menu
Partilhar

Cachorro-do-mato

Atualizado: 8 março 2022
Cachorro-do-mato

O cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) é uma espécie de raposa nativa da América do Sul central e do norte, com populações em países como Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Panamá, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Como todos os tipos de raposas, o cachorro-do-mato é um mamífero pertencente à família dos canídeos, que também inclui outras espécies como cachorros, lobos, dingos, chacais, entre outros animais.

Mas ao contrário da raposa comum ou vermelha, o cachorro-do-mato não pertence ao gênero Vulpini, que inclui as chamadas "raposas verdadeiras" originárias do hemisfério norte. Atualmente, os cachorro-do-mato são os únicos sobreviventes do gênero Cerdocyon, já que a segunda espécie classificada neste gênero já é considerada extinta (Cerdocyon avius)

Nesta ficha informativa do PeritoAnimal, contaremos tudo sobre o cachorro-do-mato, suas características mais marcantes, seu comportamento e seu habitat natural.

Origem
  • América
  • Argentina
  • Bolívia
  • Brasil
  • Colômbia
  • Panamá
  • Paraguai
  • Uruguai
  • Venezuela

Origem e história do cachorro-do-mato

O cachorro-do-mato é descendente da espécie já extinta Cerdocyon avius, que habitou nosso planeta entre os períodos Plioceno e Pleistoceno, ou seja, de cerca de 5 milhões de anos atrás até cerca de 11.000 anos atrás, quando eles foram extintos

Estas raposas, que tinham cerca de 80 centímetros de comprimento, originalmente habitavam a América do Norte e migraram para a América do Sul, onde conseguiram se adaptar e sobreviver por vários anos, dando origem a uma nova espécie que mais tarde ficou conhecida como "cachorro-do-mato", com nome científico Cerdocyon thous.

Os cachorros-do-mato foram descritos pela primeira vez em 1839 por Charles Hamilton Smith, um homem multifacetado nascido na Bélgica e inglês naturalizado, que atuava como artista, naturalista, militar, ilustrador e até mesmo espião. Entretanto, sua primeira aparição em território sul-americano teria ocorrido durante o Plioceno, que começou há cerca de 5,3 milhões de anos e terminou há cerca de 2,6 milhões de anos.

Presume-se que o nome científico do gênero Cerdocyon se deva à frequente confusão entre cachorros-do-mato e antigos cães abandonados. Assim, os termos gregos "kerdo", que significa "raposa", e "cyon", que se traduz como "cachorro", teriam sido combinados. Na Colômbia, o cachorro-do-mato também é popularmente conhecido como "raposa canina", o que confirma suas aparentes semelhanças com os cachorros vira-latas da região sul-americana.

Habitat do cachorro-do-mato

O cachorro-do-mato é uma espécie nativa da América do Sul, estendendo-se do norte do Panamá até o noroeste da Argentina. Nesta extensa região, sua população está concentrada em duas faixas principais. A primeira delas consiste nas regiões montanhosas e costeiras que se estendem desde a Venezuela e Panamá até o delta do Paraná na Argentina. O segundo começa na Cordilheira dos Andes, mais especificamente na parte oriental da Bolívia e Argentina, e se estende até a costa atlântica do Brasil (leste) e a costa do Pacífico da Colômbia (oeste). Também é possível encontrar alguns espécimes distribuídos nas Guianas.

Os cachorros-do-mato têm uma clara predileção por áreas quentes e úmidas, especialmente florestas e localidades costeiras situadas a altitudes de até 3000 metros. Entretanto, eles são extremamente adaptáveis a diferentes ambientes e também podem habitar pastagens, desertos, fazendas de gado, e até mesmo conseguiram sobreviver nas zonas pantanosas intertropicais ou "matagais de montanha" da América do Sul.

Devido à sua natureza reservada e territorial, eles tendem a preferir áreas com menos intervenção humana, embora alguns espécimes possam se adaptar a cidades e localidades semi-urbanizadas, onde encontram presas mais fáceis (animais criados para alimentação humana) e uma maior disponibilidade de alimentos.

Atualmente, o cachorro-do-mato é classificado, de acordo com a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), como de "menor preocupação", pois sua população ainda é considerada abundante em seus países nativos. Entretanto, deve-se ter em mente que não existem dados suficientes sobre a situação específica de sua população em cada país e região, o que dificulta a estimativa do declínio real desta espécie

As maiores ameaças ao cachorro-do-mato são a destruição de seu habitat e a caça "esportiva", uma atividade que ainda não recebe a devida atenção das autoridades na grande maioria dos países americanos.

Características do cachorro-do-mato

O cachorro-do-mato tem um corpo compacto e ligeiramente alongado com um comprimento médio de cerca de 70 centímetros, sem considerar sua cauda, que pode medir até 35 centímetros no total. Seu peso corporal pode variar entre 5 e 9 kg, com as fêmeas normalmente sendo menores e mais leves que os machos. Caracteriza-se por um focinho alongado, orelhas arredondadas e um rabo peludo que é relativamente curto em comparação com outras espécies de raposa. Eles podem eventualmente ser confundidos com a raposa cinza (Lycalopex gymnocercus), mas deve-se notar que o cachorro-do-mato é mais compacto e robusto, suas patas são mais escuras, e sua cauda, focinho e orelhas são mais curtos.

