Partilhar

Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros

 
Por Nelson Ferreira, Redator do Perito Animal. Atualizado: 13 março 2018
Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros

Ver fichas de  Cachorros

A época natalina é a favorita de muitos, não só pela comida deliciosa, os presentes e a iluminação chamativa, e além disso o espirito de fraternidade e paz que caracteriza esta celebração pode ser verdadeiramente reconfortante.

No PeritoAnimal sabemos que se tem um cachorro em casa certamente desfrutará da alegria que se respira durante estas festas, nas quais terá a oportunidade de estar em contacto com um ambiente diferente e, inclusivamente, conhecer novos familiares com quem brincar. No entanto, nem tudo é diversão. Existem alguns riscos, relacionados com elementos típicos do Natal, que pode colocar o nosso amiguinho em perigo. Um dos mais comuns e mais chamativos para os cães é a tradicional planta de Natal, que faz parte da lista de plantas venenosas para cachorros. Assim sendo, queremos falar-lhe sobre os primeiros socorro se o seu cachorro comeu a planta de Natal. Descubra o que deve fazer para estar bem informado e evitar que o problema se agrave.

Também lhe pode interessar: Feridas em cachorros - Primeiros socorros

O que é a planta de Natal?

A planta de Natal ou Poinsétia. de nome científico Euphorbia pulcherrima, trata-se de uma planta que é uma decoração comum na época natalina, graças ao vistoso vermelho vivo que dá cor às suas folhas.

A Poinsétia é inofensiva para os seres humanos, mas é perigosa para alguns animais domésticos, como os cachorros e gatos. A sua perigosidade reside no fato de a planta possuir algumas propriedades que são tóxicas para os animais, por isso é necessário que seja cuidadoso com o seu cachorro se decidiu ter uma destas plantas de Natal em sua casa.

Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros - O que é a planta de Natal?

Como a planta de Natal afeta o seu cachorro

Existem diversas vias pelas quais o seu cachorro pode sofrer os efeitos daninhos da planta de Natal. Uma delas é a ingestão, uma vez que a própria curiosidade do seu cachorro pode levá-lo a mordiscar a planta e, inclusivamente, comer algumas partes dela. Quando isto acontece, a seiva que contém irrita toda a cavidade bucal, podendo afetar o estômago e o esófago.

O seu cachorro também pode ser afeta se a sua pele, pelo ou olhos entrarem em contacto com a planta, como por exemplo quando se esfrega contra ela ou se aproxima para a cheirar. As consequências podem ser ainda piores se o cão apresentar alguma ferida a nível cutâneo, o que favorece a rápida absorção das toxinas. Este contacto com a pele e olhos pode provocar doenças como a queratite e a conjuntivite canina.

Apesar dos desconfortáveis efeitos, que devem ser atendidos de imediato, a planta de Natal não é mortal para os cachorros, embora seja capaz de provocar a morte em outras espécies, como por exemplo os gatos.

Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros - Como a planta de Natal afeta o seu cachorro

Quais os sintomas

Se o seu cachorro comeu a planta de Natal e, portanto, sofreu uma intoxicação por ingestão ou contacto com a planta de Natal, apresentará os seguintes sinais:

  • Vômitos
  • Diarreia
  • Hipersalivação
  • Fadiga
  • Tremores
  • Irritação da pele
  • Coceira
  • Bolhas (quando a dose ingerida é alta ou a exposição tenha sido prolongada)
  • Desidratação

Como deve socorrer o seu cachorro

Se suspeita que o seu cachorro está sofrendo uma intoxicação ou uma alergia produto do contacto com a planta de Natal, a primeira coisa que deve fazer é manter a calma e se assegurar que a planta é a culpada dos sintomas que o cachorro está tendo. Como fazer isso? Muito fácil: dê uma olhada na sua planta para descobrir se faltam alguns ramos ou folhas, e inclusivamente poderá encontrar mordidas se o seu cachorro a tiver tentado comer. Se se trata de intoxicação por contacto com a pele, deverá determinar se o seu cachorro teve acesso à planta de Natal.

Quando tiver a certeza disso, é o momento de agir seguindo os nossos conselhos:

  • Embora o efeito sobre os cães não seja letal, o animal deve ser atendido da mesma forma. Para isso, recomendamos que provoque o vômito quando de fato tenha existido ingestão da planta. Desta forma, eliminará parte do agente tóxico do corpo do animal enquanto recorre ao médico veterinário.
  • Se o seu cachorro expôs a sua pele e olhos ao efeito da planta, deve lavar com água fresca abundante a região afetada, e consultar o seu veterinário sobre possíveis fármacos que o cachorro possa precisar, tais como anti-alérgicos, colírio para os olhos ou fórmulas antissépticas.
  • Para combater a desidratação, dê ao seu cachorro água para beber e nunca o automedique, só o profissional veterinário é capaz de determinar que medicamentos são mais adequados.

Diante de uma intoxicação com a planta de Natal, será necessário um exame veterinário que permita avaliar o funcionamento dos rins do cachorro, para descartar possíveis complicações. Além disso, recomendamos sempre ter em casa medicamento que possa dar ao seu cachorro em caso de intoxicação, previamente autorizados pelo especialista, porque quanto mais rápido agir melhor será para o seu amigo patudo.

Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros - Como deve socorrer o seu cachorro

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Primeiros socorros.

Escrever comentário sobre Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros
1 de 4
Meu cachorro comeu a planta de Natal - Primeiros socorros

Voltar ao topo da página