Meu pet morreu, o que fazer?

Meu pet morreu, o que fazer?

Se você chegou a este artigo porque perdeu recentemente o seu pet, lamentamos muito! Todos os que vivemos com os animais não humanos sabemos o quanto custa quando eles partem. Infelizmente, a maioria dos pets tem uma esperança de vida inferior à dos seres humanos. Por essa razão, todos os que partilhamos a nossa vida com seres não humanos, mais cedo ou mais tarde vamos passar por este momento.

Neste momento de tristeza profunda é muito comum os tutores se perguntarem "o meu pet morreu, e agora?". O PeritoAnimal escreveu este artigo para o ajudar neste momento tão complicado ou para o preparar caso ainda não tenha acontecido.

A perda de um pet

Os pets, hoje em dia, têm um papel fundamental na estabilidade emocional dos humanos que vivem com eles. Os animais trazem muitos benefícios para os seres humanos, seja pela troca recíproca de amor e carinho ou mesmo através do efeitos terapêuticos como as terapias assistidas com cães, cachorros utilizados para ajudar crianças autistas e idosos, terapias feitas com cavalos, etc. A importância dos animais na nossa vida é inegável, assim como o vínculo que se cria entre nós e eles. Por essa razão, quando um animal morre é claro que a morte dele vai ser dramática e deixar marcas em todos os que o rodeavam.

Infelizmente, a sociedade não vê da mesma forma a perda de um pet como vê a perda de um membro da família humano. Por este motivo, é muito comum que quem perde um pet tenha tendência a isolar-se e a sofrer psicologicamente devido a esta desvalorização da sua dor por parte da sociedade.

O meu gato morreu e eu estou muito triste

Se o seu gato ou outro pet morreu é normal e perfeitamente "saudável" que você esteja triste. Você perdeu o seu companheiro, um amigo que estava com você todos os dias, que recebia o seu amor e lhe retribuía de volta. Este momento é muito complicado de ultrapassar, mas você vai conseguir ficar bem. Estes são alguns conselhos que consideramos importante você seguir:

Aceite a sua dor

Comece por aceitar a sua dor e que é perfeitamente natural o que está a sentir. Todos nós que já passamos por isso sabemos o quanto custa e todos o sentimos de modo diferente. Tal como quando perdemos uma pessoa importante para nós, todos vivemos o luto de forma diferente. A dor faz parte do luto, não temos como a evitar. Não tem problema nenhum chorar! Chore e chore muito! Liberte tudo o que tem aí dentro. Se for preciso gritar em plenos pulmões, grite! Se sente raiva, faça exercício físico para a libertar, é a forma mais saudável para o fazer.

Converse sobre isso

Como seres sociáveis que somos, precisamos de conversar. Esta situação não é exceção! Você precisa de conversar com alguém, seja um amigo, familiar ou conhecido. Você não precisa de opiniões, precisa de ser ouvido e compreendido. Procure esse seu amigo que sabe ouvir e que está sempre presente quando você precisa. Você pode também procurar falar com outras pessoas que passaram pelo mesmo recentemente. Se não conhece ninguém que tenha passado por isso, procure em fóruns e redes sociais. Hoje em dia existem muitos grupos onde as pessoas partilham aquilo que sentem. É mais fácil gerir a dor sabendo que não estamos sozinhos e acredite, você não está! Todos nós que amamos os nossos animais e já perdemos algum, sabemos exatamente o que você está a passar e o quão difícil é lidar com essa dor.

Peça ajuda a um profissional

Conversar com um profissional pode ajudar a ultrapassar a perda. O terapeuta estará ali para ajudar sem criticar nem julgar, o que pode ser muito útil para você conseguir ultrapassar este momento terrível da sua vida. Principalmente se você sente que não está a conseguir viver normalmente, se não consegue realizar normalmente tarefas do dia-a-dia como cozinhar, arrumar, trabalhar etc. Não espere que o problema se agrave ao ponto de ser muito difícil de combater. Não tem nenhum problema em procurar ajuda. Hoje em dia existem muitos psicólogos especialistas em luto e muito deles com muita experiência em processos de luto relacionados com a perda de animais de companhia. Pergunte ao seu médico veterinário se conhece algum profissional perto da sua zona. Muitas clínicas veterinárias já trabalham com psicólogos que ajudam no processo do luto.

Como enterrar um cão

Depois da morte de um animal, muitas pessoas ficam sem saber o que fazer com o corpo dele. Num ato de desespero, algumas pessoas até jogam os seus animais no lixo ou em terrenos vazios. Você precisa saber que esta opção coloca em risco a saúde pública! Existem muitas doenças transmitidas dos animais para os seres humanos.

Se você gostava de enterrar o seu cachorro ou outro pet, existem alguns cemitérios de animais em algumas cidades. São locais com autorizações específicas das prefeituras e seguem as devidas exigências para a segurança de todos.

