Partilhar

Dimorfismo sexual - Definição, curiosidades e exemplos

 
Por Ana Diaz Maqueda. 22 fevereiro 2021
Dimorfismo sexual - Definição, curiosidades e exemplos

A procriação através da reprodução sexual é, na maioria dos casos, altamente benéfica, mas a principal característica desta estratégia reprodutiva é a presença necessária de dois sexos. A competição por recursos, o risco de predação, os gastos energéticos envolvidos na busca e cortejo de um parceiro fazem com que muitas espécies animais tenham evoluído para facilitar este processo.

Neste artigo do PeritoAnimal falaremos do dimorfismo sexual - definição, curiosidades e exemplos abordando quais os fatores que o provocam e qual sua função têm de acordo com as diferentes espécies. Boa leitura.

Também lhe pode interessar: Comensalismo - Definição, tipos e exemplos

O que é dimorfismo sexual

O dimorfismo sexual são as características que diferenciam um sexo do outro entre animais e plantas. Como conceito definido pelo homem, somente as espécies cujos machos e fêmeas podemos diferenciar a olho nu possuirão dimorfismo sexual. Se este dimorfismo for determinado apenas por feromônios ou odores emitidos pelos diferentes gêneros e não por uma característica visual, ele não será chamado de dimorfismo.

O dimorfismo sexual expresso como diferenças de tamanho e morfologia entre os sexos é generalizado no reino animal. Charles Darwin notou isso e tentou dar uma explicação através de várias hipóteses. Por um lado, ele disse que o dimorfismo sexual era destinado à seleção sexual, sendo o dimorfismo uma vantagem, por exemplo, para os machos competindo entre si pelas fêmeas. Outra hipótese que complementa a anterior é que o dimorfismo sexual, além de servir à seleção sexual, pode ter evoluído como uma competição de alimentos ou recursos em geral.

Deve-se levar em conta que em muitos casos este dimorfismo sexual torna o indivíduo que o carrega mais chamativo e, portanto, mais propenso a ser vítima de presas.

Dimorfismo sexual - Definição, curiosidades e exemplos - O que é dimorfismo sexual

Fatores que provocam o dimorfismo sexual em animais

O principal fator que causa o dimorfismo sexual é a genética, geralmente expressa pelos cromossomos sexuais. Na maioria dos casos de dimorfismo sexual em animais vertebrados, as fêmeas possuem dois cromossomos X e os machos possuem um cromossomo X e um Y, o que determina se eles nascem como machos ou fêmeas. Em muitas espécies invertebradas, as fêmeas possuirão apenas um cromossomo sexual e, os machos, dois.

Outro fator importante são os hormônios. Cada sexo difere um do outro por diferentes concentrações de certos hormônios. Além disso, durante o desenvolvimento embrionário, em certas espécies, uma alta concentração de testosterona no cérebro fará com que ela se desenvolva como feminino.

A alimentação também é fundamental para o correto desenvolvimento das características sexuais secundárias que darão origem ao dimorfismo. Um animal doente e mal alimentado apresentará um dimorfismo mais pobre e muito provavelmente não atrairá o sexo oposto.

A estação do ano e a época do acasalamento fazem com que o dimorfismo apareça em certas espécies em que as características do dimorfismo sexual não sejam tão evidentes durante o resto do ano. Este é o caso de algumas aves.

Exemplos de dimorfismo sexual em animais

Para compreender os diferentes tipos de dimorfismo sexual, a maneira mais fácil é observar o cortejo das diferentes espécies e o modo de vida.

Exemplos de dimorfismo sexual em animais poligínicos

Em muitos casos, o dimorfismo sexual pode ser explicado como uma competição pelas fêmeas. Isto ocorre em animais poligínicos (grupos de fêmeas com um ou poucos machos). Nestes casos, os machos têm que competir para poder copular com as fêmeas, o que os torna maiores, mais robustos e mais fortes do que elas. Além disso, eles geralmente têm algum órgão que serve como defesa ou ofensiva. Este é o caso, por exemplo, dos seguintes animais:

  • Veado
  • Elefante
  • Antílope
  • Chimpanzé
  • Gorila
  • Pavão
  • Tetraz-grande
  • Javali

Exemplos de dimorfismo sexual em animais para se diferenciarem entre si

Em outros animais, o dimorfismo existe para que as fêmeas e os machos da mesma espécie possam ser distinguidos um do outro. Este é o caso dos periquitos. O dimorfismo sexual nestas aves é encontrado no bico, em uma área específica chamada "cera". As fêmeas têm essa parte mais marrom e áspera e, os machos, a têm mais suave e azul. Assim, se a cera de uma fêmea for pintada de azul, ela será atacada por machos, e se um macho for pintado de marrom, ele será cortejado como uma fêmea.

