menu
Partilhar

Gorila-do-ocidente

Atualizado: 17 fevereiro 2022
Gorila-do-ocidente

Os gorilas são os maiores primatas existentes e estão intimamente relacionados com os humanos, uma vez que partilhamos uma elevada percentagem dos nossos genes. Estes animais são espantosos, ao ponto de algumas pessoas acreditarem que são inteligentes devido à sua capacidade de comunicar e porque são capazes de desenvolver capacidades de utilização de ferramentas. Mas como uma grande percentagem da biodiversidade animal, os gorilas estão gravemente ameaçados.

Nesta ficha do PeritoAnimal, queremos te apresentar informações sobre as características, habitat e hábitos do gorila-do-ocidente, continue lendo e descubra as suas características mais marcantes.

Origem
  • África
  • Angola
  • Congo, República Democrática do
  • Gabão
  • Guiné Equatorial
  • Nigéria
  • República dos Camarões

Características do gorila-do-ocidente

Os gorilas são primatas muito grandes e robustos, com uma força surpreendente que corresponde ao seu peso e tamanho. Existe dimorfismo sexual na espécie, uma vez que os machos são maiores que as fêmeas, atingindo um peso de cerca de 180 kg em estado selvagem. Mas em cativeiro podem atingir 275 kg. As fêmeas, por outro lado, atingem geralmente metade desse peso. Em termos de altura, em média, os machos têm 1,75 m de altura e as fêmeas 1,25 m de altura.

Estes animais estão quase inteiramente cobertos de pelo áspero e preto escuro, exceto o rosto, orelhas, mãos e pés. Podem encontrar-se indivíduos com uma coloração ligeiramente acastanhada a cinzenta nesta espécie. Há uma peculiaridade na pelagem dos machos: com a idade, alguns desenvolvem uma coloração cinzenta nas costas e um destes machos dominantes assume o controle do grupo. Isto levou-os a serem conhecidos como lombro prateado.

Os gorila-do-ocidente têm um focinho curto, olhos e ouvidos pequenos, com narinas grandes, por isso se destacam no rosto. As suas mandíbulas também são grandes, com dentes fortes e largos. Estes animais têm um polegar oponível, tal como os humanos, uma característica que lhes confere certas capacidades em termos de manipulação com as suas mãos.

Subespécies do gorila-do-ocidente

O gorila-do-ocidente pertence à espécie Gorilla gorilla e se divide em duas subespécies:

  • Gorila-ocidental-das-terras-baixas (Gorilla gorilla gorilla)
  • Gorila-do-rio-cross (Gorilla gorilla diehli)

Habitat do gorila-do-ocidente

Os gorilas-do-ocidente se reproduzem principalmente em florestas secundárias, com um copado aberto, permitindo uma boa incidência solar no solo. Os rios regionais e a fragmentação do habitat são barreiras comuns a esta espécie.

O gorila-ocidental-das-terras-baixas pode ser encontrado tanto em zonas pantanosas como em florestas de terra firme nos Camarões a sul do rio Congo e também a leste do rio Ubangi. A subespécie gorila-do-rio-cross encontra-se na zona fronteiriça entre a Nigéria e os Camarões. Nas zonas altas do Rio Cross, está distribuído em florestas muito afastadas, muito provavelmente em busca de distância de atividades humanas como a caça, mas pode eventualmente aparecer em áreas baixas.

Costumes do gorila-do-ocidente

Esta espécie de gorila tende a viver em grupos, com alguma diferença em números, dependendo da subespécie. O gorila-do-rio-cross tende a se reunir em grupos de até 20 indivíduos, enquanto que o gorila-ocidental-das-terras-baixas vive em grupos de 10 gorilas, em média.

Nestas famílias há um macho de lombo prateado dominante e fêmeas com as suas crias. Contudo, é comum que os machos mais jovens também vivam perto do grupo principal. Os lombo prateados podem ser substituídos por um macho mais jovem que demonstre maior força. Quando isto ocorre, o novo líder normalmente mata a descendência do antigo líder para impedir as mães de amamentar e entrar na fase reprodutiva, de modo que ele procure garantir a produção da sua descendência. O indivíduo expulso geralmente levará uma vida solitária.

