por outro brinquedo novo.
  • Limpeza de boca profissional: No caso do tártaro se chegar a acumular bastante e virmos que já não podemos eliminá-lo nem com a escova normal, com a pasta de dentes ou a clorexidina, com uma dieta ou com brinquedos, etc, só nos resta consultar um veterinário, pois passa a ser necessária a sua intervenção para parar o processo a tempo de se desenvolverem outras doenças secundárias mais graves como as referimos antes neste artigo. Se já se tratar de uma doença periodontal também devemos começar o tratamento para a curar com uma boa higiene dental profissional. O veterinário deverá realizar uma limpeza de boca ao nosso gato sempre sob anestesia geral, com a ajuda de um anestesista e de um auxiliar veterinário. Com este processo irá se eliminar o tártaro, os resíduos dos alimentos, a placa bacteriana e os sais minerais, com instrumentos específicos para eles como os ultra-sons que servem para fracionar as placas de tártaro sem lesionar o esmalte da peça dental. Durante o processo se houver algumas peças dentais muito danificadas podem chegar a perder-se por serem irrecuperáveis. Estes dentes continuam na boca por terem ficado aderidos ao tártaro, mas já há algum tempo que deixaram de ser funcionais e se os deixarmos ficar aí acabarão por produzir nódulos e abcessos seguidos de infecções.
  • Aproveite as anestesias gerais às quais tenha que submeter o seu gato por obrigação. Pode ser que devido a outros temas de saúde ou por uma simples esterilização, sejamos obrigados a submeter o nosso animal a uma anestesia geral. Como já sabemos, não é saudável estar sob anestesia geral, pelo que se acha que o seu companheiro precisa de uma higiene buco dental realizada pelo especialista, será responsável comentar isso com seu veterinário para saber se na mesma operação se pode realizar uma limpeza de boca profissional.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Dicas para tirar o tártaro nos gatos, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Higiene dental.

Comentários (0)

Escrever comentário sobre Dicas para tirar o tártaro nos gatos

Muito útil

Dicas para tirar o tártaro nos gatos
1 de 5
Dicas para tirar o tártaro nos gatos