Partilhar

Peixes pulmonados: características e exemplos

 
Por Ana Diaz Maqueda. 29 julho 2019
Peixes pulmonados: características e exemplos

Os peixes pulmonados formam um raro grupo de peixes muito primitivos, que têm a capacidade de respirar ar. Todas as espécies viventes deste grupo vivem no hemisfério sul do planeta, e como animais aquáticos, sua biologia é muito determinada por esse meio.

Neste artigo do PeritoAnimal, vamos entrar no mundo dos peixes pulmonados, como eles são, como respiram, e veremos alguns exemplos de espécies de peixes pulmonados e suas características.

O que são peixes pulmonados

Os dipnoicos ou peixes pulmonados são um grupo de peixes pertencente à classe sarcopterygii, na qual estão classificados os peixes que apresentam nadadeiras lobadas ou carnosas.

A relação taxonômica dos peixes pulmonados com outros peixes gera muita controvérsia e disputa entre os pesquisadores. Se, como se acredita, a classificação atual é correta, esses animais devem estar intimamente relacionados ao grupo de animais (Tetrapodomorpha) que deu origem aos atuais vertebrados tetrápodes.

Atualmente são conhecidas seis espécies de peixes pulmonados, agrupadas em duas famílias, lepidosirenidae e Ceratodontidae. Os lepidosirenídeos estão organizados em dois gêneros, protopterus, na África, com quatro espécies vivas, e o gênero Lepidosiren na América do Sul, com uma única espécie. A família Cerantodontidae possui apenas uma espécie, na Austrália, Neoceratodus fosteri, que é o peixe pulmonado vivo mais primitivo.

Peixes pulmonados: características

Como dissemos, os peixes pulmonados têm nadadeiras lobadas, e ao contrário de outros peixes, a coluna vertebral chega até o final do corpo, onde desenvolvem duas dobras de pele que atuam como nadadeiras.

Eles têm dois pulmões funcionais quando adultos. Estes derivam da parede ventral no final da faringe. Além dos pulmões, eles têm brânquias, mas elas só realizam 2% da respiração do animal adulto. Durante as fases larvais, estes peixes respiram graças às brânquias.

Eles têm orifícios nasais, mas não os usam para tomar ar, em vez disso, tem uma função olfativa. Seu corpo é coberto por escamas muito pequenas que ficam embutidas na pele.

Esses peixes vivem em águas continentais pouco profundas e, durante a estação seca, se enterram no barro, entrando em uma espécie de hibernação ou letargia. Tampam sua boca com uma "tampa" de barro que tem um pequeno orifício através do qual o ar necessário para a respiração pode entrar. São animais ovíparos, sendo que o macho é o encarregado de cuidar da prole.

Peixes pulmonados: respiração

Os peixes pulmonados têm dois pulmões e apresentam um sistema circulatório com dois circuitos. Esses pulmões têm muitas cristas e partições para aumentar a superfície de troca gasosa, e também são muito vascularizados.

Para respirar, esses peixes sobem à superfície, abrindo a boca e expandindo a cavidade oral, forçando o ar a entrar. Em seguida, eles fecham a boca, comprimem a cavidade oral e o ar passa para a cavidade pulmonar mais anterior. Enquanto a boca e a cavidade anterior do pulmão permanecem fechadas, a cavidade posterior contrai e exala o ar inspirado na respiração anterior, deixando este ar sair pelos opérculos (onde brânquias são normalmente encontradas nos peixes com respiração aquática). Uma vez que o ar foi exalado, a câmara anterior se contrai e se abre, permitindo que o ar passe para a câmara posterior, onde ocorrerá a troca gasosa. A seguir, veja os peixes pulmonados, exemplos e descrição das espécies mais conhecidas.

Piramboia

A piramboia (Lepidosiren paradoxa) é um dos peixes pulmonados, está distribuída pelas áreas fluviais de Amazonas e outras partes da América do Sul. A aparência lembra a de uma enguia, e pode chegar a mais de um metro de comprimento.

