menu
Partilhar

Anatomia do coelho

 
Por Nick A. Romero H., Biólogo e educador ambiental. 24 agosto 2021
Anatomia do coelho

Os coelhos pertencem à família Leporidae, que compartilham com as lebres, mas que diferem no gênero e nas características taxonômicas. Os coelhos se agrupam em diversos gêneros, mas o mais conhecido é Oryctolagus, dentro da qual encontramos o coelho comum ou também chamado coelho europeu (Oryctolagus cuniculus).

Devido à sua adaptabilidade a uma grande variedade de habitats e sucesso reprodutivo, é considerado uma das 100 espécies exóticas invasoras do mundo pelo impacto que gera. No entanto, devemos ter em mente que sua introdução em regiões diferentes do seu espaço original é causada pelas pessoas que o introduziram para diversos fins, em nenhum caso é responsabilidade do animal.

Neste artigo do PeritoAnimal, queremos que você conheça e aprenda um pouco mais sobre a anatomia do coelho. Boa leitura!

Também lhe pode interessar: Conselhos para adotar um coelho

Características anatômicas gerais do coelho

O coelho é um animal pequeno, de corpo simétrico e alongado. O peso muda de acordo com a variedade ou raça, podendo variar de 1 kg até os 6 kg. Tanto a cabeça como o corpo são pequenos, em alguns coelhos a pele forma dobras nessa última estrutura como se fosse uma papada. Possui glândulas para a produção de feromônios no queixo e na área perianal, que utiliza para se comunicar e marcar o território.

Os membros dianteiros são menores que os posteriores, os primeiros possuem cinco dedos com unhas fortes, enquanto os posteriores possuem maior força para otimizar os saltos. São desprovidos de almofadas e também são utilizados para gerar vibrações no solo e se comunicar, por exemplo, em caso de algum perigo. A cauda do coelho é curta, também de utilidade para comunicação através do movimento. Tais características são as mais proeminentes das características anatômicas gerais do coelho.

Anatomia do coelho - Características anatômicas gerais do coelho

Os sentidos do coelho

O coelho tem um complexo sistema sensorial, de modo que utiliza todos seus sentidos, visual, táctil, acústico e químico. Além disso, é capaz de perceber eficientemente as mudanças térmicas e as vibrações. O coelho é um animal com uma importante capacidade comunicativa através dos odores e tato.

Seguindo com a anatomia dos coelhos, esses animais possuem olhos grandes e estão localizados mais lateralmente que frontal. É comum a coloração vermelha, embora possam ser também de outras cores de acordo com a variedade. O nariz é altamente sensível, o qual se move com facilidade. Sob o tecido das narinas existem uma espécie de almofadas, vinculadas à percepção dos odores. Possui duas áreas auriculares longas, desprovidas de pelos internamente, móveis, que lhe permitem captar sons a grandes distâncias e, adicionalmente, desempenham um papel fundamental na termorregulação corporal.

Conheça os 10 sons dos coelhos neste outro artigo.

A pele do coelho

A pele do coelho é caracterizada por apresentar dois tipos de pelo. Um externo e visível geralmente brilhante, forte e relativamente longo. O outro interno, que é mais curto e lanoso, é de grande utilidade para os habitats frios.

A coloração da pelagem do coelho comum tende a ser cinza em combinações com preto e marrom com a área inferior mais clara, bem como a área inferior da cauda branca. Coelhos melanísticos e albinos são bastante comuns. No entanto, dados os cruzamentos seletivos realizados, obteve-se uma grande quantidade de variedades, as quais podem ser unicolores ou combinadas.

Sistema digestivo do coelho

O sistema digestivo do coelho começa na boca, na qual existem 28 dentes, destacando-se seus grandes incisivos. Para se alimentar, além dos dentes, conta com a mobilidade dos seus lábios e língua. Posteriormente, encontram-se a faringe e o esôfago, este último é curto, por meio do qual o alimento é movido até o estômago.

Neste sentido, a anatomia do coelho é bastante interessante também porque eles são animais monogástricos, ou seja, seu estômago é formado por um único compartimento. Em um coelho adulto este sistema chega a medir até aproximadamente 5 m, nos quais se depositam cerca de 100 g de alimento. Em seguida, encontramos o intestino delgado, onde ocorre uma degradação importante da massa de alimentos graças às secreções do fígado e pâncreas, de modo que os nutrientes sejam depois absorvidos pela mucosa do tecido.

As partículas não degradadas no intestino delgado, passam para o ceco no intestino grosso, onde ocorre um importante processo de degradação por enzimas bacterianas. Posteriormente, a massa restante é movida para o colón e até este ponto em geral o sistema digestivo é semelhante a outros animais monogástricos.

A peculiaridade do coelho está na função do colón, já que o alimento que entra nas primeiras horas da manhã, não serão processados completamente e se formará massas envoltas em muco com forma de cachos, conhecidas como cecotrofias. Se o conteúdo estomacal chega em horas posteriores, serão submetidos a um processo de absorção que extrairá toda a umidade, resultando em uma massa fecal seca.