Se você quer enterrar o seu animal no seu quintal, utilize um saco de plástico resistente que feche hermeticamente. Jamais jogue o animal no rio ou no lixo. Os cadáveres são uma fonte de contaminação muito perigosa para os nossos solos e lençóis freáticos.

Recolher animais mortos

Fale com uma clínica veterinária da sua zona e pergunte se têm esse serviço de recolha de animais. O lixo gerado pelas clínicas é lixo hospitalar e as prefeituras recolhem e fazem incineração (incluindo de cadáveres de animais).

Em grandes cidades, como São Paulo, existem crematórios para animais. Você pode inclusive ficar com a urna com as cinzas do seu fiel companheiro.

Funeral para animais

Para algumas pessoas, uma cerimônia de despedida pode ser muito útil no processo de aceitação da perda do pet. Claro que a sociedade não aceita este tipo de cerimônias como deveria. O que interessa o que pensa a sociedade se quem está a sofrer é você? Rodeie-se dos seus melhores amigos e das pessoas que o compreendem. Se organizar um funeral é importante para você, nem tenha duvidas em fazê-lo. Existem já alguns serviços especializados nestas cerimônias com animais. Você pode contratar um serviço especializado ou organizar você mesmo uma cerimônia. Faça aquilo com que se sentir mais confortável e tudo aquilo que o ajudar a ultrapassar este momento!

Imagem: dejonpetservices.com

Como contar para criança que o pet morreu?

As crianças criam vínculos muito fortes com os pets. Aliás, até uma certa idade, as crianças acreditam mesmo que o pet é o melhor amigo delas. A morte do pet pode ser muito traumática para a criança. Sabemos que, por essa razão, muito adultos preferem mentir ou inventar uma história para a criança não perceber o que realmente aconteceu.

Os especialistas em comportamento infantil afirmam que você não deve mentir em situações como estas. Independentemente da idade da criança, você deve contar a verdade. As crianças são muito mais espertas do que por vezes os adultos pensam. Histórias como "o cachorrinho foi dormir e não acordou" ou "o gato decidiu ir embora" vão despertar muitas dúvidas e confusão na cabeça das crianças, que rapidamente vão perceber que você está mentindo. Se descobrirem que você mentiu, podem se sentir traídas e o sentimento de traição pode machucar ainda mais a criança.

O ideal será você contar toda a verdade para a criança. Os psicólogos aconselham que este momento aconteça num local da casa onde as crianças se sintam confortáveis, como o quarto delas. Conte a verdade, mas sem chocar a criança. Você não quer que a criança fique assustada e fique pensando que a mesma coisa vai acontecer com outros amigos ou familiares dela.

Depois de contar para a criança, respeite o momento de tristeza dela. Muito provavelmente, a criança vai chorar e ficar triste. Pode também acontecer que a criança não reaja de imediato. Tal como os adultos, as crianças têm diferentes tipos de luto. Você deve respeitar o espaço da criança quando ela lhe pedir. Esteja perto para a reconfortar quando vir que ela precisa. Deixe que ela fale e expresse os sentimentos dela pois isso é muito importante para que ela consiga ultrapassar a perda.

Todos em casa estão tristes, não tenha medo de mostrar isso para a criança. É perfeitamente normal todos sofrerem se o vosso pet morreu, ele fazia parte da vossa família. Seja também um exemplo para a criança de que juntos conseguem ultrapassar e aceitar o que aconteceu. Se a criança vê que os pais ficam bem, ela sabe que também consegue ficar.

Devo adotar outro pet?

Alguns tutores ponderam se devem ou não adotar outro animal depois da morte do pet deles. Outros tutores não conseguem sequer pensar em colocar outro animal dentro de casa. Muito provavelmente, mesmo que ao fim de alguns meses, a questão de uma nova adoção vai surgir.

A adoção de um novo pet não vai apagar o vazio que o seu fiel companheiro deixou ao partir. Porém, a presença de um novo animal na casa pode ajudar a ultrapassar o luto. Pondere muito bem antes de tomar esta decisão. Não espere que o novo animal seja igual ao que partiu. Existe uma grande tendência para procurarmos aquilo que perdemos. Relembre que cada animal é um mundo e mesmo que seja da mesma espécie e até raça, cada animal tem uma personalidade própria e nunca vai ser igual ao que partiu. Se tomar a decisão de adotar um novo animal, adote com plena consciência de que é um indivíduo totalmente diferente do anterior, com o qual vai viver novos momentos, novas aventuras e construir uma história do zero.

Se tomou a decisão de adotar um novo animal, por exemplo um novo cachorrinho, visite uma associação perto de sua casa. Adotar um vira-lata tem muitas vantagens e, infelizmente, milhares de cachorros estão esperando um lar. Também muitos desses cachorros estão passando por um luto porque perderam ou foram abandonados pelos tutores em quem tanto confiavam.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Meu pet morreu, o que fazer?, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de O que precisa saber.