Partilhar

Quanto vive um elefante

 
Por Nelson Ferreira, Redator do Perito Animal. Atualizado: 20 janeiro 2017
Quanto vive um elefante

Os elefantes ou elefantídeos são mamíferos classificados na ordem Proboscidea, embora antigamente se classificassem nos Paquidermos. São os maiores animais terrestres que existem hoje em dia, conhecidos por serem muito inteligentes. Atualmente conhecem-se dois gêneros, falamos dos elefantes africanos e os elefantes asiáticos.

Estes animais vivem muito tempo, em grande medida porque não têm predadores naturais. No entanto, ao contrário do que acontece com outras espécies de animais, em cativeiro reduzem o seu tempo de vida para pouco mais de metade, o que é um pouco preocupante para a conservação da espécie.

Neste artigo do Perito Animal vai poder descobrir quanto tempo vive um elefante, assim como também diversos fatores de risco que fazem reduzir a esperança de vida deste majestosos animais.

Também lhe pode interessar: Quanto pesa um elefante

A esperança de vida do elefante

Os elefantes são animais que vivem muitos anos, no seu habitat natural podem chegar a viver em média de 40 a 60 anos. Inclusivamente já se encontraram evidências que sugerem que alguns exemplares no Quênia podem ter vivido até 90 anos.

A longevidade que os elefantes podem ter são variáveis que mudam dependendo do país onde o animal viva e do ambiente em que se encontre, como acontece com qualquer outro animal. Estes animais não têm inimigos naturais, com a excepção do homem, o que faz com que em alguns casos a esperança de vida do elefante baixe para os 35 anos em média.

Uma das coisas que preocupa os centros de proteção desta espécie, é que em cativeiro os elefantes reduzem demasiado a sua esperança de vida. O máximo que os elefantes chegam a viver em condições normais e privados da sua vida selvagem, são 19 a 20 anos de idade. Tudo isto acontece ao contrário da maioria das espécies que, em cativeiro, tendem a aumentar a sua esperança média de vida.

Quanto vive um elefante - A esperança de vida do elefante

Fatores que reduzem a esperança de vida dos elefantes

Um dos maiores fatores que impedem que este majestoso animais viva até aos 50 anos de idade, é o homem. A caça desmedida, graças ao comércio de marfim, é um dos inimigos principais dos elefantes, o que reduz muitíssimo a esperança de vida destes animais.

Outro fato que impede uma vida mais longa para o elefante, é que a parir dos 40 anos os seus dentes vão se desgastando, o que os impede de comer normalmente e por conseguinte acabam morrendo. Uma vez que usem os seus últimos dentes, a morte é inevitável.

Além disso existem outros fatores de saúde que impedem que o elefante tenha uma vida mais longa, por exemplo a artrite e problemas vasculares, ambos fatores relacionados com o seu tamanho e peso. Em cativeiro, a esperança de vida reduz para mais de metade, isto graças ao estresse, à falta de exercício e à extrema obesidade.

Quanto vive um elefante - Fatores que reduzem a esperança de vida dos elefantes

Dados curiosos da vida dos elefantes

  • Os elefantes jovens que dão à luz antes dos 19 anos de idade, duplicam as possibilidades de viver mais tempo.

  • Quando os elefantes já são muito velhos e estão quase a morrer, procuram um charco de água para permanecer ali até que o seu coração deixe de bater.

  • O caso documentado do elefante mais velho da história foi o de Lin Wang, um elefante usado pelas Forçar Expedicionárias Chinesas. Em cativeiro, este animal chegou surpreendentemente aos 86 anos de idade.
Quanto vive um elefante - Dados curiosos da vida dos elefantes

Sabia que o elefante é um dos cinco grandes de África?

Também lhe recomendamos que veja os seguintes artigos sobre elefantes:

Se deseja ler mais artigos parecidos a Quanto vive um elefante, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Curiosidades do mundo animal.

Escrever comentário sobre Quanto vive um elefante

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Quanto vive um elefante
1 de 4
Quanto vive um elefante

Voltar ao topo da página