Partilhar

Diabetes em gatos - Sintomas, diagnóstico e tratamento

Vanessa Lopes
Redatora do PeritoAnimal
Diabetes em gatos - Sintomas, diagnóstico e tratamento

Ver fichas de  Cachorros

A diabetes é uma doença que requer bastantes cuidados e controlo para permitir ao paciente seguir uma vida normal, e não afeta apenas os seres humanos, mas também várias espécies animais, como os felinos.

No PeritoAnimal sabemos que quando há suspeitas de que o seu gato sofre de diabetes pode se sentir preocupado e angustiado, pelo que lhe vamos oferecer um guia sobre os aspetos mais relevantes sobre esta doença.

Se quer saber tudo sobre a diabetes em gatos, sintomas, diagnóstico e tratamento, continue lendo este artigo.

O que é a diabetes felina?

Trata-se de uma doença que a cada dia afeta mais gatos ao redor do mundo, sobretudo os de casa. Consiste na impossibilidade que desenvolve o organismo do felino de processar corretamente a glicose e outros compostos orgânicos presentes nos alimentos, necessários para a saudável reprodução das células e a obtenção de energia.

Esta impossibilidade ocorre por uma falha na produção de insulina, um hormônio gerado no pâncreas que é responsável por processar a glicose que entra no sangue.

Neste sentido, existem dois tipos de diabetes:

  • Tipo 1: ocorre quando o próprio corpo do felino se responsabiliza por destruir os depósitos onde produz a insulina, pelo que não se obtém a quantidade necessária desta hormona.
  • Tipo 2: o pâncreas trabalha na perfeição liberando insulina, mas o corpo do felino resiste a ela, pelo que não permite à hormona trabalhar corretamente. Este é o tipo mais frequente nos gatos.

Ao não processar a glicose, o corpo do gato fica sem a energia necessária para seguir uma vida normal, pelo que começa a tomar essa energia de outras células, o que desencadeia diversos problemas de saúde.

Causas da diabetes em gatos

Existem alguns fatores que fazem com que o seu gato seja mais propenso a desenvolver diabetes, como os seguintes:

  • A obesidade (mais de 7 quilos);
  • A idade;
  • A disposição genética;
  • A raça (o Birmanês sofre mais de diabetes que outras raças);
  • Sofrer de pancreatite;
  • Sofrer do síndrome de Cushing;
  • O uso de esteroides e corticoides em algum tratamento médico.

Além disso, os gatos machos castrados costumam sofrer de diabetes em maior proporção que as fêmeas.

Causas da diabetes em gatos

Quais são os sintomas da diabetes em gatos?

  • Sede excessiva.
  • Apetite voraz.
  • Diminuição de peso.
  • Aumenta na frequência de urinar, assim como na abundância da mesma.
  • Letargia.
  • Má aparência do pelo.
  • Vômitos.
  • Descuido na higienização.
  • Dificuldade para saltar e caminhar, ocorrendo uma debilidade produzida pela degeneração muscular, que faz com que o felino não se apoie sobre as patas mas sim sobre nos jarretes de trás, a área que se assemelha aos cotovelos humanos.

Estes sintomas da diabetes nos gatos podem não ocorrer todos juntos, mas perante 3 deles é necessário consultar o veterinário para determinar se se trata de diabetes ou de alguma outra doença.

Com a diabetes, pode ser que o seu gato consuma uma maior quantidade de alimento e mesmo assim diminua de peso rapidamente, pelo que este sintoma é inconfundível.

Se a doença não for tratada e controlada, podem ocorrer complicações, tais como retinopatia diabética, que provoca problemas na vista e até cegueira; neuropatia e hiperglicemia, que se trata de uma acumulação constante de elevados níveis de açúcar no sangue.

Além disso, é necessário estar atento a possíveis desenvolvimentos de infecções urinárias, insuficiência renal e problemas hepáticos.

Quais são os sintomas da diabetes em gatos?

Como se realiza o diagnóstico?

Quando se trata de diabetes em gatos, os exames de sangue e urina são necessários para determinar o nível de açúcar no sangue do seu felino. No entanto, para muitos gatos a viagem ao veterinário pode ser uma experiência estressante, pelo simples fato de ter de sair de casa. Quando isto acontece, é provável que o exame de sangue mostre resultados sobre os níveis de glicose que não são 100% seguros.

É por isso que, após um primeiro exame feito pelo veterinário, recomenda-se recolher em casa uma amostra de urina passados alguns dias, quando o gato estiver relaxado no seu ambiente natural. Deste modo, poderá obter-se um diagnóstico mais preciso.

Além disso, recomenda-se também realizar um exame destinado a medir a presença de frutosamina no sangue, análise determinante na hora de comprovar se se está ou não perante um gato com diabetes.

Como se realiza o diagnóstico?

Qual é o tratamento?

