menu
Partilhar

Raças de cães de terapia

Por Marta Sarasúa, Etóloga e auxiliar veterinária. 19 novembro 2021
Raças de cães de terapia

Ver fichas de  Cachorros

As Terapias Assistidas por Animais (TAA) são um recurso cada vez mais demandado por diferentes instituições. Atualmente, é comum encontrar atividades recreativas, terapêuticas e/ou educativas assistidas por cães na programação de escolas, lares, escolas de educação especial, centros penitenciários e até mesmo hospitais, isso graças à enorme quantidade de benefícios que a presença de um cachorro traz nestes contextos.

A terapia assistida por cães é um tipo específico de TAA onde os caninos se tornam co-terapeutas durante as sessões para ajudar os usuários a melhorar suas funções físicas, emocionais, cognitivas e/ou relacionais, dependendo do caso. Se você quer saber mais sobre o trabalho dos cães de terapia e seus benefícios, neste artigo do PeritoAnimal nós te contamos tudo sobre eles. Você verá que qualquer cachorro pode ser treinado para este tipo de trabalho, mas algumas raças, em especial, são as mais utilizadas no mundo. Boa leitura.

Também lhe pode interessar: Raças de cachorros anões

O que é um cão de terapia?

Um cão de terapia é um animal que foi cuidadosamente selecionado, avaliado e treinado para acompanhar o profissional de saúde durante as sessões de terapia e para desempenhar um papel de apoio nessas sessões. Estes tipos de terapia são perfeitamente estruturadas e adaptadas às necessidades de cada paciente e, além disso, são intervenções geralmente de longa duração, o que permite que muitos pacientes estabeleçam uma forte ligação com o cão de terapia que os acompanha durante as sessões.

Por sua vez, o cachorro é responsável por fornecer uma ajuda inestimável para aumentar a atenção e a motivação dos pacientes, aumentar sua confiança e otimismo e reduzir o estresse que a terapia pode frequentemente causar, especialmente para aqueles que têm que reviver episódios traumáticos ou dolorosos durante as sessões.

Beneficíos das terapias com cães

Desde que começamos a viver juntos milhares de anos atrás, os humanos estabeleceram uma enorme ligação afetiva com os cães, o que para muitos significou uma melhoria inquestionável em termos de bem-estar e qualidade de vida. Os benefícios da companhia de cães são conhecidos e valorizados há séculos, pois sabemos agora que, desde a Grécia antiga, os cães eram levados aos templos de cura para ajudar os pacientes a se recuperarem mais rapidamente. Desde o final do século XX (e especialmente durante os últimos anos), a quantidade de pesquisas científicas sobre os benefícios das terapias assistidas por animais, incluindo a terapia com cães, tem aumentado enormemente.

Graças ao grande número de estudos disponíveis, podemos afirmar que ter um cão na equipe de terapia traz aos pacientes, entre muitas outras, as seguintes vantagens:

  • Melhora as habilidades sociais e comunicativas e encoraja a iniciativa de se juntar a atividades de grupo.
  • Aumenta a auto-estima, a autoconfiança e o sentimento de otimismo.
  • Aumenta a concentração e a capacidade de atenção.
  • Melhora a coordenação motora em pacientes com dificuldades de movimento.
  • Reduz o ritmo cardíaco e a pressão arterial, facilitando um estado de relaxamento e reduzindo os níveis de estresse e ansiedade.

Características de um cão de terapia

Em muitos casos, como acontece com cães de companhia ou cães-guia, os cachorros que serão treinados como animais de terapia nascem e já são criados desde cedo em centros especializados, onde profissionais são responsáveis por selecionar e reforçar traços específicos de personalidade, bem como fornecer aos cachorros a estimulação e educação apropriadas desde muito cedo. No entanto, um cão de terapia não tem necessariamente que seguir esse modelo. De fato, qualquer cachorro que atenda a uma série de características pode ser treinado para se tornar um cão de terapia, independentemente de seu tamanho, idade, raça ou onde nasceu.

