Partilhar

Animais perigosos da Amazônia

 
Por Eduarda Piamore. 20 setembro 2019
Animais perigosos da Amazônia

A Amazônia é a selva tropical mais extensa do mundo, estando em 9 países sul americanos. Na selva amazônica é possível encontrar uma abundante fauna e flora, por isso é considerada um santuário natural de inúmeras espécies muito peculiares. Estima-se que na Amazônia vivem mais de 1500 espécies de animais, muitos deles em perigo de extinção.

Cada animal chama a atenção por motivos particularidades, seja pela beleza, pelo comportamento ou pela raridade. Algumas espécies amazônicas são reconhecidas e temidas pelo poder e perigo. Vale a pena ressaltar que nenhum animal é cruel por natureza, como ainda se escuta em algumas situações. Simplesmente possuem um mecanismo de caça e defesa que podem torná-los potencialmente letais para os seres humanos e outros indivíduos que ameaçam o bem-estar ou invadem o seu território. Nesse artigo do PeritoAnimal vamos resumir algumas curiosidades sobre os 11 animais perigosos da Amazônia.

Aranha-bananeira (Phoneutria nigriventer)

Essa espécie de aranha pertence a família dos Ctenidae e é considerada, por muito especialistas, como uma das aranhas mais perigosas e letais do mundo. Embora seja verdade que essa espécie acasalada Phoneutria phera, que também habita as selvas da América do Sul, tenha um veneno mais tóxico, também é verdade que as aranhas-bananeiras protagonizam o maior número de picadas nos seres humanos. Isso se deve não apenas pelo caráter mais agressivo como também com os hábitos sinantrópicos. Costumam viver em plantações de banana e podem ser encontradas em portos e em plena cidade, pelo qual mantém um contato frequente com os seres humanos, especialmente com os trabalhadores agrários.

Trata-se de uma aranha de tamanho grande e aspecto imponente, cujos exemplares adultos costumam ocupar toda a superfície da palma da mão de uma pessoa adulta. Possuem dois grandes olhos frontais e dois olhos pequenos localizados a cada lado de suas patas grossas e peludas. As largas e fortes presas chamam a atenção e permitem inocular facilmente o veneno para se defender ou imobilizar as presas.

Animais perigosos da Amazônia - Aranha-bananeira (Phoneutria nigriventer)

Escorpiões Tityus

Na América do Sul existem mais de 100 espécies de escorpião pertencentes ao gênero Tityus. Apesar de apenas 6 dessas espécies serem venenosos, suas picadas matam cerca de 30 vidas humanas todos os anos apenas no norte do Brasil, por isso, formam parte da lista de animais perigosos da Amazônia e venenosos também. Esses frequentes ataques se justificam pela grande adaptação dos escorpiões nas zonas urbanas, fazendo que o contato com as pessoas seja praticamente diário.

Os escorpiões Tityus venenosos têm um poderosos veneno na glândula bulbosa, que podem inocular por meio de um ferrão curvado que possuem na cauda. Uma vez injetado no corpo do outro indivíduo, as substâncias neurotóxicas do veneno causam paralisia quase instantaneamente e podem levar a um ataque cardíaco ou respiratório. Trata-se de um mecanismo de defesa mas também de uma poderosa ferramenta de caça.

Animais perigosos da Amazônia - Escorpiões Tityus

Sucuri verde (Eunectes murinus)

A famosa sucuri verde é uma cobra constritora endêmica dos rios amazônicos, compondo a família das boas. Essa é uma espécie de cobra conhecida como uma das mais pesadas, uma vez que um exemplar desse tipo de cobra pode chegar a pesar 220 kg, existem controversas sobre se ela é ou não a maior delas. Isso porque, a píton-reticulada (Python reticulatus) costuma ter alguns centímetros a mais do que a sucuri verde, apesar do peso corporal ser muito menor.

Apesar da má fama conquistada em grande parte dos filmes que levaram seu nome, as sucuris verdes dificilmente atacam os seres humanos, já que as pessoas não formam parte da cadeia trófica. Quer dizer, as sucuris verde não atacam os seres humanos para se alimentar. Os raros ataques da sucuri verde a pessoas são defensivos, quando o animal se sente ameaçado de alguma maneira. Na realidade, as cobras geralmente têm uma personalidade mais tranquila do que agressiva. Se elas puderem escapar ou se esconder para economizar energia e evitar um confronto, certamente farão.

Conheça as cobras mais venenosas do Brasil nesse artigo do PeritoAnimal.

