Berne em cachorro - como tirar berne de cachorro

Berne em cachorro - como tirar berne de cachorro
Imagem: squananimalhospital.com

A dermatobiose, mais vulgarmente conhecida por berne é uma doença causada pela mosca varejeira (Dermatobia hominis).

A mosca deposita os ovos dela no pelos dos animais, humanos e não humanos, sendo que as larvas saem dos ovos, caminham até à pele e perfuram-na. Estas larvas possuem pequenos espinhos o que fazem com que seja muito doloroso para o animal sempre que elas se movem.

Infelizmente, esta doença acontece mais do que você pode pensar e por esse motivo o PeritoAnimal escreveu este artigo sobre a Berne em cachorro - como tirar berne de cachorro. Continue lendo!

Berne no cachorro

A berne é um tipo de miíase. A responsável por esta miíase é a larva da mosca Dermatobia hominis, a mosca varejeira como já referimos.

O ciclo de vida desta mosca é muito interessante, já que não é ela própria que infecta o animal, usando um insecto para esse efeito. Basicamente a mosca apanha um insecto hematófago (que se alimenta de sangue), na maior parte das vezes um mosquito e deposita no abdômen dele entre 6 e 30 ovos[1]. Quando esse mosquito pica o seu cachorro, a temperatura aumenta e as larvas saem dos ovos, infetando assim o cachorro. Depois, essas larvas penetram a pele do cachorro, provocando muita dor e desconforto. Na maior parte das vezes as larvas não penetram totalmente a pele, ficando no tecido subcutâneo do cachorro.

Cada larva produz um nódulo com um poro através do qual a larva respira. Estes nódulos podem ser encontrados por todo o corpo do cachorro, ou outro animal, infetado.

Berne em cachorro - sintomas

Os principais sinais clínicos da doença berne são os nódulos na pele do cachorro feitos pelas larvas. O cachorro pode apresentar inflamação dessa zona e inclusive pus. Essa inflamação pode provocar coceira e o facto do cachorro coçar pode levar a infecções secundárias e ulcerações.

Resumidamente os sintomas de berne em cachorro são:

  • Nódulos formados pelas larvas
  • Coceira
  • Pús
  • Possíveis ulcerações
  • Inflamação da pele

Outro sinal clínico possível é o cachorro lamber demasiado uma pata que esteja infetada, por exemplo.

Berne na pata do cachorro

Como já referimos, a berne pode ser na pata do cachorro. Uma das zonas eleitas destas larvas nos dedos do cachorro.

Se você observa o seu cachorro lambendo demasiado as patas dele, examine atentamente o que se passa, pois pode se tratar de algum corpo estranho, uma pequena ferida, uma alergia ou mesmo uma larva de mosca varejeira. Os cuidados com as patas do cachorro são muito importante na higiene dele.

Berne de cachorro passa para humanos?

Não. A berne de cachorro não passa para humanos. Apesar desta doença poder afetar humanos, ela não passa diretamente do cachorro para o ser humano. Por isso, se o seu cachorro tem berne, você pode estar descansado que não vai pegar em você.

Para os humanos seres infectados com Berne, o processo é o mesmo que no cachorro, tem de ser um mosquito a depositar os ovos que a mosca varejeira prendeu no abdômen dele. Assim, a melhor forma de você se proteger não é se afastar do cachorro, mas sim dos mosquitos.

Berne em cachorro - como tratar?

Medicamen

Alguns fármacos têm sido usados para tratar a Berne, como a Ivermectina. Porém, o Berne morto em cachorro provoca inflamação e as feridas não se curam tão facilmente[2].

Berne em cachorro como acabar

A melhor forma de acabar com Berne em cachorro é a remoção manual das larvas feita pelo médico veterinário, seguido do tratamento das feridas.

Geralmente, depois de removida a larva não existe infeção secundária e a ferida cura em uma semana. Por vezes, as infeção secundárias ocorrem porque as feridas atraem outros mosquitos e moscas para esse local e depositam mais ovos.

Berne em cachorro remedio caseiro

O Berne em cachorro é muito doloroso e por vezes a remoção das larvas é complicada e precisa de intervenção cirúrgica. Por esse motivo não é aconselhável usar remédios caseiros para a Berne em cachorro.

Relembramos de que cada vez que as larvas se mexem dentro do tecido subcutâneo do seu cachorro, elas provocam muitas dores. Por vezes, o animal precisa mesmo ser anestesiado para fazer esta remoção manual.

Como tirar berne de cachorro

Um dos melhores métodos que os veterinários utilizar para tirar berne de cachorro é a aplicação de parafina ou óleo mineral na região nodular, seguida de remoção manual das larvas. Por vezes, este método não é suficiente e o veterinário precisa de remover cirurgicamente as larvas do cachorro.

Berne em cachorro - como evitar

Muitos de casos de miíase ocorrem como consequência da exposição das feridas a mosquitos e moscas. Assim, é essencial que você tenha muita atenção e examine diariamente o corpo do seu cachorro. Evite que ele se envolva em brigas com outros cachorros.

Não descuide da higienização do ambiente do cachorro, de modo a evitar a presença de moscas. É importante referir que os ovos podem ser depositados na roupa e as larvas são capazes de penetrar as roupas. Assim, lave frequentemente a cama, mantas e outros tecidos com os quais você e os seus pets contactem. Veja também o nosso artigo sobre como espantar as moscas do cachorro.

A chave está na prevenção! Por isso, não se esqueça da prevenção de parasitas no seu cachorro. Muitas vezes, os mosquitos são esquecidos e os protocolos de desparasitação não os incluem. Porém, como você pode ver neste artigo, existem várias doenças que os mosquitos podem ser portadores e o seu pet precisa estar protegido. Muitas coleiras anti-pulgas afastam também moscas e mosquitos assim como algumas pipetas.

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Berne em cachorro - como tirar berne de cachorro, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças parasitárias.

Referências
  1. Kettle, D. S. (1984) Medical and veterinary entomology. London and Sydney: Croom Helm, 279-83.
  2. Rietschel, W. (1989) Beobachtungen zum Sandfloh (Tunga penetrans) bei Mensch und Hund in Franzosisch Guayana. Tierartzliche Praxis; 17: 189-93.