Vive em águas rasas e preferencialmente paradas. Quando o verão chega com as secas, esse peixe constrói uma toca no barro para manter a umidade, deixando buracos para permitir a respiração pulmonar.

Peixes pulmonados: características e exemplos - Piramboia

Peixe-pulmonado-africano

O Protopterus annectens é uma das espécies de peixes pulmonados que vive na África. Ele também tem forma de enguia, embora as nadadeiras sejam muito longas e filamentosas. Habita os países da África ocidental e central, mas também uma determinada região oriental.

Esse peixe tem hábitos noturnos e durante o dia permanece escondido em meio à vegetação aquática. Durante as secas, eles cavam um buraco onde entram verticalmente, para que a boca permaneça em contato com a atmosfera. Se o nível da água cair abaixo do seu buraco, eles começam a secretar um muco para manter a umidade em seu corpo.

Peixes pulmonados: características e exemplos - Peixe-pulmonado-africano

Peixe-pulmonado-australiano

O peixe-pulmonado-australiano (Neoceratodus forsteri) vive no sudoeste de Queensland, na Austrália, nos rios Burnett e Mary. Ainda não foi avaliado pela IUCN, portanto o estado de conservação é desconhecido, mas ele é protegido pelo acordo CITES.

Ao contrário de outros peixes pulmonados, o Neoceratodus forsteri tem apenas um pulmão, por isso não pode depender apenas da respiração aérea. Esse peixe vive em áreas profundas do rio, se escondendo durante o dia e se movendo lentamente pelo fundo lamacento à noite. São animais grandes, com mais de um metro de comprimento na idade adulta e mais de 40 quilos de peso.

Quando o nível da água cai devido à seca, esses peixes pulmonados permanecem no fundo, já que eles têm apenas um pulmão e também precisam realizar a respiração aquática através das brânquias.

Peixes pulmonados: características e exemplos - Peixe-pulmonado-australiano

Se deseja ler mais artigos parecidos a Peixes pulmonados: características e exemplos, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Curiosidades do mundo animal.

Bibliografia
  • Cousseau, M. B., J. M. Díaz De Astarloa; M. D. Ehrlich, N.N. Fabré & D. E. Figueroa. 2010. Ictiología. Aspectos fundamentales. La vida de los peces sudamericanos. Eudem, Mar del Plata. 665 pp. INOUE, J.G.; M. MASAKI; K. TSUKAMOTO & M. NISHIDA. 2003. Basal actinopterygian relationships: a mitogenomic perspective on the phylogeny of the “ancient fish”. Molecular Phylogenetics and Evolution 26: 110-120
  • Lorencio, C. G. (1996). Ecología de peces (Vol. 45). Universidad de Sevilla.
  • Mac Donagh, E. J. (1945). Hallazgo de una Lepidosiren paradoxa en el Delta del Paraná. Notas del Museo de La Plata, 10.
  • Monasterio de Gonzo, G., Martínez, V. H., & Fernández, L. (2011). Peces de ambientes extremos del noroeste argentino. Revista de Divulgación Científica del Instituto de Bio y Geociencias, 1(3), 129-139.
  • Parker, W. N. (1892). On the anatomy and physiology of Protopterus annectens. The Transactions of the Royal Irish Academy, 30, 109-230.
  • Reiner, A., & Northcutt, R. G. (1987). An immunohistochemical study of the telencephalon of the African lungfish, Protopterus annectens. Journal of Comparative Neurology, 256(3), 463-481.

Vídeos de Peixes pulmonados: características e exemplos

1 de 3
Vídeos de Peixes pulmonados: características e exemplos

Escrever comentário sobre Peixes pulmonados: características e exemplos

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Peixes pulmonados: características e exemplos
1 de 4
Peixes pulmonados: características e exemplos

Voltar ao topo da página