Animais perigosos da Amazônia - Sucuri verde (Eunectes murinus)

Jacaré-açu (Melanosuchus niger)

Mais um na lista dos animais perigosos da Amazônia está o jacaré-açu. É uma espécie do gênero Melanosuchus que sobreviveu. O corpo pode chegar a medir até 6 metros de largura e tem uma coloração preta quase sempre uniforme, estando entre os maiores crocodilos do mundo. Além de ser um excelente nadador, o jacaré-açu também é um caçador implacável e muito inteligente, com mandíbulas muito poderosas. A alimentação inclui desde pequenos mamíferos, aves e peixes até animais de porte grande, como veados, macacos, capivaras e javalis.

Animais perigosos da Amazônia - Jacaré-açu (Melanosuchus niger)

Poraquê (Electrophorus electricus)

As enguias elétricas têm muitos nomes na cultura popular. Muita gente confunde com as cobras aquáticas, mas as enguias são uma espécie de peixe que pertence à família Gymnotidae. Na realidade, trata-se de uma espécie única do seu gênero, com características mais particulares.

Sem dúvida, a característica mais reconhecida, e também mais temida, dessas enguias é a capacidade de transmitir correntes elétricas desde o interior do corpo para exterior. Isso é possível porque o organismo dessas enguias possuem um conjunto de células muito especiais que permitem emitir poderosas descargas elétricas de até 600 W (uma voltagem superior a qualquer tomada que você tenha na sua casa) e, por esse motivo, se considera um dos animais perigosos da Amazônia. As enguias utilizam essa particular habilidade para se defender, para caçar as presas e também para se comunicarem com outras enguias.

Animais perigosos da Amazônia - Poraquê (Electrophorus electricus)

Jararaca-do-norte (Bothrops atrox)

Entre as cobras mais venenosas da Amazônia, você deve encontrar a jararaca-do-norte, uma espécie que protagonizou um grande número de ataques letais a seres humanos. Essas quantidades alarmantes de mordidas a pessoas se explica não apenas pela personalidade reativa dessa cobra, mas também pela sua grande adaptação a zonas habitadas. Apesar de viver naturalmente nos bosques, essas cobras se acostumaram a encontrar muito alimento em torno das cidades e da população, já que os resíduos humanos costumam atrair ratos, lagartixas, pássaros e etc.

São cobras de grande porte que podem alcançar facilmente os 2 metros de largura. São encontradas exemplares em tonalidades marrom, esverdeado ou cinzentas, com riscas ou manchas. Essas cobras se destacam pela eficácia e enorme estratégia de caça. Graças a um órgão conhecido como fossetas loreais, que se encontram entre o focinho e os olhos, são capazes de detectar facilmente o calor corporal dos animais de sangue quente. Ao identificar a presença de alguma presa, essa cobra se camufla entre as folhas, ramos e outros componentes do caminho e aí espera pacientemente até reconhecer o momento exato para um ataque letal. E raramente erram.

Animais perigosos da Amazônia - Jararaca-do-norte (Bothrops atrox)

Piranhas amazônicas

O termo piranha é utilizado popularmente para denominar diversas espécies de peixes carnívoros que habitam os rios da Amazonia. As piranhas, também conhecidas como "caribes" na Venezuela, pertencem a vasta subfamília Serrasalminae, que também compreende algumas espécies de herbívoros. São predadores vorazes que se caracterizam pelos seus dentes muito afiados e pelo grande apetite carnívoro, sendo mais um entre os animais perigosos da Amazônia. No entanto, são peixes médios que costumam medir entre 15 e 25 centímetros, apesar de terem sido registrados exemplares com mais de 35 centímetros de largura. São animais capazes de devorar aves e mamíferos inteiros em questão de minutos pois costumam atacar em coletivo, porém as piranhas dificilmente atacam os seres humanos e não são tão ferozes como relatadas nos filmes.

Animais perigosos da Amazônia - Piranhas amazônicas

Sapos ponta-de-flecha

Quando se fala de dendrobatidae fazem referência a uma família e não apenas a uma espécie. A super família dendrobatidae que está relacionada com a família Aromobatidae e compreende mais de 180 espécies de anfíbios anuros que popularmente são conhecidos como sapos ponta-de-flecha ou sapos venenosos. Esses animais são considerados como endêmicos na América do Sul e parte da América Central, habitando maioritariamente a selva Amazônica. Na sua pele carregam um veneno potente chamado batracotoxina, que costumava ser utilizado pelos índios nas pontas das flechas para provocar uma rápidas morte dos animais que caçavam para se alimentar e também dos inimigos que invadiam seu território.

A espécie de dendrobatidae considerada como a mais venenosa do Amazonas é a Phyllobates terribilis. Esses anfíbios de cor amarela possuem pequenos discos nas patas, pelo qual podem aguentar firme sobre as plantas e ramos da úmida selva Amazônica. Estima-se que uma pequena dose do seu veneno pode matar até 1500 pessoas, por isso, esses sapos ponta-de-flecha estão entre os animais mais venenosos do mundo.