Um aspecto importante é que quando o coelho libera as cecotrofias, como ainda têm nutrientes que podem ser aproveitados pelo animal, ele os consome assim que os expulsa, de modo que essa massa volta a passar pelo processo de digestão.

O sistema do coelho culmina no ânus, por meio do qual o coelho expele as fezes e as cecotrofias.

Anatomia do coelho - Sistema digestivo do coelho
Imagem: pinterest.com

Sistema cardiorrespiratório do coelho

Continuamos agora neste artigo sobre a anatomia dos coelhos com foco em seu coração, que está localizado na região ventral do tórax e ao lado deste estão localizados os dois pulmões. Ele é dividido em quatro cavidades, duas superiores ou átrios, encarregadas de receber o sangue e duas inferiores ou ventrículos, por onde o sangue é expulso. Adicionalmente, este sistema consta de artérias e veias pulmonares, artéria aorta, veia cava anterior e posterior.

Quanto ao sistema respiratório do coelho, além dos pulmões, é constituído pelas narinas ou orifícios respiratórios externos, as narinas, orifícios respiratórios internos ou coanas, faringe, laringe, traqueia, brônquios, lóbulos pulmonares e o diafragma.

Neste outro artigo falamos sobre 15 sinais de dor em coelhos.

Sistema reprodutivo do coelho

O sistema reprodutivo das coelhas, por sua vez, já que seguimos falando da anatomia dos coelhos, consta com: ovários, ovidutos, útero, vagina e vulva. No caso do sistema reprodutivo dos coelhos, encontramos: testículos, canal deferente, canal uretral, pênis, próstata, vesículas seminais, glândula vesicular e glândula de Cowper.

A maturidade sexual nas fêmeas é alcançada entre os 3,5 e 4 meses, enquanto nos machos é um pouco mais tarde, de 4,5 a 5 meses.

Sistema ósseo do coelho

Em relação ao sistema ósseo do coelho, encontramos que a cabeça é formada por ossos planos que não têm mobilidade, com exceção dos localizados no maxilar inferior. Os ossos que estão localizados na cabeça, são: occipital, frontal, parietais, temporais, lagrimais, nasais, maxilar superior e inferior.

O tronco do coelho é constituído por vários pequenos ossos, onde estão localizados os diversos tipos de vértebras (cervicais, dorsais, lombares, sacras e caudais); as costelas e outros ossos que constituem a caixa torácica.

Os membros anteriores são formados pela escápula, úmero, ulna, rádio, ossos do carpo, metacarpos e as falanges. Os membros posteriores são constituídos por fêmur, tíbia, fíbula, tarso, metatarso e as falanges. Essas últimas estão unidas à coluna através da pélvis, que por sua vez está estruturada pelo ílio, ísquio e púbis.

O coelho tem sido um animal do qual diversas variedades foram obtidas para fins de comercialização, de modo que a carne e a pelagem do coelho são altamente consumidas em diversos países. Na atualidade, o coelho comum está em perigo de extinção de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, devido principalmente às ações causadas pelas pessoas.

E se você conhece mais características da anatomia do coelho que não estão aqui, não esqueça de deixar seu comentário!

No vídeo a seguir, você saberá porque não deve hipnotizar um coelho:

Se deseja ler mais artigos parecidos a Anatomia do coelho, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de O que precisa saber.

Bibliografia
  • Camacho, A., Bernejo, L., Viera, J., y Mata, J. (2010). Manual de Cunicultura. Escuela Técnica Superior de Ingeniería Agraria. Universidad de La Laguna. Disponível em: <https://riull.ull.es/xmlui/bitstream/handle/915/2599/libro%20cunicultura%202010.pdf>. Acesso em 24 de agosto de 2021.
  • Rodríguez-Aarcón, c.; Pérez, e.; Martín, u.; rivera, r.; Hernández, a.; vivo, j.; Beristain, m. & Usón, J. (2010). Morfometría del esófago abdominal y del estómago del conejo (Oryctolagus cuniculus). Aplicaciones a la cirugía laparoscópica. Int. J. Morphol., 28(1):27-31, 2010. Disponível em: <https://scielo.conicyt.cl/pdf/ijmorphol/v28n1/art04.pdf>. Acesso em 24 de agosto de 2021.
  • Villafuerte, R. & Delibes-Mateos, M. 2019. Oryctolagus cuniculus (versión de erratas publicada en 2020). La Lista Roja de Especies Amenazadas de la UICN 2019: e.T41291A17061965. Disponível em: <https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2019-3.RLTS.T41291A170619657.en>. Acesso em 24 de agosto de 2021.

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Anatomia do coelho
Imagem: pinterest.com
1 de 3
Anatomia do coelho

Voltar ao topo da página