Os gorilas costumam ser tímidos e pacíficos, mas isto não diminui a sua ferocidade, especialmente os machos, que podem ser bastante agressivos e perigosos para os intrusos ou caso se sintam ameaçados. Um comportamento típico de um macho ameaçado é bater com o peito em posição ereta, bem como rugir alto.

Estes animais têm o hábito de formar uma espécie de ninho com ramos, o que podem fazer numa árvore ou no chão, que utilizam como local para dormir. Por outro lado, é também comum que eles limpem uns aos outros.

Alimentação do gorila-do-ocidente

O gorila-do-ocidente é principalmente uma espécie herbívora, consumindo caules suculentos de plantas, mas também inclui folhas, bagas e casca fibrosa.

A subespécie Gorilla gorilla diehli, consome gramíneas terrestres e casca durante todo o ano, enquanto os frutos são limitados à sazonalidade. O Gorila gorila gorila se alimenta de espécies como a Aframomum spp. e também consome folhas e brotos da família Marantaceae. Quanto aos frutos, também dependem da estação do ano. Além disso, esta subespécie inclui formigas, cupins e algumas plantas aquáticas na sua dieta.

Estes animais alimentam-se principalmente de manhã e à noite, passando horas nesta atividade. Por outro lado, são capazes de escalar grandes alturas para obter alimentos de algumas árvores.

Reprodução do gorila-do-ocidente

As fêmeas amadurecem sexualmente aos 10 anos de idade, enquanto os machos amadurecem aos 18. A tendência é que o macho dominante acasale com as fêmeas do grupo, e devido à sua habilidade e força, ele seja preferido por elas.

Assim como os humanos, os gorilas não têm uma época de reprodução particular e as fêmeas têm ciclos menstruais de 28 em 28 dias. O tempo de gestação tende a ser de cerca de 256 dias, cerca de nove meses, e nasce uma única cria pesando cerca de 2 kg.

Os recém-nascidos são amamentados por longos períodos, cerca de 4 a 5 anos, durante os quais se tornam independentes. As fêmeas se reproduzem geralmente em intervalos de 4 a 6 anos. É importante salientar que a mortalidade dos recém-nascidos pode atingir 65%. No entanto, embora os machos não interajam muito com os seus descendentes, eles protegem o grupo familiar com ferocidade.

Estado de conservação do gorila-do-ocidente

O gorila-do-ocidente está gravemente ameaçado, com uma tendência populacional em declínio. Isto se deve principalmente ao abate do gorila para o consumo da sua carne, apesar de que qualquer caça ou armadilha do gorila é ilegal. Os níveis de captura das espécies são alarmantes e massivos, mesmo em áreas protegidas.

Especialmente a subespécie de gorila-do-rio-cross é fortemente impactada, sendo pequena e dividida. Os gorilas sofrem as consequências da caça oportunista, ou seja, muitos caçadores que procuram outras espécies tiram proveito dos encontros com estes animais. Além disso, é comum que os gorilas sejam apanhados em armadilhas utilizadas para outros animais.

Por outro lado, uma grande parte do território foi dada em concessão para a exploração madeireira, de modo que o habitat desses animais está fortemente alterado. Além disso, a infecção pelo vírus Ebola é outra causa importante que afeta estas populações de primatas. Como se estes aspectos não fossem suficientes, estima-se que as alterações climáticas irão afetar significativamente o habitat da espécie e, portanto, a própria espécie.

Existem leis em toda a região onde vive o gorila-do-ocidente. Contudo, existem grandes inconsistências na sua aplicação, resultando nas trágicas consequências descritas acima.

Bibliografia
  • Csomos, R. (2008). "Gorilla gorilla". Animal Diversity Web. University of Michiga, Museum of Zoology. Disponible en: https://animaldiversity.org/accounts/Gorilla_gorilla/
  • Autor indefinido. (2018). Gorilla gorilla (versión modificada de la evaluación de 2016). La Lista Roja de Especies Amenazadas de la UICN 2018: e.T9404A136250858.Disponible en: https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2018-2.RLTS.T9404A136250858.en

Fotos de Gorila-do-ocidente

Artigos relacionados

Suba a sua foto de Gorila-do-ocidente

Suba a foto do seu Pet

Escrever comentário

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
Como avalia esta raça?
Gorila-do-ocidente
Gorila-do-ocidente

Voltar ao topo da página