Animais perigosos da Amazônia - Sapos ponta-de-flecha

Formiga-correição

A formiga-correição é um dos animais perigosos da Amazônia, podem parecer pequenas a vista mas essas espécies de formigas são caçadoras implacáveis, que possuem mandíbulas poderosas e muito afiadas. São conhecidas popularmente como formigas soldado ou formigas guerreiras pela forma como atacam. Legionárias marabuntas, nunca costumam atacar sozinhas, mas sim convocam um grande grupo para abater as presas de tamanho maior que os delas. Atualmente, essa nomenclatura designa informalmente mais de 200 espécies pertencentes a diferentes gêneros da família Formicidae. Na selva Amazônica predominam as formigas soldado da subfamília Ecitoninae.

Através da picada, essas formigas injetam pequenas doses de veneno tóxico que debilita e dissolve os tecidos das suas presas. Logo, utilizam as poderosas mandíbulas para desmembrar o animal abatido, permitindo com que alimentem a si mesmas e também suas larvas. Por isso, são conhecidas como as menores predadoras e mais vorazes de toda a Amazônia.

Ao contrário da maioria das formigas, as formigas soldado não formam um ninho se não carregam suas larvas e estabelecem acampamentos temporais onde encontram boa disponibilidade de alimento e abrigos seguros.

Animais perigosos da Amazônia - Formiga-correição

Arraias-de-água-doce

As arraias-de-água-doce fazem parte do gênero de peixes neotropicais chamado Potamotrygon, que conta com 21 espécies conhecidas. Habitam todo o continente Sul Americano (com exceção do Chile), a maior diversidade de espécies se encontra nos rios amazônicos. Essas arraias são vorazes predadores que, com a boca presa na lama, seccionam vermes, caracóis, pequenos peixes, lapas e outros animais fluviais para se alimentarem.

Em geral, essas arraias levam uma vida tranquila nos rios amazônicos. No entanto, ao se sentirem ameaçados, podem ativar uma perigosa técnica de defesa pessoal. A partir da sua musculosa cauda, sobressaem numerosas e minúsculos espinhos, que costumam estar ocultos por uma bainha epitelial e estão cobertos por um poderoso veneno. Quando o animal se sente ameaçado ou percebe um estímulo estranho em seu território, as espinhas cobertas de veneno se sobressaem, a arraia sacode a cauda e utiliza como um um chicote para afastar os possíveis predadores. Esse potente veneno destrói o tecido cutâneo e muscular, provocando intensa dor, dificuldade de respiração, contrações musculares e danos irreversíveis aos órgãos vitais, como cérebro, pulmões e coração. Dessa forma, a arraias-de-água-doce formam parte dos animais perigosos da Amazônia e também mais venenosos.

Animais perigosos da Amazônia - Arraias-de-água-doce

Jaguar (Panthera onca)

Mais um animal na lista de animais perigosos da Amazônia é o jaguar, também conhecido como onça-pintada, é o maior felino que habita o continente americano e o terceiro maior do mundo (atrás apenas do tigre de bengala e do leão). Além disso, é a única das quatro espécies conhecidas do gênero Panthera que pode ser encontrada na América. Apesar de ser considerado um animal muito representativo da Amazônia, sua população total se estende desde o extremo sul dos Estados Unidos até o norte da Argentina, incluindo boa parte da América Central e América do Sul.

Como podemos imaginar, trata-se de um felino carnívoro de porte grande que se destaca como um exímio caçador. A alimentação inclui pequenos e médios mamíferos até répteis de grande porte. Infelizmente, é um dos animais que se encontram em um grande perigo de extinção. De fato, a população foi praticamente eliminada do território norte americano e se encontra reduzida em todo o território sul americano. Nos últimos anos, a criação de Parques Nacionais nas regiões da selva colaboraram com a preservação dessa espécie e para o controle da caça esportiva. Apesar de representar um dos animais mais perigosos da Amazônia, é uma das criaturas mais bonitas e, como mencionamos anteriormente, ameaçadas devido a atividade humana.

Conheça mais animais da floresta nesse artigo do PeritoAnimal.

Animais perigosos da Amazônia - Jaguar (Panthera onca)

Se deseja ler mais artigos parecidos a Animais perigosos da Amazônia, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Curiosidades do mundo animal.

Vídeos de Animais perigosos da Amazônia

1 de 3
Vídeos de Animais perigosos da Amazônia

Escrever comentário sobre Animais perigosos da Amazônia

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Animais perigosos da Amazônia
1 de 12
Animais perigosos da Amazônia

Voltar ao topo da página