Partilhar

Cadeia alimentar aquática

 
Por Ana Diaz Maqueda. 13 maio 2020
Cadeia alimentar aquática

Existe um ramo da ecologia, chamado sinecologia, que estuda as relações que existem entre ecossistemas e comunidades de indivíduos. Dentro da sinecologia, encontramos uma parte responsável pelos estudos das relações entre os seres vivos, entre eles as relações alimentares, que estão resumidas nas cadeias alimentares, como é o caso da cadeia alimentar aquática.

A sinecologia explica que as cadeias alimentares são a forma como a energia e a matéria passam de uma etapa produtiva para outra, considerando também as perdas de energia, como a respiração. Neste artigo do PeritoAnimal, vamos explicar o que é uma cadeia alimentar aquática, começando com a definição de cadeia alimentar e teia alimentar.

Diferença entre cadeia e teia alimentar

Em primeiro lugar, para compreender a complexidade das cadeias alimentares aquáticas, é necessário conhecer as diferenças entre cadeias alimentares e teias alimentares e em que consiste cada uma delas.

Uma cadeia alimentar mostra como a matéria e a energia se movem dentro de um ecossistema através dos diferentes organismos, de forma linear e unidirecional, começando sempre em um ser autótrofo que é o principal produtor de matéria e energia, uma vez que é capaz de transformar matéria inorgânica em fontes de energia orgânicas e não assimiláveis, como a conversão da luz solar em ATP (adenosina trifosfato, a fonte de energia dos seres vivos). A matéria e a energia criadas pelos seres autótrofos passarão para o resto dos seres heterótrofos ou consumidores, que podem ser consumidores primários, secundários e terciários.

Por outro lado, uma teia alimentar ou rede trófica é um conjunto de cadeias alimentares que estão interligadas, mostrando um movimento muito mais complexo de energia e matéria. As redes tróficas revelam o que realmente acontece na natureza, uma vez que representam as múltiplas relações entre os seres vivos.

Cadeia alimentar aquática

O esquema básico de uma cadeia alimentar não varia muito entre um sistema terrestre e um sistema aquático, as diferenças mais severas são encontradas ao nível das espécies e da quantidade de biomassa acumulada, sendo maior nos ecossistemas terrestres. Abaixo mencionaremos algumas espécies da cadeia alimentar aquática:

Produtores primários

Na cadeia alimentar aquática, encontramos que os produtores primários são as algas, sejam elas unicelulares, como as pertencentes aos filos Glaucophyta, Rhodophyta e Chlorophyta, ou multicelulares, as do superfilo Heterokonta, que são as algas que podemos ver a olho nu nas praias, etc. Além disso, podemos encontrar bactérias a este nível da cadeia, as cianobactérias, que também realizam a fotossíntese.

Consumidores primários

Os consumidores primários da cadeia alimentar aquática são geralmente animais herbívoros que se alimentam de algas microscópicas ou macroscópicas e até mesmo de bactérias. Este nível geralmente consiste em zooplâncton e outros organismos herbívoros.

Consumidores secundários

Os consumidores secundários destacam-se como animais carnívoros, alimentando-se dos herbívoros do nível inferior. Eles podem ser peixes, artrópodes, aves aquáticas ou mamíferos.

Consumidores terciários

Os consumidores terciários são os super-carnívoros, animais carnívoros que se alimentam de outros carnívoros, aqueles que formam o elo de ligação dos consumidores secundários.

Na cadeia alimentar, podemos ver que as setas indicam um sentido unidirecional:

Cadeia alimentar aquática - Cadeia alimentar aquática
Imagem: Slideshare

Exemplos de cadeia alimentar aquática

Existem diferentes graus de complexidade nas cadeias alimentares. Aqui estão alguns exemplos:

  1. O primeiro exemplo de uma cadeia alimentar aquática consiste em duas ligações. Este é o caso do fitoplâncton e das baleias. O fitoplâncton é o principal produtor e as baleias são o único consumidor.
  2. Estas mesmas baleias podem formar uma cadeia de três ligações se se alimentarem de zooplâncton em vez de fitoplâncton. Então a cadeia alimentar ficaria assim: fitoplâncton > zooplâncton > baleia. A direção das setas indica para onde a energia e a matéria estão se movendo.
  3. Num sistema aquático e terrestre, como um rio, podemos encontrar uma cadeia de quatro ligações: fitoplâncton > moluscos do género Lymnaea > barbos (peixe, Barbus barbus) > garças cinzentas (Ardea cinérea).
  4. Um exemplo de uma cadeia de cinco ligações onde podemos ver um supercarnívoro é o seguinte: Phytoplankton > krill > pinguim imperador (Aptenodytes forsteri) > foca-leopardo (Hydrurga leptonyx) > orca (Orcinus orca).

Em um ecossistema natural, as relações não são tão simples. As cadeias alimentares são feitas para simplificar as relações tróficas e para que possamos entendê-las mais facilmente, mas as cadeias interagem entre si dentro de uma rede complexa de teias alimentares. Um dos exemplos de uma teia alimentar aquática pode ser o desenho seguinte, onde podemos observar como uma cadeia alimentar é integrada e várias setas que indicam um número superior de interações alimentares e fluxos de energia entre os seres:

Cadeia alimentar aquática - Exemplos de cadeia alimentar aquática
Imagem: Slideshare

Se deseja ler mais artigos parecidos a Cadeia alimentar aquática, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Curiosidades do mundo animal.

Bibliografia
  • Hansson, L. A., Nicolle, A., Granéli, W., Hallgren, P., Kritzberg, E., Persson, A., & Brönmark, C. (2013). Food-chain length alters community responses to global change in aquatic systems. Nature Climate Change, 3(3), 228.
  • Jake Vander Zanden, M., & Fetzer, W. W. (2007). Global patterns of aquatic food chain length. Oikos, 116(8), 1378-1388.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Cadeia alimentar aquática
Imagem: Slideshare
Imagem: Slideshare
1 de 3
Cadeia alimentar aquática

Voltar ao topo da página