Exemplos de dimorfismo sexual em animais por desempenho sexual

Outro exemplo de dimorfismo sexual é dado pelo desempenho sexual na espécie. Assim, os sapos que tendem a abraçar as fêmeas durante a cópula têm braços mais fortes e mais desenvolvidos, e podem ter espinhos nas mãos para se agarrar melhor.

O dimorfismo também pode ser usado como um elemento de cortejo. Este é o caso das aves-do-paraíso. Essas aves não têm predadores naturais em seu local de origem, portanto, ter uma plumagem muito marcante, penas longas na cauda ou cabeça não as torna mais suscetíveis à predação, mas é um bom atrativo para as fêmeas. Esta plumagem não só é atraente para as fêmeas, mas também dá informações sobre o estado de saúde do macho e a possibilidade de ter descendência saudável.

Exemplos de dimorfismo sexual em animais em que as fêmeas são maiores

As aves de rapina fêmeas, tais como águias, corujas ou falcões, são maiores do que os machos, às vezes muito maiores. Isso porque geralmente é a fêmea que passa mais tempo no ninho incubando os ovos, portanto, ser maior a ajudará a defender o ninho. Além disso, essas fêmeas são geralmente mais agressivas e territoriais do que os machos, portanto, seu grande tamanho ajuda.

No grupo dos artrópodes, as fêmeas tendem a ser infinitamente maiores do que os machos, como é o caso das aranhas, louva-a-deus, moscas, mosquitos, etc. O mesmo acontece com anfíbios e répteis, em que as fêmeas também são maiores.

Outros exemplos de dimorfismo sexual em animais

Há também casos muito específicos, como as hienas. As fêmeas, antes de dar à luz, são quase indistinguíveis dos machos. Elas têm um clitóris tão grande quanto o pênis dos homens, os lábios são estendidos e parecem um saco escrotal. Após dar à luz, os mamilos ficam visíveis, para que possam ser reconhecidos. Além disso, elas são muito maiores que os machos, isso porque são animais canibais e qualquer macho poderia tentar comer um bezerro recém-nascido. Para evitar isso, é necessária uma maior corpulência e força da fêmea.

Dimorfismo sexual - Definição, curiosidades e exemplos - Exemplos de dimorfismo sexual em animais

Dimorfismo sexual em humanos

Os seres humanos também apresentam dimorfismo sexual, embora alguns estudos sugiram que não há uma feminização ou masculinização severa e que os seres humanos tendem a uma unificação das características sexuais, ou seja, em nossa espécie há homens mais ou menos masculinizados e mulheres mais ou menos feminizadas. São os padrões culturais e os padrões de beleza que nos levam a uma cultura de diferenciação sexual.

Na puberdade, mulheres e homens começam a desenvolver seus órgãos sexuais, visualmente diferentes um do outro. Os pelos aparecem nas axilas, púbis, rosto, pernas e outras partes do corpo. Os homens, por genética, tendem a ter mais pelos no rosto e em outras áreas do corpo, mas muitos homens não têm. As mulheres também têm pelos no lábio superior.

Uma característica exclusiva das mulheres é o desenvolvimento das glândulas mamárias, regulado por genética e hormônios, embora nem todas as mulheres tenham o mesmo grau de desenvolvimento.

Agora que você já sabe o significado de dimorfismo sexual e viu vários exemplos, talvez possa se interessar neste outro artigo em que explicamos se existem animais homossexuais. Não perca.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Dimorfismo sexual - Definição, curiosidades e exemplos, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Curiosidades do mundo animal.

Bibliografia
  • REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA. Poliginia em Sicalis Flraveola Brasiliensis. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rbzool/v1n1/v1n1a14.pdf>. Acesso em 19 de fevereiro de 2021.
  • Carranza, J. U. A. N. (1994). Sistemas de apareamiento y selección sexual. Etología: introducción a la ciéncia del comportamiento, 363-406.
  • Hedrick, A. V., & Temeles, E. J. (1989). The evolution of sexual dimorphism in animals: hypotheses and tests. Trends in Ecology & Evolution, 4(5), 136-138.
  • Hiraldo, F., Álvarez, F., & Valverde, J. A. (1974). Biometría y dimorfismo sexual en el calamón (Porphyrio porphyrio). Doñana Acta Vertebrata, 1, 103-108.
  • Shine, R. (1989). Ecological causes for the evolution of sexual dimorphism: a review of the evidence. The Quarterly Review of Biology, 64(4), 419-461.
  • T. D. C. (2008). El dimorfismo sexual y la comunicación entre los mamíferos. Mundo Pecuario, 4(2), 72-75.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Dimorfismo sexual - Definição, curiosidades e exemplos
1 de 3
Dimorfismo sexual - Definição, curiosidades e exemplos

Voltar ao topo da página