Partilhar

A raposa como animal de estimação

Nelson Ferreira - Redator do Perito Animal
A raposa como animal de estimação

Existe uma tendência na nossa sociedade que talvez seja errada, mas que inegavelmente está instalada nas nossas mentes: gostamos da exclusividade, das coisas diferentes do habitual. Este fato chegou também ao mundo dos amantes dos animais de estimação. Por este motivo, hoje em dia, muitas pessoas planejam ter uma raposa como animal de estimação.

No Perito Animal, por motivos que explicaremos mais à frente, não recomendamos a ninguém que adote uma raposa como animal de estimação.

Continue lendo este artigo do Perito Animal e acesse a uma informação que não é habitual ler em outros fóruns dedicados ao mundo animal.

Também lhe pode interessar: O feneco como animal de estimação

Um rotundo NÃO à compra de animais selvagens

Retirar qualquer animal selvagem, neste caso uma raposa, da natureza é uma aberração na maior parte dos casos. Só é aceitável esta ação se se trata de salvar a vida de um filhote perdido da sua mãe por acidente. Inclusivamente quando isso acontece, é melhor levar a cria para um centro de recuperação da fauna animal, do que ficar com ela e criá-la em casa.

A maior parte de nós carece dos conhecimentos necessários para que esta adoção acidental chegue a bom porto, quer seja devido à alimentação, educação ou às suas necessidades concretas.

Como é ter uma raposa como animal de estimação

Existem fazendas dedicadas à criação de raposas para as transformarem em caríssimos animais de estimação.

Na nossa opinião, atualmente estes pets não estão totalmente adaptados para conviver com os humanos. É verdade que uma raposa pode ser domesticada, tal como o demonstrou o cientista russo Dimitry K. Belyaev nos finais dos anos 50 do século passado.

No entanto, não é espaço neste artigo para relatar toda a complexidade daquele experimento realizado com raposas, mas resumindo o resultado é o seguinte:

Partindo de 135 raposas procedentes de fazendas para produção de peles, ou seja não eram raposas selvagens, Belyaev conseguiu depois de várias gerações de cruzamentos umas raposas totalmente mansas e meigas.

O cheiro da raposa

No entanto, Dimitry K. Belyaev não conseguir eliminar o cheiro das raposas e talvez não o conseguisse fazer. Precisamente devido a isso, ao penetrante e fétido odor das raposas, é que talvez em milhares de anos o ser humano não tenha tentado domesticar as raposas e transformá-las em animais de estimação.

É um animal inteligente, muito bonito e afetuoso se estiver domesticado, mas... Por quê o ser humano não a incorporou no seu lar, tal como fez com lobos e felinos selvagens, tansformando-os em cães e gatos?

Costumes das raposas

Além do problema do odor, as raposas têm outros "probleminhas", um dele é a incompatibilidade com outros animais de estimação.

A natureza predatória das raposas é aniquiladora. É sabido que se as raposas entrarem em um galinheiro exterminam todas as galinhas, para levarem apenas uma. Este fato dificulta muito a convivência do raposa com outros animais de estimação de menor tamanho como os gatos ou cachorros pequenos.

É muito provável que os cães de maior tamanho fiquem agressivos contra as raposas ao reconhecerem este inimigo ancestral. Outro problema é o costume de esconderem as carcaças das suas presas: ratos, ratazanas, pássaros, etc, para as comerem mais tarde. Consideramos que isto torna inviável a presença de uma raposa em qualquer casa.

Convivência de raposas com outros animais de estimação

Por tudo o que foi dito, é fácil deduzir que se apesar de tudo queremos ter uma raposa como animal de estimação, é imprescindível que o animal viva em um jardim grande (mínimo 250 m2), convenientemente vedado e adaptado para que a raposa se sinta integrada com o seu meio envolvente.

Ainda assim, jamais teremos a certeza de que a nossa raposa não tente escapar. O jardim irá cheirar muito mal, uma vez que as raposas marcam o seu território com urinas e fezes. E embora a raposa seja carinhosas e queira o nosso carinho, uma glândula na sua cauda que empesta todo o pelo da raposa, e tudo o que toque no animal.

Um caminho diferente

Um caminho diferente, que conhecemos muito superficialmente, mas aproveitamos a circunstância para pedir a ajuda dos nossos leitores e caso conheçam algum caso que nos façam saber, é o fato de existirem pessoas que compram raposas de fazendas de produção de peles para as salvar de uma morte certa.

Não sabemos se este seria o caminho mais adequado para adotar uma raposa, mesmo cumprindo todos os exigentes requisitos comentados anteriormente.

Sabemos que estes pobres animais têm uma vida muito curta, e também devemos saber que se conseguem tamanhos consideráveis devido à manipulação genética. Sabemos que o preço destes animais é um décimo do que pedem os criadores de raposas como animais de estimação.

A nossa pergunta é: Estas raposas se forem adotadas em filhotes, terão um caráter apropriado para se converterem em animais de estimação? Talvez algum leitor dos Países Escandinavos (onde existem a maior partes destas fazendas), nos possa elucidar sobre as experiências de pessoas que pessoas que tenham tentado salvar raposas destas fazendas, transformando-as em animais de estimação.

Esperamos pelos vossos comentários para completar esta informação.

Se deseja ler mais artigos parecidos a A raposa como animal de estimação, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de O que precisa saber.

Comentários (1)

Escrever comentário sobre A raposa como animal de estimação

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
Geferson
Eu queria um protelo de estimação, quais seriam os problemas?

A raposa como animal de estimação
1 de 7
A raposa como animal de estimação