Os parasitas externos do cachorro

Os parasitas externos do cachorro

Conhecer os parasitas externos que podem afetar o nosso cachorro é muito importante para detetar rapidamente o seu aparecimento. Nos casos mais leves podemos falar de incômodos e coceira, mas se a situação se agravar, a vida e a saúde do nosso melhor amigo podem ser gravemente afetadas.

Neste artigo do PeritoAnimal vamos falar sobre os parasitas externos do cachorro, pequenos hóspedes que vivem na superfície do corpo, alimentando-se diretamente do nosso pet.

Os parasitas externos do cachorro são as pulgas, os carrapatos, os ácaros e qualquer outro inseto cujo ciclo de vida decorra sobre o corpo do cachorro. Não se esqueça que se o cão infetado é um filhote deve ir de imediato ao veterinário.

Pulgas

As pulgas são pequenos parasitas de cor café escuro que habitam entre o pelo do cachorro e outros animais. São tão pequenas e rápidas que é difícil detetá-las, mas é fácil detetar o seu excremento.

Desenvolvem-se em climas quentes e úmidos, pelo que podem representar um problema estacional ou permanente, dependendo do clima onde vive. As pulgas chupam o sangue do cachorro e, ao fazerem isto, podem transmitir-lhe doenças contagiosas. Além disso, os cachorros que apresentam uma infestação massiva de pulgas podem chegar a ter anemia.

A saliva da pulga também pode causar alergia em alguns cães, fazendo com que o cachorro se coce em excesso e possa chegar a magoar-se a si mesmo. Embora não seja muito frequente o fato das pulgas transmitirem doenças contagiosas aos cachorros, isto pode acontecer com as tênias, os vermes e até a peste bubônica.

Descubra no PeritoAnimal quanto tempo vive uma pulga e como eliminar as pulgas do cachorro.

Carrapatos

Os carrapatos são parasitas de tamanho grande, fáceis de ver. Podem-se apalpar com relativa facilidade quando se acaricia o cachorro e tratam-se de parasitas realmente perigosos.

Agarram-se à pele dos cachorros e outros mamíferos durante a sua etapa adulta sugando-lhes o sangue antes de se reproduzirem e transmitem doenças muito sérias. Também podem causar anemia quando o cachorro está massivamente infestado ou causar um choque paralisante.

Se detetar a presença de carrapatos no seu cachorro nunca deve puxá-los, deve utilizar material específico para os retirar e ir ao veterinário de imediato. Também pode usar remédios caseiros para prevenir o seu aparecimento.

Sarna

Ácaros da sarna sarcóptica

Os ácaros da sarna sarcóptica são parasitas microscópicos que se estabelecem sobre a pele do cachorro. Causa, como é de esperar, a sarna. Estes parasitas podem contagiar-se a outros animais, incluindo o ser humano.

Estes ácaros causam irritação na pele, perda de pelo e costras. Se a doença não for tratada, pode causar outros transtornos orgânicos e o cachorro pode chegar a morrer.

Ácaros da sarna demodécica

Os ácaros da sarna demodécica são longos e microscópicos. Fazem parte da microfauna da pele do cachorro e não são altamente contagiosos. A doença ocorre quando a concentração destes ácaros aumenta, embora não se conheçam com certeza as causas disto. Estes ácaros causam a denominada sarna demodécica, que se pode apresentar em duas variedades: localizada e generalizada.

A sarna demodécica localizada é um problema leve que costuma se resolver de forma espontânea na maioria dos casos. Os seus sintomas incluem perda localizada de pelo, descamação e manchas escuras.

A sarna demodécica generalizada é uma condição grave que pode levar à morte do cachorro. Apresenta-se inicialmente com perda localizada de pelo, mas com o tempo ocorrem complicações colaterais. A complicação mais comum é a infecção bacteriana da pele ou piodermia, que inclui prurido, inflamação de gânglios, supuração e mau cheiro.

Descubra tudo sobre a sarna em cães, os seus sintomas e tratamento neste artigo.

Ácaros das orelhas

Os ácaros das orelhas são idênticos aos ácaros da sarna sarcóptica, mas são um pouco maiores. Contagiam-se por contato direto do cachorro com outros animais infetados ou com superfícies onde se encontram estes parasitas.

Estes ácaros estabelecem-se no canal auditivo e zonas adjacentes, e causam uma incômoda irritação e coceira no cachorro.

Para aliviar o incômodo, o cachorro coça-se constantemente e pode chegar a fazê-lo demais. Pode esfregar a sua cabeça com frequência contra as paredes e outras superfícies rugosas, e pode inclusive chegar a se magoar de tanto se coçar.

O cachorro infetado com estes ácaros sacude a sua cabeça com muita frequência. Também é comum ver um líquido escuro saindo do canal auditivo. Se a infecção for muito grave, o cachorro caminha em círculos.

Tratamento dos parasitas externos

Como qualquer tratamento médico do cachorro, o tratamento dos parasitas externos deve ser levado a cabo e/ou recomendado pelo veterinário. Ainda assim, quando existem muitos anti-parasitários de livre distribuição comercial, é recomendável que seja o veterinário a decidir qual é o tratamento a seguir em cada caso.

Não se esqueça da importância de prevenir o aparecimento de todos estes problemas com o uso de pepitas ou colares anti-parasitas. Também são boas formas de prevenção o banho do cachorro e a higiene das suas orelhas.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Os parasitas externos do cachorro, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças parasitárias.