O tratamento da diabetes felina está destinado a manter sob controle os sintomas que afetam a vida normal do gato, assim como também evitar complicações e prolongar a vida do animal, assegurando-lhe uma existência saudável.

Se o seu gato sofre de diabetes tipo 1, o tratamento requer injeções de insulina, que deverá administrar-lhe diariamente. Se, pelo contrário, tiver sido diagnosticado com diabetes tipo 2, o mais importante será introduzir uma mudança drástica na dieta, e talvez sejam necessárias ou não algumas injeções de insulina, tudo dependerá de como evoluir o paciente.

Uma mudança na dieta do gato diabético está focada em reduzir os níveis de glicose presentes no sangue. Não é segredo para ninguém que a maioria das comidas processadas para felinos que se comercializam hoje em dia contêm grandes quantidades de carboidratos, quando na realidade a alimentação dos gatos deve estar baseada em proteínas.

É por isso que a alimentação dos gatos diabéticos se baseia em reduzir ao mínimo a quantidade de carboidratos que o seu pet consome, aumentando os seus níveis de proteínas, seja com alimentos que você preparar em casa ou com comida úmida para gatos.

Em relação às injeções de insulina, apenas o veterinário poderá determinar a dose exata que o seu gato precisa. Deverá ser administrada um máximo duas vezes por dia sobe a pele do pescoço. A ideia do tratamento com insulina é proporcionar ao felino as ferramentas necessárias para que o seu corpo realize as funções com a maior normalidade possível, evitando complicações.

As instruções do veterinário em relação à dose de insulina e à frequência da mesma devem ser cumpridas à risca para que o tratamento seja eficaz. Antes de chegar a uma dose definitiva, o gato precisa de ser monitorizado durante um certo tempo para determinar o comportamento dos seus níveis de glicose.

Também existem medicamentos orais chamados de hipoglicemiantes que se utilizam para substituir a insulina, mas apenas o veterinário poderá indicar-lhe qual dos dois tratamentos é o mais indicado para o seu gato.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Diabetes em gatos - Sintomas, diagnóstico e tratamento, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Outros problemas de saúde.

Escrever comentário sobre Diabetes em gatos - Sintomas, diagnóstico e tratamento

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
3 comentários
marcos vitor jahn
Tenho uma gata castrada que está com 10 anos, e ela bebe muita água. Notei que a urina dela está pegajosa. Ela volta e meia come capim, bebe água, e depois vomita uma espuma. Ela também é muito medrosa; qualquer barulho diferente ela sai correndo para se esconder. Costuma se coçar e se lamber bastante, e solta pelos.
Isso tudo é só stress, ou ela pode estar com diabetes?
Mariana Castanheira (Editor/a de PeritoAnimal)
Oi Marcos! A única forma de saber se é alguma doença, como a diabetes, é fazendo as devidas provas. O que aconselhamos é que visite o seu médico veterinário habitual para garantir que está tudo bem com ela.
Aparecida Feliciano
Olá. Tenho uma gatinha, ela tem 13 anos de idade, mas sempre cuidei muito, fiz vacinas, visitas a veterinários. Porém, notei que ela estava bebendo muita água e urinando muito....levei para uma clínica, lá ela ficou para fazer os exames, enfim, foi constatado que ela está com diabete. Aí os valores de referência é de 219-347 e ela ficou com 426,02. Aí deram alta para ela, mas agora ela não está querendo comer a ração de diabéticos e está bebendo menos água e urinando menos e etá muita magrinha. Aí penso que já poderia ter entrado com a insulina, mas os doutores irão ver somente no dia 04 no retorno a quantidade de insulina a ser ingerida e estou com medo que ela não sobreviva até lá.... .
Mariana Castanheira (Editor/a de PeritoAnimal)
Oi Aparecida! Se ela não se está alimentado peça para que os veterinários a consultem antes de dia 4! Ou como mínimo ligue para eles para que lhe digam uma alternativa para que ela se alimente, como alguma comida úmida ou comida caseira indicada e autorizada pelos médicos que estão acompanhando o caso.
Maria Solange da Silva da Silva
tenho um gato que é velhinho, não sei ao certo a idade dele, não é castrado, e a quatro meses atrás adoeceu, teve uma infecção respiratória e a veterinária suspeitou de diabetes. mediu tres dias seguidos e só dava alto.
bem, melhorou da infecção e sosseguei por enquanto, mas fiquei preocupada com essa suspeita dela. ele é gordo. o que faço?
Nídia do Carmo (Editor/a de PeritoAnimal)
Oi Maria! Nesse caso, apenas o veterinário poderá recomendar um tratamento adequado para o seu gatinho. Rápidas melhoras!

Diabetes em gatos - Sintomas, diagnóstico e tratamento
1 de 4
Diabetes em gatos - Sintomas, diagnóstico e tratamento
Voltar ao topo da página