As principais características de um cão de terapia são as seguintes:

  • Boa socialização. Em primeiro lugar, é essencial que o animal tenha sido devidamente socializado desde filhote e tenha tido experiências positivas tanto com pessoas quanto com outros animais, sons e objetos. A boa socialização permite ao cachorro, ao atingir a maturidade, ser muito autoconfiante e não desenvolver medos ou fobias em face do desconhecido. Neste outro artigo, explicamos como socializar um cachorro corretamente.
  • Habituação ao manuseio. Por outro lado, o cão de terapia deve estar acostumado a todo tipo de manuseio e é importante que ele desfrute de companhia e contato humano, já que, durante as sessões, é normal que os pacientes queiram tocar o animal e, em muitos casos, vão acariciá-lo, escová-lo ou apoiar-se nele como parte da terapia.
  • Interesse em aprender. Obviamente, os cães de terapia devem ser treinados usando uma metodologia respeitosa baseada em reforços positivos, portanto, o nível de motivação do cachorro e seu interesse em reforços como brinquedos ou alimentos deve ser levado em consideração. Alguns cães adoram treinar e gostam de aprender novos truques, mas outros não são tão interessados e, neste caso, nunca devem ser forçados a interagir com os pacientes se não o desejarem fazer.

Por último, mas não menos importante, o terapeuta ou adestrador que está encarregado de orientar o cão durante a terapia deve ter amplo conhecimento da linguagem e comportamento do cão e certificar-se de que o animal esteja confortável e em perfeita saúde, tanto física quanto emocionalmente, durante cada sessão.

Raças de cães de terapia

Não existe nenhuma raça específica para ser um cão de terapia. Como já falamos anteriormente, qualquer cachorro pode ser treinado para este trabalho, já que o que importa é seu temperamento e a educação que recebe.

Entretanto, é verdade que algumas raças mostram uma tendência genética a ter certos traços de personalidade desejáveis que podem facilitar o processo de treinamento e posterior adaptação às sessões terapêuticas. Assim, as raças de cães de terapia mais comuns são as seguintes:

  • Labrador retriever
  • Golden retriever
  • Poodle
  • Pastor alemão
  • Cavalier king charles spaniel

Vamos falar detalhadamente sobre cada uma dessas raças a seguir:

Labrador retriever

Esta raça muito famosa de cachorro é provavelmente a mais utilizada em todo o mundo para trabalhos de ajuda e assistência social por várias razões. Sua natureza alegre e sociável faz com que os labradores gostam de companhia, tanto humana quanto canina, e sua grande motivação para treinar e aprender novas habilidades é outra grande vantagem quando se trata de prepará-los como cães de terapia. Além disso, eles são de tamanho ideal para que os pacientes possam interagir com eles sem machucá-los

Raças de cães de terapia - Raças de cães de terapia

Golden retriever

O golden retriever tem uma origem, tamanho e temperamento muito semelhantes aos do labrador e é, sem dúvida, outra das raças estrelas quando se trata de terapias assistidas por cães. É um cão nobre, paciente, calmo e muito inteligente, ideal para participar de terapias com adultos, bem como com crianças e idosos. Além disso, diz-se que o golden retriever tem uma sensibilidade especial para capturar as emoções humanas e responder a elas.

Poodle

Algo que nem todos sabem é que os poodles são considerados como uma das raças mais inteligentes e adequadas para o trabalho como como cães de terapia. Suas características físicas e comportamentais fizeram deles um cão de trabalho ideal e também é muito comum encontrar cruzamentos de poodles com labradores (labradoodle) e golden retrievers (goldendoodle) atuando como co-terapeutas em diferentes tipos de terapias, de modo que, como podemos ver, cães de raça mista também são perfeitos para terapia assistida.

Pastor alemão

Devidamente socializados e educados, os pastores alemães são versáteis que ficam totalmente envolvidos em todas as tarefas para as quais são treinados. Eles são cães muito populares e adorados, extremamente inteligentes e muito obedientes.

Cavalier king charles spaniel

Talvez menos conhecido, este pequeno cão de origem inglesa é caracterizado por ser muito familiar e carinhoso. Sua simpatia e caráter lúdico fizeram dela uma raça de cães de terapia ideal para terapia com crianças, idosos ou, em geral, com aqueles pacientes que podem sentir um certo medo ou insegurança em relação a cães maiores.

Agora que você já conhece o que é um cão de terapia e viu as raças mais utilizadas para este trabalho, talvez possa te interessar este outro artigo sobre terapia para idosos com animais.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Raças de cães de terapia, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Os mais....

Bibliografia
  • LUCENA DE SOUZA, Nathânia Kaliery. Terapia facilitada por cães: estudo de caso. Disponível em: <https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/3942/1/NKLS11042018.pdf>. Acesso em 18 de novembro de 2021.
  • Estadão. Universidade oferece terapia com cães para estudantes. Disponível em: <https://emais.estadao.com.br/noticias/comportamento,universidade-oferece-terapia-com-caes-para-estudantes,70002975207>. Acesso em 18 de novembro de 2021.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
A sua avaliação:
Emerson
adorei seu conteúdo!

Raças de cães de terapia
1 de 6
Raças de cães de terapia

Voltar ao topo da página