Sua pelagem geralmente revela uma mistura de peles com cores diferentes, como cinza, marrom, amarelo, preto e branco. A combinação destas tonalidades é única para cada indivíduo e muitas vezes é influenciada por seu habitat. Enquanto as raposas que vivem em florestas mostram mais pelos de cor cinza-preto, os indivíduos que vivem em áreas abertas ou montanhosas tendem a ter uma pelagem predominantemente marrom com alguns reflexos ligeiramente avermelhados. As partes internas das patas, peito e barriga geralmente revelam tonalidades mais claras do que o resto do corpo, e podem até ser completamente brancas em alguns indivíduos.

Os cachorros-do-mato são em sua maioria crepusculares ou noturnos, embora alguns indivíduos possam estar um pouco ativos durante o dia. Eles são animais gregários, geralmente vivendo em grupos de 7 a 8 membros, geralmente compostos por um par e seus filhotes jovens. Eles geralmente usam sua poderosa capacidade de vocalização para se comunicar com indivíduos em seus próprios grupos ou com outros, emitindo uivos altos e barulhentos que podem ser ouvidos a vários quilômetros de distância.

Em relação aos humanos, os cachorros-do-mato são mais reservadas e preferem evitar o contato com as populações humanas. Curiosamente, algumas civilizações tradicionais da América do Sul, como os Guarani no Paraguai, a Tairona na Colômbia e o Quechua na Bolívia, conseguiram domar o cachorro-do-mato e coexistiram com esta espécie em sua vida diária. Entretanto, manter uma raposa como animal de estimação não só não é recomendado, como é proibido na maioria dos países.

Alimentação do cachorro-do-mato

Em seu habitat, os cachorros-do-mato mantêm uma dieta onívora muito variada, que se baseia principalmente no consumo de proteínas de origem animal, mas também incorpora frutas, sementes e frutas ricas em fibras, vitaminas e minerais para atender plenamente às suas necessidades nutricionais. A composição exata de sua dieta depende da disponibilidade de alimentos em seu habitat e da época do ano.

O cachorro-do-mato é um caçador ativo e inteligente, que pode viajar vários quilômetros por dia e cruzar diferentes ecossistemas em busca de alimento. Quando encontram uma região com presas abundantes, como uma área produtiva ou pecuária, eles mantêm uma dieta menos variada e consomem principalmente animais de alta energia. Mas se perceberem falta de alimentos, podem caçar uma grande variedade de espécies, tais como sapos, insetos, tartarugas, roedores, aranhas e, claro, caranguejos. A dieta do cachorro-do-mato também pode incluir ovos e carniça, ou pode tirar proveito do desperdício de comida humana.

O cachorro-do-mato é, portanto, considerado um oportunista trófico, ou seja, um animal que muda seus hábitos alimentares e seu comportamento de caça, dependendo de onde se encontra.

Reprodução do cachorro-do-mato

O cachorro-do-mato é uma espécie monogâmica que geralmente tem uma única época de reprodução anual, embora os indivíduos que vivem em áreas favoráveis com alimentos abundantes possam se reproduzir duas vezes por ano. Como vivem em áreas mais quentes, eles podem se reproduzir e procriar em quase qualquer época do ano, mas os nascimentos tendem a ser mais abundantes durante o verão, entre janeiro e março. Assim, a principal fase reprodutiva do cachorro-do-mato ocorre durante a primavera no Hemisfério Sul.

Após o acasalamento, as fêmeas vivem um período de gestação de 52 a 60 dias, no final do qual podem dar à luz de 3 a 5 filhotes. Alguns dias antes de dar à luz, a fêmea escolhe um abrigo onde ela e seus filhotes possam estar seguros, e pode aproveitar a oportunidade de refugiar-se em cavernas abandonadas ou fazer seu próprio abrigo entre a vegetação abundante de seu habitat.

O período de lactação desta espécie dura cerca de três meses, mas as crias permanecem sob os cuidados de seus pais até os 9 ou 10 meses de vida, quando se tornam sexualmente ativas e procuram formar seus próprios companheiros. Geralmente, no entanto, os jovens cachorros-do-mato só se separam de sua comunidade natal na idade de um ano e meio a dois anos, quando partem para formar seus próprios grupos com seus companheiros e filhotes. Os machos são bastante ativos na criação de filhotes, compartilhando com seus parceiros a responsabilidade de proteger, alimentar e criar seus filhotes.

Talvez você possa se interessar neste outro artigo sobre animais do cerrado brasileiro.

Bibliografia
  • Cabrera, A. (1961). Catálogo de los mamíferos de América del Sur. Revista del Museo Argentino de Ciencias Naturales Bernardino Rivadavia 4: 309-732.
  • Base de datos Paleobiology. Disponível em <www.paleobiodb.org/classic/checkTaxonInfo?a=checkTaxonInfo&taxon_no=300807>. Acesso em 8 de março de 2022.
  • Smith, C. H. (1839). Jardine's Natur. Libr., 9: 259-267.
  • Courtenay, O. & Maffei, L. (2008). Cerdocyon thous - Lista Roja de especies amenazadas de la UICN versión 2010.

Fotos de Cachorro-do-mato

Artigos relacionados

Suba a sua foto de Cachorro-do-mato

Suba a foto do seu Pet

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
Como avalia esta raça?
Cachorro-do-mato
1 de 4
Cachorro-do-mato

Voltar ao topo da página