Partilhar

A raiva canina

Por Vanessa Lopes, Redatora do PeritoAnimal. Atualizado: 3 janeiro 2018
A raiva canina

Ver fichas de  Cachorros

É provável que a raiva canina seja uma condições mais conhecidas e, qualquer mamífero pode ficar contagiado com esta doença sendo os cachorros os principais transmissores a nível mundial. Os únicos locais do mundo em que não existe o vírus da raiva são a Austrália, as ilhas britânicas e a Antártica. Além de nestes locais, o vírus da raiva existe em qualquer outro local do mundo. É causada por um vírus da família Rhabdoviridae.

Detetar as suas causas é fundamental para prevenir esta condição, ao mesmo tempo é imprescindível identificar os seus sintomas para garantir a segurança de quem convive com o animal. Lembre-se que esta doença é mortal e pode afetar o ser humano. Por isso, todos os países tomam medidas para a prevenir, conter e eliminar.

No PeritoAnimal vamos lhe explicar com detalhes tudo sobre a raiva em cães, as suas causas, sintomas e prevenção.

Também lhe pode interessar: Raiva em gatos - Sintomas e Prevenção

Como se transmite a raiva?

A raiva transmite-se através da transmissão do vírus rhabdoviridae, que se transfere normalmente pela mordida ou saliva de um animal infetado. No entanto, foram documentados alguns casos em que o vírus da raiva foi transmitido em partículas de aerossol flutuando no ar. Estes casos, no entanto, são estranhos e apenas ocorreram em cavernas onde habitavam muitos morcegos infetados.

A nível mundial, os cachorros são os principais portadores desta doença, especialmente aqueles animais que não receberam os cuidados nem a vacinação oportuna. No entanto, a raiva também se pode transmitir através da mordida de outros animais domésticos como os gatos, ou de animais selvagens como os gambás, os guaxinins ou os morcegos.

Além de afetar de forma letal o nosso cachorro, a raiva também se pode contagiar aos humanos se forem mordidos por algum animal infetado, por isso trabalhar na sua prevenção e reconhecer a tempo os seus sintomas é fundamental para garantir a saúde de todos os donos dos pets.

Sabe-se que o vírus da raiva não dura muito fora de um corpo com vida. Foi relatado que pode permanecer ativo em carcaças de animais até 24 horas.

A raiva canina - Como se transmite a raiva?

Os sintomas da raiva

O vírus da raiva conta com um período de incubação que oscila entre três e oito semanas, embora em alguns casos este período possa ser um pouco mais comprido. Também tem diferentes tempos de incubação nas diferentes espécies de animais, e produz três fases de sintomas caraterísticos, embora nem sempre se apresentem todas as fases. Apesar de todos os mamíferos serem suscetíveis à raiva, sabe-se que os gambás podem ser portadores assintomáticos em alguns casos. Nos humanos, os sintomas costumam aparecer entre três e seis semanas depois da infeção, mas também foram reportados casos de incubação mais longa.

Os sintomas desta condição, que afeta o cérebro e o sistema nervoso central do animal, costumam em três fases mas é possível que algumas cachorros não as manifestem todas, motivo pelo qual é importante estar atento a todo o momento perante qualquer sinal que indique que a saúde do nosso pet não anda bem.

Os sintomas da raiva dependendo das fases são:

  • Primeira fase ou prodrômica: com uma duração perto dos três dias, nesta fase apresenta-se uma mudança de comportamento no animal que se pode tornar nervoso, assustado e ansioso, isolando-se do seu meio. No caso de animais pouco dóceis ou agressivos, estes podem tornar-se carinhosos. Adicionalmente é comum apresentarem febre.
  • Segunda fase ou etapa furiosa: ocorrem sinais mais caraterísticos da raiva, embora esta fase nem sempre ocorra em todos os cachorros. Os sintomas mais comuns são irritabilidade, hiperatividade, pouco descanso e agressividade extrema, o animal morde qualquer coisa que se coloque no seu caminho. Podem ocorrer outros sinais como dificuldade para se orientar e convulsões, esta etapa pode durar entre um dia e uma semana.
  • Terceira fase ou etapa paralítica: alguns cachorros morrem antes de alcançar esta fase, na qual se paralisam os músculos da cabeça e do pescoço, impossibilitando o animal de engolir saliva e originando progressivamente uma insuficiência respiratório que origina a morte do animal.

No passado, o diagnóstico da raiva foi feito com base numa análise do tecido nervoso do cérebro, pelo que era necessário matar o cachorro para diagnosticar se tinha ou não raiva. Atualmente utilizam-se outras técnicas para diagnosticar a raiva antecipadamente, sem a necessidade de matar o animal. Entre estas técnicas encontra-se a reação em cadeia da polimerase (PCR pelas suas siglas em inglês).

A raiva canina - Os sintomas da raiva

A raiva tem cura?

Infelizmente o vírus da raiva não tem tratamento nem cura, portanto devido à intensidade dos sintomas e por os mesmos afetarem o sistema nervoso central e o cérebro do animal, um cachorro com raiva acabará por morrer eventualmente, no entanto é possível prevenir o contágio desta condição através da vacinação.

No caso dos humanos que se encontram muito expostos ao mundo animal como no caso dos voluntários ou aqueles que foram mordidos por qualquer animal, também é possível receber a vacina contra a raiva e cuidar da lesão o quanto antes com o objetivo de evitar que a saliva infetada possa dar lugar à transmissão do vírus.

Se um cachorro lhe mordeu e suspeita que possa ter raiva, consulte de imediato um hospital para receber a antirrábica, pois pode salvar-lhe a vida. Explicamos-lhe estes detalhes no nosso artigo sobre o que fazer em caso de mordida de cachorro.

A raiva canina - A raiva tem cura?

Prevenir a raiva

É possível prevenir a raiva através da vacinação, cuja primeira dose deve ser recebida pelo cachorro durante os primeiros meses de vida. Posteriormente à vacina da raiva deverá levar reforços várias vezes e segundo as indicações do veterinário.

Devido a esta condição ocorrer com frequência em animais em estado de abandono, é muito importante que se decidir adotar um pet nestas condições, o leve de imediato a um veterinário, inclusive antes de o levar para sua casa, com o objetivo de lhe realizar uma extensa revisão médica e oferecer-lhe todas as vacinas necessárias para garantir a sua saúde e bem-estar.

A raiva canina - Prevenir a raiva

Este artigo é meramente informativo, no PeritoAnimal.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos veterinários nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Sugerimos-lhe que leve o seu animal de estimação ao veterinário no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a A raiva canina, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Doenças infecciosas.

Escrever comentário sobre A raiva canina

Adicione uma imagen
Clique para adicionar uma foto relacionada com o comentário
O que lhe pareceu o artigo?

A raiva canina
1 de 5
A raiva canina

Voltar ao topo da página